Receitas mais recentes

Geléia de morango de Nigel Slater e mais receitas

Geléia de morango de Nigel Slater e mais receitas



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Confira as escolhas de nossos editores para as principais receitas da seção de alimentos desta semana.

NY Mag
Nigel Slater leva morangos Tristar, um pouco de açúcar e apenas um toque de limão para uma geléia de morango perfeita.

LA Times
Aqui está uma receita de um ganhador de hambúrguer, chamado de Hambúrguer H-Bomb com bacon jalapeño e queijo habanero.

NY Times
Corte e faça este condimento de verão: molho chimicurri.

SF Chronicle
O segredo de um ótimo hambúrguer? O aioli perfeito, além de um lindo Patty e cebolas grelhadas.

NPR
Mark Bittman compartilha um clássico cult: arroz doce. Próximo debate: Servido quente ou frio?

Chicago Tribune
Anime sua limonada para uma festa de adultos com xarope simples de manjericão, suco de pepino e vodka.

Seattle Times
A temporada de grelhados não é nada sem grelhados abacaxis e espetos de camarão.

Portlant Press Herald
Prepare a melhor cesta de piquenique com alguns Frango frito com leitelho.

Washington Post
Os jantares de última hora devem sempre envolver raiz-forte e salmão.

Cozinha Diariamente
As tortas podem não ser pesadas em uma festa, então vire torta de cereja em barras pequenas.


Receita de torta de morango de Nigel Slater

O vermelho forte e forte do morango é um sinal de alerta para o início da temporada do fruto escarlate - aquelas 12 semanas do ano em que pequenas frutas vermelhas chegam até nós sem parar, desde as cerejas precoces de polpa crocante até as tardias aveludadas - framboesas da estação. Pode ser a prostituta barata do mundo das frutas, mas o morango nunca deixa de chamar minha atenção, e assim que junho chegar, não demorará muito para que eu caia nas delícias vulgares de uma torta de morango.

Morangos, creme e massa crocante são uma delícia uma vez por ano em minha casa. Pode vir na forma de uma minúscula torta de massa quebrada cheia de uma mistura de cream cheese e creme, com uma pilha alta de frutas fatiadas, ou uma mistura em flocos de massa folhada, creme ondulado e açúcar de confeiteiro. No ano passado, fiz shortcakes finíssimos e os ensanduichei com iogurte espesso e os onipresentes morangos Elsanta. Antes disso, tive uma breve paixão por bolo de morango americano espesso - embora fosse a lápide do mundo das tortas de morango.

Talvez as mais glamorosas sejam as tortas do tamanho de uma roda que você vê nas confeitarias parisienses, cheias de crème ptissière, suas enormes frutas vermelhas aprisionadas em um lustroso esmalte de groselha. Não gosto de coberturas pegajosas de geleia em tortas de frutas, mas gosto do recheio grosso de creme - especialmente porque é uma bicha de se fazer em casa.

A vantagem de fazer essas coisas em sua própria cozinha é que você pode experimentar receitas para os bolos mais frágeis que provavelmente seriam prejudicados no mundo comercial. Nenhum assistente de loja para levantar a crosta delicada da janela para a caixa de papelão, e nenhuma viagem de volta para casa perigosamente empoleirada no colo de alguém em um carro aquecido. Em casa, podemos estender uma massa tão leve quanto ousar, pois ela só precisa fazer a curta viagem do prato aos lábios.

A torta de morango perfeita é um conjunto criteriosamente julgado de massa esfarelada, frutas saborosas e recheio cremoso e profundo. Deve ser frágil. Tanto que você mal consegue pegá-lo. A massa deve quebrar entre os dedos. Nem sempre precisa ser recheado com o tradicional creme de pasteleiro feito de ovos, leite e açúcar, poderia ser algo menos doce e com um pouco de sabor, como o creme de leite misturado com queijo fresco ou iogurte. Como eu disse, não gosto desses esmaltes brilhantes e gelados tão preferidos dos confeiteiros, então uso uma fina camada de açúcar de confeiteiro. A escolha é sua, eu acho.

Para que nossa orgia anual de frutas silvestres e creme seja memorável, a massa deve ser mais interessante do que uma massa quebrada à moda antiga. Talvez experimente uma crosta de nozes para uma torta de frutas - isto é, uma massa à qual você adicionou avelãs ou amêndoas moídas? Nozes de qualquer tipo têm afinidade com frutas vermelhas (e com frutas de caroço, como pêssegos e damascos), e ajudam a tornar a massa ainda mais quebradiça. Às vezes, também acrescento alguns pistache picados aos morangos.

A ideia é fornecer uma massa que faça pouco mais do que sustentar a fruta - deveria, eu acho, ser tão fina e crocante que seja quase invisível. O bônus aqui é que uma massa como essa mal dura cinco minutos quando recheada com frutas e recheada de creme. Portanto, você não tem escolha a não ser devorá-lo quase assim que for feito.

O recheio clássico de qualquer tarte de frutas vermelhas é o crème ptissière, aquele creme espesso e amarelo cremoso engrossado com um pouco de farinha. Eu gosto disso, embora seja chato de fazer. Claro, seria fácil rechear sua massa com nada mais do que uma gota gigante de chantilly, mas acho que isso supera as frutas, como um bebê recém-nascido em uma cama king-size. Prepare-o com meia quantidade de mascarpone ou crème frache, e você terá algo com uma borda que vai embelezar em vez de sufocar a fruta.

Talvez a torta mais fofa de todas seja aquela feita com morangos silvestres - fraises de bois. Quando eu finalmente conseguir arrumar o jardim, um canteiro dessas pequenas frutas com sementes pesadas será uma das primeiras coisas a entrar. Não que eu já tenha cozinhado com elas, eles tendem a não chegar tão longe quanto a cozinha . Mas nas próximas semanas, pelo menos, a grande baga vermelha cultivada terá que ser - e para mim não há lugar melhor para eles do que embrulhados com massa e creme.


Receita de torta de morango de Nigel Slater

O vermelho forte e forte do morango é um sinal de alerta para o início da temporada do fruto escarlate - aquelas 12 semanas do ano em que pequenas frutas vermelhas chegam até nós sem parar, desde as primeiras cerejas de polpa crocante até as aveludadas tardias - framboesas da estação. Pode ser a prostituta barata do mundo das frutas, mas o morango nunca deixa de chamar minha atenção, e assim que junho chegar, não demorará muito para que eu caia nas delícias vulgares de uma torta de morango.

Morangos, creme e massa crocante são uma delícia uma vez por ano em minha casa. Pode vir na forma de uma minúscula torta de massa quebrada cheia de uma mistura de cream cheese e creme, com uma pilha alta de frutas fatiadas, ou uma mistura em flocos de massa folhada, creme ondulado e açúcar de confeiteiro. No ano passado, fiz shortcakes finíssimos e os ensanduichei com iogurte espesso e os onipresentes morangos Elsanta. Antes disso, tive uma breve paixão por torta de morango americana grossa - embora fosse a lápide do mundo das tortas de morango.

Talvez as mais glamorosas sejam as tortas do tamanho de uma roda que você vê nas confeitarias parisienses, cheias de crème ptissière, suas enormes frutas vermelhas aprisionadas em um lustroso esmalte de groselha. Não gosto de coberturas de geleia pegajosas em tortas de frutas, mas gosto do recheio de creme grosso - especialmente porque é uma bicha de se fazer em casa.

A vantagem de fazer essas coisas em sua própria cozinha é que você pode experimentar receitas para os bolos mais frágeis que provavelmente seriam prejudicados no mundo comercial. Nenhum assistente de loja para levantar a crosta delicada da janela para a caixa de papelão, e nenhuma viagem de volta para casa perigosamente empoleirada no colo de alguém em um carro aquecido. Em casa, podemos estender uma massa tão leve quanto ousar, pois ela só precisa fazer a curta viagem do prato aos lábios.

A torta de morango perfeita é um conjunto criteriosamente julgado de massa quebradiça, frutas saborosas e recheio cremoso e profundo. Deve ser frágil. Tanto que você mal consegue pegá-lo. A massa deve quebrar entre os dedos. Nem sempre precisa de ser recheado com o tradicional creme de pasteleiro feito de ovos, leite e açúcar, pode ser algo menos doce e com um pouco de sabor, como o creme de leite misturado com queijo fresco ou iogurte. Como eu disse, não gosto desses esmaltes brilhantes e gelados tão apreciados pelos chefs confeiteiros, então uso uma fina camada de açúcar de confeiteiro. A escolha é sua, eu acho.

Para que nossa orgia anual de frutas silvestres e creme seja memorável, a massa deve ser mais interessante do que uma massa quebrada à moda antiga. Talvez experimente uma crosta de nozes para uma torta de frutas - isto é, uma massa à qual você adicionou avelãs ou amêndoas moídas? Nozes de qualquer tipo têm afinidade com frutas vermelhas (e com frutas de caroço, como pêssegos e damascos), e ajudam a tornar a massa ainda mais quebradiça. Às vezes, também acrescento alguns pistache picados aos morangos.

A ideia é fornecer uma massa que faça pouco mais do que sustentar a fruta - deveria, eu acho, ser tão fina e crocante que seja quase invisível. O bônus aqui é que uma massa como essa mal dura cinco minutos quando recheada com frutas e recheada de creme. Portanto, você não tem escolha a não ser devorá-lo quase assim que for feito.

O recheio clássico de qualquer tarte de frutas vermelhas é o crème ptissière, aquele creme espesso e amarelo cremoso engrossado com um pouco de farinha. Eu gosto disso, embora seja chato de fazer. Claro, seria fácil rechear sua massa com nada mais do que uma gota gigante de chantilly, mas acho que isso supera as frutas, como um bebê recém-nascido em uma cama king-size. Prepare-o com meia quantidade de mascarpone ou crème frache, e você terá algo com uma borda que vai embelezar em vez de sufocar a fruta.

Talvez a torta mais fofa de todas seja aquela feita com morangos silvestres - fraises de bois. Quando eu finalmente conseguir arrumar o jardim, um canteiro dessas pequenas frutas com sementes pesadas será uma das primeiras coisas a entrar. Não que eu já tenha cozinhado com elas, eles tendem a não chegar tão longe quanto a cozinha . Mas, nas próximas semanas, pelo menos, a grande baga vermelha cultivada terá que ser - e para mim não há lugar melhor para eles do que embrulhados com massa e creme.


Receita de torta de morango de Nigel Slater

O vermelho forte e forte do morango é um sinal de alerta para o início da temporada do fruto escarlate - aquelas 12 semanas do ano em que pequenas frutas vermelhas chegam até nós sem parar, desde as primeiras cerejas de polpa crocante até as aveludadas tardias - framboesas da estação. Pode ser a prostituta barata do mundo das frutas, mas o morango nunca deixa de chamar minha atenção, e assim que junho chegar, não demorará muito para que eu caia nas delícias vulgares de uma torta de morango.

Morangos, creme e massa crocante são uma delícia uma vez por ano em minha casa. Pode vir na forma de uma minúscula torta de massa quebrada cheia de uma mistura de cream cheese e creme, com uma pilha alta de frutas fatiadas, ou uma mistura em flocos de massa folhada, creme ondulado e açúcar de confeiteiro. No ano passado, fiz shortcakes finíssimos e os ensanduichei com iogurte espesso e os onipresentes morangos Elsanta. Antes disso, tive uma breve paixão por torta de morango americana grossa - embora fosse a lápide do mundo das tortas de morango.

Talvez as mais glamorosas sejam as tortas do tamanho de uma roda que você vê nas confeitarias parisienses, cheias de crème ptissière, suas enormes frutas silvestres aprisionadas em um lustroso esmalte de groselha. Não gosto de coberturas pegajosas de geleia em tortas de frutas, mas gosto do recheio grosso de creme - especialmente porque é uma bicha de se fazer em casa.

A vantagem de fazer essas coisas em sua própria cozinha é que você pode experimentar receitas para os bolos mais frágeis que provavelmente seriam prejudicados no mundo comercial. Nenhum assistente de loja para levantar a crosta delicada da janela para a caixa de papelão, e nenhuma viagem de volta para casa perigosamente empoleirada no colo de alguém em um carro aquecido. Em casa, podemos estender uma massa tão leve quanto ousar, pois ela só precisa fazer a curta viagem do prato aos lábios.

A torta de morango perfeita é um conjunto criteriosamente julgado de massa quebradiça, frutas saborosas e recheio cremoso e profundo. Deve ser frágil. Tanto que você mal consegue pegá-lo. A massa deve quebrar entre os dedos. Nem sempre precisa ser recheado com o tradicional creme de pasteleiro feito de ovos, leite e açúcar, poderia ser algo menos doce e com um pouco de sabor, como o creme de leite misturado com queijo fresco ou iogurte. Como eu disse, não gosto desses esmaltes brilhantes e gelados tão preferidos dos confeiteiros, então uso uma fina camada de açúcar de confeiteiro. A escolha é sua, eu acho.

Para que nossa orgia anual de frutas silvestres e creme seja memorável, a massa deve ser mais interessante do que uma massa quebrada à moda antiga. Talvez experimente uma crosta de nozes para uma torta de frutas - isto é, uma massa à qual você adicionou avelãs ou amêndoas moídas? Nozes de qualquer tipo têm afinidade com frutas vermelhas (e com frutas de caroço, como pêssegos e damascos), e ajudam a tornar a massa ainda mais quebradiça. Às vezes, também adiciono alguns pistache picados aos meus morangos.

A ideia é fornecer uma massa que faça pouco mais do que sustentar a fruta - ela deve, eu acho, ser tão fina e crocante que seja quase invisível. O bônus aqui é que uma massa como essa mal dura cinco minutos quando recheada com frutas e recheada de creme. Portanto, você não tem escolha a não ser devorá-lo quase assim que for feito.

O recheio clássico de qualquer tarte de frutas vermelhas é o crème ptissière, aquele creme espesso e amarelo cremoso engrossado com um pouco de farinha. Eu gosto disso, embora seja chato de fazer. Claro, seria fácil rechear sua massa com nada mais do que uma gota gigante de chantilly, mas acho que isso supera as frutas, como um bebê recém-nascido em uma cama king-size. Prepare-o com meia quantidade de mascarpone ou crème frache, e você terá algo com uma borda que vai embelezar em vez de sufocar a fruta.

Talvez a torta mais fofa de todas seja aquela feita com morangos silvestres - fraises de bois. Quando eu finalmente conseguir arrumar o jardim, um canteiro dessas pequenas frutas com sementes pesadas será uma das primeiras coisas a entrar. Não que eu já tenha cozinhado com elas, eles tendem a não chegar tão longe quanto a cozinha . Mas, nas próximas semanas, pelo menos, a grande baga vermelha cultivada terá que ser - e para mim não há lugar melhor para eles do que embrulhados com massa e creme.


Receita de torta de morango de Nigel Slater

O vermelho forte e forte do morango é um sinal de alerta para o início da temporada do fruto escarlate - aquelas 12 semanas do ano em que pequenas frutas vermelhas chegam até nós sem parar, desde as primeiras cerejas de polpa crocante até as aveludadas tardias - framboesas da estação. Pode ser a prostituta barata do mundo das frutas, mas o morango nunca deixa de chamar minha atenção, e assim que junho chegar, não demorará muito para que eu caia nas delícias vulgares de uma torta de morango.

Morangos, creme e massa crocante são uma delícia uma vez por ano em minha casa. Pode vir na forma de uma minúscula torta de massa quebrada cheia de uma mistura de cream cheese e creme, com uma pilha alta de frutas fatiadas, ou uma mistura em flocos de massa folhada, creme ondulado e açúcar de confeiteiro. No ano passado, fiz shortcakes finíssimos e os ensanduichei com iogurte espesso e os onipresentes morangos Elsanta. Antes disso, tive uma breve paixão por bolo de morango americano espesso - embora fosse a lápide do mundo das tortas de morango.

Talvez as mais glamorosas sejam as tortas do tamanho de uma roda que você vê nas confeitarias parisienses, cheias de crème ptissière, suas enormes frutas vermelhas aprisionadas em um lustroso esmalte de groselha. Não gosto de coberturas pegajosas de geleia em tortas de frutas, mas gosto do recheio grosso de creme - especialmente porque é uma bicha de se fazer em casa.

A vantagem de fazer essas coisas em sua própria cozinha é que você pode experimentar receitas para os bolos mais frágeis que provavelmente seriam prejudicados no mundo comercial. Nenhum assistente de loja para levantar a crosta delicada da janela para a caixa de papelão, e nenhuma viagem de volta para casa perigosamente empoleirada no colo de alguém em um carro aquecido. Em casa, podemos estender uma massa tão leve quanto ousarmos, pois ela só precisa fazer a curta viagem do prato aos lábios.

A torta de morango perfeita é um conjunto criteriosamente julgado de massa quebradiça, frutas saborosas e recheio cremoso e profundo. Deve ser frágil. Tanto que você mal consegue pegá-lo. A massa deve quebrar entre os dedos. Nem sempre precisa de ser recheado com o tradicional creme de pasteleiro feito de ovos, leite e açúcar, pode ser algo menos doce e com um pouco de sabor, como o creme de leite misturado com queijo fresco ou iogurte. Como eu disse, não gosto desses esmaltes brilhantes e gelados tão preferidos dos confeiteiros, então uso uma fina camada de açúcar de confeiteiro. A escolha é sua, eu acho.

Para que nossa orgia anual de frutas silvestres e creme seja memorável, a massa deve ser mais interessante do que uma massa quebrada à moda antiga. Talvez experimente uma crosta de nozes para uma torta de frutas - isto é, uma massa à qual você adicionou avelãs ou amêndoas moídas? Nozes de qualquer tipo têm afinidade com frutas vermelhas (e com frutas de caroço, como pêssegos e damascos), e ajudam a tornar a massa ainda mais quebradiça. Às vezes, também acrescento alguns pistache picados aos morangos.

A ideia é fornecer uma massa que faça pouco mais do que sustentar a fruta - deveria, eu acho, ser tão fina e crocante que seja quase invisível. O bônus aqui é que uma massa como essa mal dura cinco minutos quando recheada com frutas e recheada de creme. Portanto, você não tem escolha a não ser devorá-lo quase assim que for feito.

O recheio clássico de qualquer tarte de frutas vermelhas é o crème ptissière, aquele creme espesso e amarelo cremoso engrossado com um pouco de farinha. Eu gosto disso, embora seja chato de fazer. Claro, seria fácil rechear sua massa com nada mais do que uma gota gigante de chantilly, mas acho que isso supera as frutas, como um bebê recém-nascido em uma cama king-size. Prepare-o com meia quantidade de mascarpone ou crème frache, e você terá algo com uma borda que vai embelezar em vez de sufocar a fruta.

Talvez a torta mais fofa de todas seja aquela feita com morangos silvestres - fraises de bois. Quando eu finalmente conseguir arrumar o jardim, um canteiro dessas pequenas frutas com muitas sementes será uma das primeiras coisas a entrar. Não que eu já tenha cozinhado com elas, eles tendem a não chegar tão longe quanto a cozinha . Mas nas próximas semanas, pelo menos, a grande baga vermelha cultivada terá que ser - e para mim não há lugar melhor para eles do que embrulhados com massa e creme.


Receita de torta de morango de Nigel Slater

O vermelho forte e forte do morango é um sinal de alerta para o início da temporada do fruto escarlate - aquelas 12 semanas do ano em que pequenas frutas vermelhas chegam até nós sem parar, desde as primeiras cerejas de polpa crocante até as aveludadas tardias - framboesas da estação. Pode ser a prostituta barata do mundo das frutas, mas o morango nunca deixa de chamar minha atenção, e assim que junho chegar, não demorará muito para que eu caia nas delícias vulgares de uma torta de morango.

Morangos, creme e massa crocante são uma delícia uma vez por ano em minha casa. Pode vir na forma de uma minúscula torta de massa quebrada cheia de uma mistura de cream cheese e creme, com uma pilha alta de frutas fatiadas, ou uma mistura em flocos de massa folhada, creme ondulado e açúcar de confeiteiro. No ano passado, fiz shortcakes finíssimos e os ensanduichei com iogurte espesso e os onipresentes morangos Elsanta. Antes disso, tive uma breve paixão por torta de morango americana grossa - embora fosse a lápide do mundo das tortas de morango.

Talvez as mais glamorosas sejam as tortas do tamanho de uma roda que você vê nas confeitarias parisienses, cheias de crème ptissière, suas enormes frutas vermelhas aprisionadas em um lustroso esmalte de groselha. Não gosto de coberturas pegajosas de geleia em tortas de frutas, mas gosto do recheio grosso de creme - especialmente porque é uma bicha de se fazer em casa.

A vantagem de fazer essas coisas em sua própria cozinha é que você pode experimentar receitas para os bolos mais frágeis que provavelmente seriam prejudicados no mundo comercial. Nenhum assistente de loja para levantar a crosta delicada da janela para a caixa de papelão, e nenhuma viagem de volta para casa perigosamente empoleirada no colo de alguém em um carro aquecido. Em casa, podemos estender uma massa tão leve quanto ousarmos, pois ela só precisa fazer a curta viagem do prato aos lábios.

A torta de morango perfeita é um conjunto criteriosamente julgado de massa esfarelada, frutas saborosas e recheio cremoso e profundo. Deve ser frágil. Tanto que você mal consegue pegá-lo. A massa deve quebrar entre os dedos. Nem sempre precisa ser recheado com o tradicional creme de pasteleiro feito de ovos, leite e açúcar, poderia ser algo menos doce e com um pouco de sabor, como o creme de leite misturado com queijo fresco ou iogurte. Como eu disse, não gosto desses esmaltes brilhantes e gelados tão preferidos dos confeiteiros, então uso uma fina camada de açúcar de confeiteiro. A escolha é sua, eu acho.

Para que nossa orgia anual de frutas silvestres e creme seja memorável, a massa deve ser mais interessante do que uma massa quebrada à moda antiga. Talvez experimente uma crosta de nozes para uma torta de frutas - isto é, uma massa à qual você adicionou avelãs ou amêndoas moídas? Nozes de qualquer tipo têm afinidade com frutas vermelhas (e com frutas de caroço, como pêssegos e damascos), e ajudam a tornar a massa ainda mais quebradiça. Às vezes, também acrescento alguns pistache picados aos morangos.

A ideia é fornecer uma massa que faça pouco mais do que sustentar a fruta - deveria, eu acho, ser tão fina e crocante que seja quase invisível. O bônus aqui é que uma massa como essa mal dura cinco minutos quando recheada com frutas e recheada de creme. Portanto, você não tem escolha a não ser devorá-lo quase assim que for feito.

O recheio clássico para qualquer tarte de frutas vermelhas é o crème ptissière, aquele creme espesso e amarelo cremoso engrossado com um pouco de farinha. Eu gosto disso, embora seja chato de fazer. Claro, seria fácil rechear sua massa com nada mais do que uma gota gigante de chantilly, mas acho que isso supera as frutas, como um bebê recém-nascido em uma cama king-size. Prepare-o com meia quantidade de mascarpone ou crème frache, e você terá algo com uma borda que vai embelezar em vez de sufocar a fruta.

Talvez a torta mais fofa de todas seja aquela feita com morangos silvestres - fraises de bois. Quando eu finalmente conseguir arrumar o jardim, um canteiro dessas pequenas frutas com sementes pesadas será uma das primeiras coisas a entrar. Não que eu já tenha cozinhado com elas, eles tendem a não chegar tão longe quanto a cozinha . Mas, nas próximas semanas, pelo menos, a grande baga vermelha cultivada terá que ser - e para mim não há lugar melhor para eles do que embrulhados com massa e creme.


Receita de torta de morango de Nigel Slater

O vermelho forte e forte do morango é um sinal de alerta para o início da temporada do fruto escarlate - aquelas 12 semanas do ano em que pequenas frutas vermelhas chegam até nós sem parar, desde as primeiras cerejas de polpa crocante até as aveludadas tardias - framboesas da estação. Pode ser a prostituta barata do mundo das frutas, mas o morango nunca deixa de chamar minha atenção, e assim que junho chegar, não demorará muito para que eu caia nas delícias vulgares de uma torta de morango.

Morangos, creme e massa crocante são uma delícia uma vez por ano em minha casa. Pode vir na forma de uma pequena torta de massa quebrada cheia de uma mistura de cream cheese e creme, com uma pilha alta de frutas fatiadas, ou uma mistura em flocos de massa folhada, creme ondulado e açúcar de confeiteiro. No ano passado, fiz shortcakes finíssimos e os ensanduichei com iogurte espesso e os onipresentes morangos Elsanta. Antes disso, tive uma breve paixão por bolo de morango americano espesso - embora fosse a lápide do mundo das tortas de morango.

Talvez as mais glamorosas sejam as tortas do tamanho de uma roda que você vê nas confeitarias parisienses, cheias de crème ptissière, suas enormes frutas silvestres aprisionadas em um lustroso esmalte de groselha. Não gosto de coberturas pegajosas de geleia em tortas de frutas, mas gosto do recheio grosso de creme - especialmente porque é uma bicha de se fazer em casa.

A vantagem de fazer essas coisas em sua própria cozinha é que você pode experimentar receitas para os bolos mais frágeis que provavelmente seriam prejudicados no mundo comercial. Nenhum assistente de loja para levantar a crosta delicada da janela para a caixa de papelão, e nenhuma viagem de volta para casa perigosamente empoleirada no colo de alguém em um carro aquecido. Em casa, podemos estender uma massa tão leve quanto ousar, pois ela só precisa fazer a curta viagem do prato aos lábios.

A torta de morango perfeita é um conjunto criteriosamente julgado de massa quebradiça, frutas saborosas e recheio cremoso e profundo. Deve ser frágil. Tanto que você mal consegue pegá-lo. A massa deve quebrar entre os dedos. Nem sempre precisa ser recheado com o tradicional creme de pasteleiro feito de ovos, leite e açúcar, poderia ser algo menos doce e com um pouco de sabor, como o creme de leite misturado com queijo fresco ou iogurte. Como eu disse, não gosto desses esmaltes brilhantes e gelados tão apreciados pelos chefs confeiteiros, então uso uma fina camada de açúcar de confeiteiro. A escolha é sua, eu acho.

Para que nossa orgia anual de frutas silvestres e creme seja memorável, a massa deve ser mais interessante do que uma massa quebrada à moda antiga. Talvez experimente uma crosta de nozes para uma torta de frutas - isto é, uma massa à qual você adicionou avelãs ou amêndoas moídas? Nozes de qualquer tipo têm afinidade com frutas vermelhas (e com frutas de caroço, como pêssegos e damascos), e ajudam a tornar a massa ainda mais quebradiça. Às vezes, também adiciono alguns pistache picados aos meus morangos.

A ideia é fornecer uma massa que faça pouco mais do que sustentar a fruta - ela deve, eu acho, ser tão fina e crocante que seja quase invisível. O bônus aqui é que uma massa como essa mal dura cinco minutos quando recheada com frutas e recheada de creme. Portanto, você não tem escolha a não ser devorá-lo quase assim que for feito.

O recheio clássico de qualquer tarte de frutas vermelhas é o crème ptissière, aquele creme espesso e amarelo cremoso engrossado com um pouco de farinha. Eu gosto disso, embora seja chato de fazer. Claro, seria fácil rechear sua massa com nada mais do que uma gota gigante de chantilly, mas acho que isso supera as frutas, como um bebê recém-nascido em uma cama king-size. Prepare-o com meia quantidade de mascarpone ou crème frache, e você terá algo com uma borda que vai embelezar em vez de sufocar a fruta.

Talvez a torta mais fofa de todas seja aquela feita com morangos silvestres - fraises de bois. Quando eu finalmente conseguir arrumar o jardim, um canteiro dessas pequenas frutas com sementes pesadas será uma das primeiras coisas a entrar. Não que eu já tenha cozinhado com elas, eles tendem a não chegar tão longe quanto a cozinha . Mas, nas próximas semanas, pelo menos, a grande baga vermelha cultivada terá que ser - e para mim não há lugar melhor para eles do que embrulhados com massa e creme.


Receita de torta de morango de Nigel Slater

O vermelho forte e forte do morango é um sinal de alerta para o início da temporada do fruto escarlate - aquelas 12 semanas do ano em que pequenas frutas vermelhas chegam até nós sem parar, desde as primeiras cerejas de polpa crocante até as aveludadas tardias - framboesas da estação. Pode ser a prostituta barata do mundo das frutas, mas o morango nunca deixa de chamar minha atenção, e assim que junho chegar, não demorará muito para que eu caia nas delícias vulgares de uma torta de morango.

Morangos, creme e massa crocante são uma delícia uma vez por ano em minha casa. Pode vir na forma de uma pequena torta de massa quebrada cheia de uma mistura de cream cheese e creme, com uma pilha alta de frutas fatiadas, ou uma mistura em flocos de massa folhada, creme ondulado e açúcar de confeiteiro. No ano passado, fiz shortcakes finíssimos e os ensanduichei com iogurte espesso e os onipresentes morangos Elsanta. Antes disso, tive uma breve paixão por torta de morango americana grossa - embora fosse a lápide do mundo das tortas de morango.

Talvez as mais glamorosas sejam as tortas do tamanho de uma roda que você vê nas confeitarias parisienses, cheias de crème ptissière, suas enormes frutas silvestres aprisionadas em um lustroso esmalte de groselha. Não gosto de coberturas pegajosas de geleia em tortas de frutas, mas gosto do recheio grosso de creme - especialmente porque é uma bicha de se fazer em casa.

A vantagem de fazer essas coisas em sua própria cozinha é que você pode experimentar receitas para os bolos mais frágeis que provavelmente seriam prejudicados no mundo comercial. Nenhum assistente de loja para levantar a crosta delicada da janela para a caixa de papelão, e nenhuma viagem de volta para casa perigosamente empoleirada no colo de alguém em um carro aquecido. Em casa, podemos estender uma massa tão leve quanto ousar, pois ela só precisa fazer a curta viagem do prato aos lábios.

A torta de morango perfeita é um conjunto criteriosamente julgado de massa esfarelada, frutas saborosas e recheio cremoso e profundo. Deve ser frágil. Tanto que você mal consegue pegá-lo. A massa deve quebrar entre os dedos. Nem sempre precisa ser recheado com o tradicional creme de pasteleiro feito de ovos, leite e açúcar, poderia ser algo menos doce e com um pouco de sabor, como o creme de leite misturado com queijo fresco ou iogurte. Como eu disse, não gosto desses esmaltes brilhantes e gelados tão preferidos dos confeiteiros, então uso uma fina camada de açúcar de confeiteiro. A escolha é sua, eu acho.

Para que nossa orgia anual de frutas silvestres e creme seja memorável, a massa deve ser mais interessante do que uma massa quebrada à moda antiga. Talvez experimente uma crosta de nozes para uma torta de frutas - isto é, uma massa à qual você adicionou avelãs ou amêndoas moídas? Nozes de qualquer tipo têm afinidade com bagas (e com frutas de caroço, como pêssegos e damascos) e ajudam a tornar a massa ainda mais quebradiça. Às vezes, também acrescento alguns pistache picados aos morangos.

A ideia é fornecer uma massa que faça pouco mais do que sustentar a fruta - ela deve, eu acho, ser tão fina e crocante que seja quase invisível. O bônus aqui é que uma massa como essa mal dura cinco minutos quando recheada com frutas e recheada de creme. Portanto, você não tem escolha a não ser devorá-lo quase assim que for feito.

O recheio clássico para qualquer tarte de frutas vermelhas é o crème ptissière, aquele creme espesso e amarelo cremoso engrossado com um pouco de farinha. Eu gosto disso, embora seja chato de fazer. Claro, seria fácil rechear sua massa com nada mais do que uma gota gigante de chantilly, mas acho que isso supera as frutas, como um bebê recém-nascido em uma cama king-size. Prepare-o com meia quantidade de mascarpone ou crème frache, e você terá algo com uma borda que vai embelezar em vez de sufocar a fruta.

Talvez a torta mais fofa de todas seja aquela feita com morangos silvestres - fraises de bois. Quando eu finalmente conseguir arrumar o jardim, um canteiro dessas pequenas frutas com sementes pesadas será uma das primeiras coisas a entrar. Não que eu já tenha cozinhado com elas, eles tendem a não chegar tão longe quanto a cozinha . Mas nas próximas semanas, pelo menos, a grande baga vermelha cultivada terá que ser - e para mim não há lugar melhor para eles do que embrulhados com massa e creme.


Receita de torta de morango de Nigel Slater

O vermelho forte e impetuoso do morango é um sinal de alerta para o início da temporada da fruta escarlate - aquelas 12 semanas do ano em que pequenas frutas vermelhas chegam até nós sem parar, desde as cerejas precoces de polpa crocante até as tardias aveludadas - framboesas da estação. Pode ser a prostituta barata do mundo das frutas, mas o morango nunca deixa de chamar minha atenção, e assim que junho chegar, não demorará muito para que eu caia nas delícias vulgares de uma torta de morango.

Morangos, creme e massa crocante são uma delícia uma vez por ano em minha casa. It may come in the form of a tiny shortcrust tartlet filled with a mixture of cream cheese and cream, piled high with sliced fruit, or a flaky concoction of puff pastry, wobbly custard and icing sugar. Last year, I made wafer-thin shortcakes and sandwiched them with thick yogurt and the ubiquitous Elsanta strawberries. Before that, I had a brief passion for thick American strawberry shortcake - albeit the tombstone of the strawberry-tart world.

Perhaps the most glamourous are the tarts the size of a wheel that you see in Parisian pastry shops, filled with crème ptissière, their huge berries imprisoned in glossy redcurrant glaze. I am not fond of sticky jam coverings on fruit tarts, but I do like the thick custard filling - especially as it is such a fag to make at home.

The good thing about making such things in your own kitchen is that you can experiment with recipes for the more fragile pastry that would probably come to grief in the commercial world. No shop assistant to lift the delicate crust from window to cardboard box, and no journey home perilously perched on someone's lap in a warm car. At home, we can roll out pastry as light as we dare, as it only needs to make the short trip from plate to lips.

The perfect strawberry tart is a finely judged assembly of crumbling pastry, luscious fruit and deep, creamy filling. It must be fragile. So much so that you can barely pick it up. The pastry should break between your fingers. It need not always be filled with the traditional pastry cream made from eggs, milk and sugar it could be something less sweet and with a bit of a tang to it, such as double cream mixed with fromage frais or yogurt. As I said, I don't go a bundle on those bright, jammy glazes so favoured by pastry chefs, so I use a fine dusting of icing sugar. The choice is yours, I guess.

If our once-a-year orgy of berries and cream is to be memorable, then the pastry must be more interesting than an old-fashioned shortcrust. Maybe try a nut crust for a fruit tart - that is, pastry to which you have added ground hazelnuts or almonds? Nuts of any sort have an affinity with berries (and with stone fruits, such as peaches and apricots), and help to make the pastry even more crumbly. I sometimes add a few chopped pistachios to my strawberries, too.

The idea is to provide a pastry that does little more than support the fruit - it should, I think, be so thin and crisp as to be almost invisible. The bonus here is that pastry such as this barely lasts five minutes when filled with fruit and laden with cream. So you have no choice but to wolf it almost as soon as it is made.

The classical filling for any red-fruit tart is crème ptissière, that thick, creamy yellow custard thickened with a little flour. I do like this, even though it is a bore to make. It would, of course, be easy to fill your pastry with nothing more than a giant blob of whipped cream, but I find this overwhelms the berries, like a newborn baby in a king-size bed. Smarten it up with a half-quantity of mascarpone or crème frache, and you have something with an edge to it that will flatter rather than smother the fruit.

Perhaps the cutest little tart of all is one made with wild strawberries - fraises de bois. When I finally get round to getting the garden done, a patch of these tiny, heavily seeded berries will be one of the first things to go in. Not that I have ever cooked with them they tend not to make it as far as the kitchen. But for the next few weeks at least, the big red cultivated berry it will have to be - and for me there is no better place for them than all wrapped up with pastry and cream.


Nigel Slater’s strawberry tart recipe

The brash, loud red of the strawberry is a wake-up call for the start of the scarlet-fruit season - those 12 weeks of the year when tiny red fruit comes at us nonstop, from the crisp-fleshed early cherries to the velvety late-season raspberries. The cheap hooker of the fruit world it may be, but the strawberry never fails to get my attention, and once June is upon us, it is not long before I fall for the vulgar delights of a strawberry tart.

Strawberries, cream and crisp pastry is a once-a-year treat in my house. It may come in the form of a tiny shortcrust tartlet filled with a mixture of cream cheese and cream, piled high with sliced fruit, or a flaky concoction of puff pastry, wobbly custard and icing sugar. Last year, I made wafer-thin shortcakes and sandwiched them with thick yogurt and the ubiquitous Elsanta strawberries. Before that, I had a brief passion for thick American strawberry shortcake - albeit the tombstone of the strawberry-tart world.

Perhaps the most glamourous are the tarts the size of a wheel that you see in Parisian pastry shops, filled with crème ptissière, their huge berries imprisoned in glossy redcurrant glaze. I am not fond of sticky jam coverings on fruit tarts, but I do like the thick custard filling - especially as it is such a fag to make at home.

The good thing about making such things in your own kitchen is that you can experiment with recipes for the more fragile pastry that would probably come to grief in the commercial world. No shop assistant to lift the delicate crust from window to cardboard box, and no journey home perilously perched on someone's lap in a warm car. At home, we can roll out pastry as light as we dare, as it only needs to make the short trip from plate to lips.

The perfect strawberry tart is a finely judged assembly of crumbling pastry, luscious fruit and deep, creamy filling. It must be fragile. So much so that you can barely pick it up. The pastry should break between your fingers. It need not always be filled with the traditional pastry cream made from eggs, milk and sugar it could be something less sweet and with a bit of a tang to it, such as double cream mixed with fromage frais or yogurt. As I said, I don't go a bundle on those bright, jammy glazes so favoured by pastry chefs, so I use a fine dusting of icing sugar. The choice is yours, I guess.

If our once-a-year orgy of berries and cream is to be memorable, then the pastry must be more interesting than an old-fashioned shortcrust. Maybe try a nut crust for a fruit tart - that is, pastry to which you have added ground hazelnuts or almonds? Nuts of any sort have an affinity with berries (and with stone fruits, such as peaches and apricots), and help to make the pastry even more crumbly. I sometimes add a few chopped pistachios to my strawberries, too.

The idea is to provide a pastry that does little more than support the fruit - it should, I think, be so thin and crisp as to be almost invisible. The bonus here is that pastry such as this barely lasts five minutes when filled with fruit and laden with cream. So you have no choice but to wolf it almost as soon as it is made.

The classical filling for any red-fruit tart is crème ptissière, that thick, creamy yellow custard thickened with a little flour. I do like this, even though it is a bore to make. It would, of course, be easy to fill your pastry with nothing more than a giant blob of whipped cream, but I find this overwhelms the berries, like a newborn baby in a king-size bed. Smarten it up with a half-quantity of mascarpone or crème frache, and you have something with an edge to it that will flatter rather than smother the fruit.

Perhaps the cutest little tart of all is one made with wild strawberries - fraises de bois. When I finally get round to getting the garden done, a patch of these tiny, heavily seeded berries will be one of the first things to go in. Not that I have ever cooked with them they tend not to make it as far as the kitchen. But for the next few weeks at least, the big red cultivated berry it will have to be - and for me there is no better place for them than all wrapped up with pastry and cream.


Nigel Slater’s strawberry tart recipe

The brash, loud red of the strawberry is a wake-up call for the start of the scarlet-fruit season - those 12 weeks of the year when tiny red fruit comes at us nonstop, from the crisp-fleshed early cherries to the velvety late-season raspberries. The cheap hooker of the fruit world it may be, but the strawberry never fails to get my attention, and once June is upon us, it is not long before I fall for the vulgar delights of a strawberry tart.

Strawberries, cream and crisp pastry is a once-a-year treat in my house. It may come in the form of a tiny shortcrust tartlet filled with a mixture of cream cheese and cream, piled high with sliced fruit, or a flaky concoction of puff pastry, wobbly custard and icing sugar. Last year, I made wafer-thin shortcakes and sandwiched them with thick yogurt and the ubiquitous Elsanta strawberries. Before that, I had a brief passion for thick American strawberry shortcake - albeit the tombstone of the strawberry-tart world.

Perhaps the most glamourous are the tarts the size of a wheel that you see in Parisian pastry shops, filled with crème ptissière, their huge berries imprisoned in glossy redcurrant glaze. I am not fond of sticky jam coverings on fruit tarts, but I do like the thick custard filling - especially as it is such a fag to make at home.

The good thing about making such things in your own kitchen is that you can experiment with recipes for the more fragile pastry that would probably come to grief in the commercial world. No shop assistant to lift the delicate crust from window to cardboard box, and no journey home perilously perched on someone's lap in a warm car. At home, we can roll out pastry as light as we dare, as it only needs to make the short trip from plate to lips.

The perfect strawberry tart is a finely judged assembly of crumbling pastry, luscious fruit and deep, creamy filling. It must be fragile. So much so that you can barely pick it up. The pastry should break between your fingers. It need not always be filled with the traditional pastry cream made from eggs, milk and sugar it could be something less sweet and with a bit of a tang to it, such as double cream mixed with fromage frais or yogurt. As I said, I don't go a bundle on those bright, jammy glazes so favoured by pastry chefs, so I use a fine dusting of icing sugar. The choice is yours, I guess.

If our once-a-year orgy of berries and cream is to be memorable, then the pastry must be more interesting than an old-fashioned shortcrust. Maybe try a nut crust for a fruit tart - that is, pastry to which you have added ground hazelnuts or almonds? Nuts of any sort have an affinity with berries (and with stone fruits, such as peaches and apricots), and help to make the pastry even more crumbly. I sometimes add a few chopped pistachios to my strawberries, too.

The idea is to provide a pastry that does little more than support the fruit - it should, I think, be so thin and crisp as to be almost invisible. The bonus here is that pastry such as this barely lasts five minutes when filled with fruit and laden with cream. So you have no choice but to wolf it almost as soon as it is made.

The classical filling for any red-fruit tart is crème ptissière, that thick, creamy yellow custard thickened with a little flour. I do like this, even though it is a bore to make. It would, of course, be easy to fill your pastry with nothing more than a giant blob of whipped cream, but I find this overwhelms the berries, like a newborn baby in a king-size bed. Smarten it up with a half-quantity of mascarpone or crème frache, and you have something with an edge to it that will flatter rather than smother the fruit.

Perhaps the cutest little tart of all is one made with wild strawberries - fraises de bois. When I finally get round to getting the garden done, a patch of these tiny, heavily seeded berries will be one of the first things to go in. Not that I have ever cooked with them they tend not to make it as far as the kitchen. But for the next few weeks at least, the big red cultivated berry it will have to be - and for me there is no better place for them than all wrapped up with pastry and cream.


Assista o vídeo: Nigel Slaters Lazy Loaf. Festive Gifts Day 12. BBC Studios (Agosto 2022).