Receitas mais recentes

O Hall da Fama das Refeições Diárias: Irma S. Rombauer

O Hall da Fama das Refeições Diárias: Irma S. Rombauer



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O Daily Meal está anunciando os homenageados em seu Hall of Fame para 2016. O Hall of Fame homenageia figuras-chave, tanto vivas quanto mortas, do mundo da comida. Rombauer.

O primeiro ingrediente da receita para a criação da cozinheira doméstica americana veio em uma embalagem muito improvável. Irma Starkloff Rombauer (1877-1962) foi o São LuísEsposa baseada em um próspero advogado cujos passatempos incluíam ensinar arte em uma escola particular local e servir no conselho da sinfonia. Em 1930, com sua filha, Marion, na faculdade e seu filho, Edgar, abrigado em um internato suíço, Irma se viu em uma situação um tanto terrível depois que seu marido cometeu suicídio. Embora conhecida mais por suas habilidades de anfitriã do que por cozinhar (ela contratou uma ajudante na cozinha de sua própria casa em um ponto), Rombauer decidiu - com a Grande Depressão se aproximando e sua família para apoiar - coletar suas receitas e tentar vendê-las como um livro de receitas. Ela teria passado a maior parte do ano compilando e revisando receitas, recrutando a filha como sua assistente no processo.

Em 1931, um ano após a morte do marido, a Rombauer de 54 anos, usando sua herança, publicou a coleção resultante sob o título A alegria de cozinhar. Continha 500 receitas, a tiragem foi de 3.000 exemplares e Marion fez as ilustrações. De acordo com Joy's história oficial, Rombauer vendeu-o de seu apartamento por alguns anos e, na esperança de aumentar as vendas, estudou escrita de receita no processo. É aqui que entra sua principal inovação: ao examinar as receitas, ela chegou a um novo formato que trabalhava as listas de ingredientes nas direções das receitas, de modo que as receitas agora misturavam etapas e ingredientes (o que os cozinheiros profissionais chamam de "método de ação" das receitas). A ideia de Rombauer ao fazer isso era que ajudaria a ensinar as donas de casa a cozinhar, não apenas como seguir uma receita - que elas aprenderiam técnicas junto com fórmulas.

Este foi um momento na história americana em que as mulheres estavam se mudando para longe de suas famílias de origem, seguindo seus maridos para as cidades em crescimento em busca de empregos; a tradição oral de compartilhando receitas de mãe para filha estava quebrando, e o que havia assumido foram colunas de jornal de economistas domésticos e anúncios de fornecedores de alimentos, como frigoríficos que ofereciam receitas aos leitores de maneira impessoal e estereotipada. O estilo de Rombauer representou um grande afastamento das receitas baseadas na economia doméstica que pareciam nada mais do que problemas matemáticos; suas receitas tornaram-se ferramentas de ensino, e segui-las parecia aos usuários como se houvesse um bom amigo bem ao lado deles, guiando-os tanto em palavras quanto em números. Já houve oito edições de Joy publicadas, e hoje o neto de Rombauer, Ethan Becker preside a empresa familiar de zelo pelo título.

A alegria de cozinhar foi adquirido pelo Indianápoliscom base na editora Bobbs-Merrill e relançada em uma versão expandida em 1936. Foi um sucesso modesto, mas o suficiente para encontrar Rombauer escrevendo uma nova edição aprimorada em 1943 (e perdendo o artigo definitivo no título no processo). Já houve oito edições de Alegria publicado, e hoje o neto de Rombauer, Ethan Becker, preside o negócio da família de cuidar do título. À medida que decolou em popularidade, Alegria ganhou a reputação de ser o guia que os cozinheiros domésticos poderiam recorrer para obter versões infalíveis do tipo de alimento básico resistente que a maioria dos americanos anseia: uma grande panela de brownies, um bom dia de ação de graças estofamento, real hash de carne enlatada - pratos simples e saborosos com os quais pode contar, que sabe que vão dar certo, com receitas que, com maestria, podem ser adaptadas pelos cozinheiros domésticos aos seus gostos. O que Irma Rombauer deu aos cozinheiros domésticos americanos foi uma espécie de plano de aula para uma cozinha em expansão durante uma época de recursos escassos, quando a ideia de conforto polido, mas amigável, podia prevalecer. E, surpreendentemente, Alegria de cozinhar Desde então, continua incutindo nos cozinheiros seu tipo de alegre confiança e praticidade.

Encontre todos os Induzidos no Hall da Fama das Refeições Diárias aqui.


Cozinhando com Judy: uma nova versão de uma tradição popular

É o tempo novamente - hora de reciclar a árvore, desligar as luzes e refletir sobre os feriados passados ​​e as tradições que tanto estimamos.

Provavelmente, nenhum livro de receitas pode reivindicar maior responsabilidade como fonte dessas tradições como o icônico & # 8220Joy of Cooking & # 8221 que, desde a primeira edição de Irma Rombauer em 1931, tem sido um grampo na cozinha.

O bolo de azeite da “Joy of Cooking” tem um sabor cítrico. (Cortesia de Judy Bart Kancigor)

Minha própria edição de 1946 com suas páginas amareladas e capa instável tem sido um recurso confiável - ouso dizer muleta? - por décadas. (Eu adoraria dizer que minha mãe o passou para mim com amor, mas na verdade não me lembro de minha mãe alguma vez ter um livro de receitas. Paguei $ 2 por ele em uma livraria de livros usados.)

Agora John Becker, bisneto de Irma & # 8217s, e sua esposa, Megan Scott, publicaram a edição enciclopédica de 2019 com mais de 4.000 receitas, incluindo 600 novas. Eu os conheci recentemente no lançamento de um livro na Melissa & # 8217s Produce em Vernon, onde desfrutamos um delicioso almoço com receitas do livro, todas feitas com produtos frescos da Melissa & # 8217s, incluindo o delicioso bolo de azeite mostrado aqui.

& # 8220Irma publicou o livro de receitas por necessidade e não por desejo & # 8221 Scott nos disse. & # 8220Seu marido morreu por suicídio e ela ficou sem meios de ganhar a vida durante a Grande Depressão. Ela teve 3.000 cópias impressas e, em seguida, atraiu a atenção de um editor. & # 8221

E como eles dizem, o resto é história.

A formatação incomum da receita, que Irma criou em 1936 e vem sendo usada desde então, combina as instruções e os ingredientes na ordem de uso, um benefício para o cozinheiro. & # 8220Você não se perde porque & # 8217 não está pulando para frente e para trás & # 8221 Scott explicou.

A primeira receita de & # 8220Irma & # 8217s na primeira edição foi um coquetel de gin - uma escolha ousada durante a Lei Seca, & # 8221 Becker me disse em um telefonema subsequente. & # 8220Naquela época, os coquetéis eram feitos com gim e engenhosidade. A maioria das pessoas usava o que estava disponível, provavelmente a variedade de banheira dura. Irma estava lendo seu público - ela tinha que melhorar o sabor do licor. & # 8221

& # 8220Ela foi uma anfitriã muito boa, & # 8221 Scott acrescentou. & # 8220Ela convidava as senhoras para almoçar. Ela convidou autores visitantes para tomar café. Receber e servir coquetéis era importante para ela. & # 8221

O capítulo dos coquetéis, junto com vários outros, foi excluído no que Becker chama de edição & # 8220infamous & # 8221 1997, que sofreu com muitos especialistas criando um estilo desconexo e capítulos inteiros excluídos para o comprimento. & # 8220Nesta edição tentamos incluir o melhor da edição de 1997, & # 8221 disse Becker, & # 8220 o que realmente expandiu o repertório das cozinhas, e também trazer de volta os capítulos que faltaram, então há um capítulo de coquetéis. & # 8221

& # 8220Talvez a razão de o livro fazer tanto sucesso, & # 8221 Scott observou, & # 8220Irma era inteligente, espirituoso e engraçado. Ela injetou personalidade no livro em uma época em que a maioria dos livros de receitas eram manuais de culinária seca escritos por profissionais de economia doméstica. Ela nem gostava de cozinhar. Seu maior objetivo na cozinha era sair da cozinha o mais rápido possível. Ela cozinhava porque precisava e percebeu que muitos de seus leitores também faziam o mesmo. & # 8221

& # 8220Ela gostava de assar bolos, & # 8221 acrescentou Becker, & # 8220 então havia alguma alegria lá. & # 8221

Fullerton & # 8217s Judy Bart Kancigor é autora de & # 8220Cooking Jewish & # 8221 e & # 8220The Perfect Passover Cookbook. & # 8221 O site dela é cookingjewish.com.

BOLO DE AZEITE

De: & # 8220Joy of Cooking, & # 8221 edição 2019, de Irma S. Rombauer, Marion Rombauer Becker, Ethan Becker, John Becker e Megan Scott

1. Pré-aqueça o forno a 350 graus. Pulverize um fundo de linha de forma de mola de 23 cm com um pedaço de papel vegetal.

2. Bata em uma tigela média:

  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 xícara de fubá fino ou farinha de amêndoa
  • 1/4 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

3. Bata em uma tigela grande:

  • 1 1/2 xícaras de açúcar
  • 1 1/4 xícaras de azeite de oliva extra-virgem
  • 1 1/4 xícaras de iogurte natural
  • 3 ovos grandes
  • Raspas finas de 1 laranja ou limão
  • 1/2 xícara de suco de laranja ou limão

4. Dobre a mistura de farinha na mistura de azeite apenas até incorporar e raspe a massa na assadeira preparada. Asse até que o palito inserido no centro saia limpo, cerca de 1 hora e 15 minutos. Deixe esfriar na forma ou na gradinha por 30 minutos. Passe uma faca fina pelo interior da assadeira e remova o anel da assadeira. Deixe o bolo esfriar completamente na base da assadeira. Sirva com chantilly.

CHANTILLY

Esta receita dá-lhe a opção de adoçar ou não as natas batidas. O chantilly sem açúcar é excelente em sobremesas muito doces, onde se deseja a riqueza do creme sem mais açúcar. Para sobremesas ligeiramente doces ou para usar o chantilly como recheio de bolo ou cobertura, adicione um adoçante conforme desejado.

Nota do cozinheiro: os parênteses indicam ingredientes opcionais.

Bata em uma tigela grande - refrigere uma tigela se sua cozinha estiver muito quente - com a batedeira ou batedeira de balão ou na batedeira ajustada em velocidade média-alta, até ficar firme e ondulado, mas não granulado:


Cozinhando com Judy: uma nova versão de uma tradição popular

É o tempo novamente - hora de reciclar a árvore, desligar as luzes e refletir sobre os feriados passados ​​e as tradições que tanto estimamos.

Provavelmente nenhum livro de receitas pode reivindicar maior responsabilidade como fonte dessas tradições como o icônico & # 8220Joy of Cooking & # 8221 que, desde a primeira edição de Irma Rombauer em 1931, tem sido um grampo na cozinha.

O bolo de azeite da “Joy of Cooking” tem um sabor cítrico. (Cortesia de Judy Bart Kancigor)

Minha própria edição de 1946 com suas páginas amareladas e capa instável tem sido um recurso confiável - ouso dizer muleta? - por décadas. (Eu adoraria dizer que minha mãe o passou para mim com amor, mas na verdade não me lembro de minha mãe alguma vez ter um livro de receitas. Paguei $ 2 por ele em uma livraria de livros usados.)

Agora John Becker, bisneto de Irma & # 8217s, e sua esposa, Megan Scott, publicaram a edição enciclopédica de 2019 com mais de 4.000 receitas, incluindo 600 novas. Eu os conheci recentemente no lançamento de um livro na Melissa & # 8217s Produce em Vernon, onde desfrutamos um delicioso almoço com receitas do livro, todas feitas com produtos frescos da Melissa & # 8217s, incluindo o delicioso bolo de azeite mostrado aqui.

& # 8220Irma publicou o livro de receitas por necessidade e não por desejo & # 8221 Scott nos disse. & # 8220Seu marido morreu por suicídio e ela ficou sem meios de ganhar a vida durante a Grande Depressão. Ela teve 3.000 cópias impressas e, em seguida, atraiu a atenção de um editor. & # 8221

E como eles dizem, o resto é história.

A formatação incomum da receita, que Irma criou em 1936 e vem sendo usada desde então, combina as instruções e os ingredientes na ordem de uso, um benefício para o cozinheiro. & # 8220Você não & # 8217não se perderá porque & # 8217não está saltando para frente e para trás & # 8221 Scott explicou.

A primeira receita de & # 8220Irma & # 8217s na primeira edição foi um coquetel de gim - uma escolha ousada durante a Lei Seca, & # 8221 Becker me disse em um telefonema subsequente. & # 8220Naquela época, os coquetéis eram feitos com gim e engenhosidade. A maioria das pessoas usava o que estava disponível, provavelmente a variedade de banheira dura. Irma estava lendo seu público - ela tinha que melhorar o sabor do licor. & # 8221

& # 8220Ela foi uma anfitriã muito boa, & # 8221 Scott acrescentou. & # 8220Ela convidava as senhoras para almoçar. Ela convidou autores visitantes para tomar café. Receber e servir coquetéis era importante para ela. & # 8221

O capítulo dos coquetéis, junto com vários outros, foi excluído no que Becker chama de edição & # 8220infamous & # 8221 1997, que sofreu com muitos especialistas criando um estilo desconexo e capítulos inteiros excluídos para o comprimento. & # 8220Nesta edição procuramos incluir o melhor da edição de 1997, & # 8221 disse Becker, & # 8220 o que realmente expandiu o repertório das cozinhas, e também trazer de volta os capítulos que faltaram, então há um capítulo de coquetéis. & # 8221

& # 8220Talvez a razão de o livro fazer tanto sucesso, & # 8221 Scott observou, & # 8220Irma era inteligente, espirituoso e engraçado. Ela injetou personalidade no livro em uma época em que a maioria dos livros de receitas eram manuais de culinária seca escritos por profissionais de economia doméstica. Ela nem gostava de cozinhar. Seu maior objetivo na cozinha era sair da cozinha o mais rápido possível. Ela cozinhava porque precisava e percebeu que muitos de seus leitores também faziam o mesmo. & # 8221

& # 8220Ela gostava de assar bolos, & # 8221 acrescentou Becker, & # 8220 então havia alguma alegria lá. & # 8221

Fullerton & # 8217s Judy Bart Kancigor é autora de & # 8220Cooking Jewish & # 8221 e & # 8220The Perfect Passover Cookbook. & # 8221 O site dela é cookingjewish.com.

BOLO DE AZEITE

De: & # 8220Joy of Cooking, & # 8221 edição 2019, de Irma S. Rombauer, Marion Rombauer Becker, Ethan Becker, John Becker e Megan Scott

1. Pré-aqueça o forno a 350 graus. Borrife um fundo de linha de forma de mola de 23 cm com uma rodela de papel manteiga.

2. Bata em uma tigela média:

  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 xícara de fubá fino ou farinha de amêndoa
  • 1/4 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

3. Bata em uma tigela grande:

  • 1 1/2 xícaras de açúcar
  • 1 1/4 xícaras de azeite de oliva extra-virgem
  • 1 1/4 xícaras de iogurte natural
  • 3 ovos grandes
  • Raspas finas de 1 laranja ou limão
  • 1/2 xícara de suco de laranja ou limão

4. Dobre a mistura de farinha na mistura de azeite apenas até incorporar e raspe a massa na assadeira preparada. Asse até que o palito inserido no centro saia limpo, cerca de 1 hora e 15 minutos. Deixe esfriar na forma ou na gradinha por 30 minutos. Passe uma faca fina pelo interior da assadeira e remova o anel da assadeira. Deixe o bolo esfriar completamente na base da assadeira. Sirva com chantilly.

CHANTILLY

Esta receita dá-lhe a opção de adoçar ou não as natas batidas. O chantilly sem açúcar é excelente em sobremesas muito doces, onde se deseja a riqueza do creme sem mais açúcar. Para sobremesas ligeiramente doces ou para usar o chantilly como recheio de bolo ou cobertura, adicione um adoçante conforme desejado.

Nota do cozinheiro: os parênteses indicam ingredientes opcionais.

Bata em uma tigela grande - refrigere uma tigela se sua cozinha estiver muito quente - com a batedeira ou batedeira de balão ou na batedeira ajustada em velocidade média-alta, até ficar firme e ondulado, mas não granulado:


Cozinhando com Judy: uma nova versão de uma tradição popular

É o tempo novamente - hora de reciclar a árvore, desligar as luzes e refletir sobre os feriados passados ​​e as tradições que tanto estimamos.

Provavelmente, nenhum livro de receitas pode reivindicar maior responsabilidade como fonte dessas tradições como o icônico & # 8220Joy of Cooking & # 8221 que, desde a primeira edição de Irma Rombauer em 1931, tem sido um grampo na cozinha.

O bolo de azeite da “Joy of Cooking” tem um sabor cítrico. (Cortesia de Judy Bart Kancigor)

Minha própria edição de 1946 com suas páginas amareladas e capa instável tem sido um recurso confiável - ouso dizer muleta? - por décadas. (Eu adoraria dizer que minha mãe o passou para mim com amor, mas na verdade não me lembro de minha mãe alguma vez ter um livro de receitas. Paguei $ 2 por ele em uma livraria de livros usados.)

Agora John Becker, bisneto de Irma & # 8217s, e sua esposa, Megan Scott, publicaram a edição enciclopédica de 2019 com mais de 4.000 receitas, incluindo 600 novas. Eu os conheci recentemente no lançamento de um livro na Melissa & # 8217s Produce em Vernon, onde desfrutamos um delicioso almoço com receitas do livro, todas feitas com produtos frescos da Melissa & # 8217s, incluindo o delicioso bolo de azeite mostrado aqui.

& # 8220Irma publicou o livro por conta própria mais por necessidade do que por desejo & # 8221 Scott nos disse. & # 8220Seu marido morreu por suicídio e ela ficou sem meios de ganhar a vida durante a Grande Depressão. Ela teve 3.000 cópias impressas e, em seguida, atraiu a atenção de um editor. & # 8221

E como eles dizem, o resto é história.

A formatação incomum da receita, que Irma criou em 1936 e vem sendo usada desde então, combina as instruções e os ingredientes na ordem de uso, um benefício para o cozinheiro. & # 8220Você não & # 8217não se perde porque & # 8217não está pulando para frente e para trás & # 8221 Scott explicou.

A primeira receita de & # 8220Irma & # 8217s na primeira edição foi um coquetel de gin - uma escolha ousada durante a Lei Seca, & # 8221 Becker me disse em um telefonema subsequente. & # 8220Naquela época, os coquetéis eram feitos com gim e engenhosidade. A maioria das pessoas usava o que estava disponível, provavelmente a variedade de banheira dura. Irma estava lendo seu público - ela tinha que melhorar o sabor do licor. & # 8221

& # 8220Ela foi uma anfitriã muito boa, & # 8221 Scott acrescentou. & # 8220Ela convidava as senhoras para almoçar. Ela convidou autores visitantes para tomar café. Receber e servir coquetéis era importante para ela. & # 8221

O capítulo dos coquetéis, junto com vários outros, foi excluído no que Becker chama de edição & # 8220infamous & # 8221 1997, que sofreu com muitos especialistas criando um estilo desconexo e capítulos inteiros excluídos para o comprimento. & # 8220Nesta edição tentamos incluir o melhor da edição de 1997, & # 8221 disse Becker, & # 8220 o que realmente expandiu o repertório das cozinhas, e também trazer de volta os capítulos que faltaram, então há um capítulo de coquetéis. & # 8221

& # 8220Talvez a razão de o livro fazer tanto sucesso, & # 8221 Scott observou, & # 8220Irma era inteligente, espirituoso e engraçado. Ela injetou personalidade no livro em uma época em que a maioria dos livros de receitas eram manuais de culinária seca escritos por profissionais de economia doméstica. Ela nem gostava de cozinhar. Seu maior objetivo na cozinha era sair da cozinha o mais rápido possível. Ela cozinhava porque precisava e percebeu que muitos de seus leitores também faziam o mesmo. & # 8221

& # 8220Ela gostava de assar bolos, & # 8221 acrescentou Becker, & # 8220 então havia alguma alegria lá. & # 8221

Fullerton & # 8217s Judy Bart Kancigor é autora de & # 8220Cooking Jewish & # 8221 e & # 8220The Perfect Passover Cookbook. & # 8221 O site dela é cookingjewish.com.

BOLO DE AZEITE

De: & # 8220Joy of Cooking, & # 8221 edição 2019, de Irma S. Rombauer, Marion Rombauer Becker, Ethan Becker, John Becker e Megan Scott

1. Pré-aqueça o forno a 350 graus. Borrife um fundo de linha de forma de mola de 23 cm com uma rodela de papel manteiga.

2. Bata em uma tigela média:

  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 xícara de fubá fino ou farinha de amêndoa
  • 1/4 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

3. Bata em uma tigela grande:

  • 1 1/2 xícaras de açúcar
  • 1 1/4 xícaras de azeite de oliva extra-virgem
  • 1 1/4 xícaras de iogurte natural
  • 3 ovos grandes
  • Raspas finas de 1 laranja ou limão
  • 1/2 xícara de suco de laranja ou limão

4. Dobre a mistura de farinha na mistura de azeite apenas até incorporar e raspe a massa na assadeira preparada. Asse até que o palito inserido no centro saia limpo, cerca de 1 hora e 15 minutos. Deixe esfriar na forma ou na gradinha por 30 minutos. Passe uma faca fina pelo interior da assadeira e remova o anel da assadeira. Deixe o bolo esfriar completamente na base da assadeira. Sirva com chantilly.

CHANTILLY

Esta receita dá-lhe a opção de adoçar ou não as natas batidas. O chantilly sem açúcar é excelente em sobremesas muito doces, onde se deseja a riqueza do creme sem mais açúcar. Para sobremesas ligeiramente doces ou para usar o chantilly como recheio de bolo ou cobertura, adicione um adoçante conforme desejado.

Nota do cozinheiro: os parênteses indicam ingredientes opcionais.

Bata em uma tigela grande - refrigere uma tigela se sua cozinha estiver muito quente - com a batedeira ou batedeira de balão ou na batedeira ajustada em velocidade média-alta, até ficar firme e ondulado, mas não granulado:


Cozinhando com Judy: uma nova versão de uma tradição popular

É o tempo novamente - hora de reciclar a árvore, desligar as luzes e refletir sobre os feriados passados ​​e as tradições que tanto estimamos.

Provavelmente nenhum livro de receitas pode reivindicar maior responsabilidade como fonte dessas tradições como o icônico & # 8220Joy of Cooking & # 8221 que, desde a primeira edição de Irma Rombauer em 1931, tem sido um grampo na cozinha.

O bolo de azeite da “Joy of Cooking” tem um sabor cítrico. (Cortesia de Judy Bart Kancigor)

Minha própria edição de 1946 com suas páginas amareladas e capa instável tem sido um recurso confiável - ouso dizer muleta? - por décadas. (Eu adoraria dizer que minha mãe o passou para mim com carinho, mas na verdade não me lembro de minha mãe alguma vez ter um livro de receitas. Paguei $ 2 por ele em uma livraria de livros usados.)

Agora John Becker, bisneto de Irma & # 8217s, e sua esposa, Megan Scott, publicaram a edição enciclopédica de 2019 com mais de 4.000 receitas, incluindo 600 novas. Eu os conheci recentemente no lançamento de um livro na Melissa & # 8217s Produce em Vernon, onde desfrutamos um delicioso almoço com receitas do livro, todas feitas com produtos frescos da Melissa & # 8217s, incluindo o delicioso bolo de azeite mostrado aqui.

& # 8220Irma publicou o livro de receitas por necessidade e não por desejo & # 8221 Scott nos disse. & # 8220Seu marido morreu por suicídio e ela ficou sem meios de ganhar a vida durante a Grande Depressão. Ela teve 3.000 cópias impressas e, em seguida, atraiu a atenção de um editor. & # 8221

E como eles dizem, o resto é história.

A formatação incomum da receita, que Irma criou em 1936 e vem sendo usada desde então, combina as instruções e os ingredientes na ordem de uso, um benefício para o cozinheiro. & # 8220Você não & # 8217não se perderá porque & # 8217não está saltando para frente e para trás & # 8221 Scott explicou.

A primeira receita de & # 8220Irma & # 8217s na primeira edição foi um coquetel de gim - uma escolha ousada durante a Lei Seca, & # 8221 Becker me disse em um telefonema subsequente. & # 8220Naquela época, os coquetéis eram feitos com gim e engenhosidade. A maioria das pessoas usava o que estava disponível, provavelmente a variedade de banheira dura. Irma estava lendo seu público - ela tinha que melhorar o sabor do licor. & # 8221

& # 8220Ela foi uma anfitriã muito boa, & # 8221 Scott acrescentou. & # 8220Ela convidava as senhoras para almoçar. Ela convidou autores visitantes para tomar café. Receber e servir coquetéis era importante para ela. & # 8221

O capítulo dos coquetéis, junto com vários outros, foi excluído no que Becker chama de edição & # 8220infamous & # 8221 1997, que sofreu com muitos especialistas criando um estilo desconexo e capítulos inteiros excluídos para o comprimento. & # 8220Nesta edição tentamos incluir o melhor da edição de 1997, & # 8221 disse Becker, & # 8220 o que realmente expandiu o repertório das cozinhas, e também trazer de volta os capítulos que faltaram, então há um capítulo de coquetéis. & # 8221

& # 8220Talvez a razão de o livro fazer tanto sucesso, & # 8221 Scott observou, & # 8220Irma era inteligente, espirituoso e engraçado. Ela injetou personalidade no livro em uma época em que a maioria dos livros de receitas eram manuais de culinária seca escritos por profissionais de economia doméstica. Ela nem gostava de cozinhar. Seu maior objetivo na cozinha era sair da cozinha o mais rápido possível. Ela cozinhava porque precisava e percebeu que muitos de seus leitores também faziam o mesmo. & # 8221

& # 8220Ela gostava de assar bolos, & # 8221 acrescentou Becker, & # 8220 então havia alguma alegria lá. & # 8221

Fullerton & # 8217s Judy Bart Kancigor é autora de & # 8220Cooking Jewish & # 8221 e & # 8220The Perfect Passover Cookbook. & # 8221 O site dela é cookingjewish.com.

BOLO DE AZEITE

De: & # 8220Joy of Cooking, & # 8221 edição 2019, de Irma S. Rombauer, Marion Rombauer Becker, Ethan Becker, John Becker e Megan Scott

1. Pré-aqueça o forno a 350 graus. Borrife um fundo de linha de forma de mola de 23 cm com uma rodela de papel manteiga.

2. Bata em uma tigela média:

  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 xícara de fubá fino ou farinha de amêndoa
  • 1/4 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

3. Bata em uma tigela grande:

  • 1 1/2 xícaras de açúcar
  • 1 1/4 xícaras de azeite de oliva extra-virgem
  • 1 1/4 xícaras de iogurte natural
  • 3 ovos grandes
  • Raspas finas de 1 laranja ou limão
  • 1/2 xícara de suco de laranja ou limão

4. Dobre a mistura de farinha na mistura de azeite apenas até incorporar e raspe a massa na assadeira preparada. Asse até que o palito inserido no centro saia limpo, cerca de 1 hora e 15 minutos. Deixe esfriar na forma ou na gradinha por 30 minutos. Passe uma faca fina pelo interior da assadeira e remova o anel da assadeira. Deixe o bolo esfriar completamente na base da assadeira. Sirva com chantilly.

CHANTILLY

Esta receita dá-lhe a opção de adoçar ou não as natas batidas. O chantilly sem açúcar é excelente em sobremesas muito doces, onde se deseja a riqueza do creme sem mais açúcar. Para sobremesas ligeiramente doces ou para usar o chantilly como recheio de bolo ou cobertura, adicione um adoçante conforme desejado.

Nota do cozinheiro: os parênteses indicam ingredientes opcionais.

Bata em uma tigela grande - refrigere uma tigela se sua cozinha estiver muito quente - com a batedeira ou batedeira de balão ou na batedeira ajustada em velocidade média-alta, até ficar firme e ondulado, mas não granulado:


Cozinhando com Judy: uma nova versão de uma tradição popular

É o tempo novamente - hora de reciclar a árvore, desligar as luzes e refletir sobre os feriados passados ​​e as tradições que tanto estimamos.

Provavelmente nenhum livro de receitas pode reivindicar maior responsabilidade como fonte dessas tradições como o icônico & # 8220Joy of Cooking & # 8221 que, desde a primeira edição de Irma Rombauer em 1931, tem sido um grampo na cozinha.

O bolo de azeite da “Joy of Cooking” tem um sabor cítrico. (Cortesia de Judy Bart Kancigor)

Minha própria edição de 1946 com suas páginas amareladas e capa instável tem sido um recurso confiável - ouso dizer muleta? - por décadas. (Eu adoraria dizer que minha mãe o passou para mim com carinho, mas na verdade não me lembro de minha mãe alguma vez ter um livro de receitas. Paguei $ 2 por ele em uma livraria de livros usados.)

Agora John Becker, bisneto de Irma & # 8217s, e sua esposa, Megan Scott, publicaram a edição enciclopédica de 2019 com mais de 4.000 receitas, incluindo 600 novas. Eu os conheci recentemente no lançamento de um livro na Melissa & # 8217s Produce em Vernon, onde desfrutamos um delicioso almoço com receitas do livro, todas feitas com produtos frescos da Melissa & # 8217s, incluindo o delicioso bolo de azeite mostrado aqui.

& # 8220Irma publicou o livro por conta própria mais por necessidade do que por desejo & # 8221 Scott nos disse. & # 8220Seu marido morreu por suicídio e ela ficou sem meios de ganhar a vida durante a Grande Depressão. Ela teve 3.000 cópias impressas e, em seguida, atraiu a atenção de um editor. & # 8221

E como eles dizem, o resto é história.

A formatação incomum da receita, que Irma criou em 1936 e é usada desde então, combina as instruções e os ingredientes na ordem de uso, um benefício para o cozinheiro. & # 8220Você não se perde porque & # 8217 não está pulando para frente e para trás & # 8221 Scott explicou.

A primeira receita de & # 8220Irma & # 8217s na primeira edição foi um coquetel de gin - uma escolha ousada durante a Lei Seca, & # 8221 Becker me disse em um telefonema subsequente. & # 8220Naquela época, os coquetéis eram feitos com gim e engenhosidade. A maioria das pessoas usava o que estava disponível, provavelmente a variedade de banheira dura. Irma estava lendo seu público - ela tinha que melhorar o sabor do licor. & # 8221

& # 8220Ela foi uma anfitriã muito boa, & # 8221 Scott acrescentou. & # 8220Ela convidava as senhoras para almoçar. Ela convidou autores visitantes para tomar café. Receber e servir coquetéis era importante para ela. & # 8221

O capítulo dos coquetéis, junto com vários outros, foi excluído no que Becker chama de edição & # 8220infamous & # 8221 1997, que sofreu com muitos especialistas criando um estilo desconexo e capítulos inteiros excluídos para o comprimento. & # 8220Nesta edição tentamos incluir o melhor da edição de 1997, & # 8221 disse Becker, & # 8220 o que realmente expandiu o repertório das cozinhas, e também trazer de volta os capítulos que faltaram, então há um capítulo de coquetéis. & # 8221

& # 8220Talvez a razão de o livro fazer tanto sucesso, & # 8221 Scott observou, & # 8220Irma era inteligente, espirituoso e engraçado. Ela injetou personalidade no livro em uma época em que a maioria dos livros de receitas eram manuais de culinária seca escritos por profissionais de economia doméstica. Ela nem gostava de cozinhar. Seu maior objetivo na cozinha era sair da cozinha o mais rápido possível. Ela cozinhava porque precisava e percebeu que muitos de seus leitores também faziam o mesmo. & # 8221

& # 8220Ela gostava de assar bolos, & # 8221 acrescentou Becker, & # 8220 então havia alguma alegria lá. & # 8221

Fullerton & # 8217s Judy Bart Kancigor é autora de & # 8220Cooking Jewish & # 8221 e & # 8220The Perfect Passover Cookbook. & # 8221 O site dela é cookingjewish.com.

BOLO DE AZEITE

De: & # 8220Joy of Cooking, & # 8221 edição 2019, de Irma S. Rombauer, Marion Rombauer Becker, Ethan Becker, John Becker e Megan Scott

1. Pré-aqueça o forno a 350 graus. Borrife um fundo de linha de forma de mola de 23 cm com um pedaço de papel manteiga.

2. Bata em uma tigela média:

  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 xícara de fubá fino ou farinha de amêndoa
  • 1/4 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

3. Bata em uma tigela grande:

  • 1 1/2 xícaras de açúcar
  • 1 1/4 xícaras de azeite de oliva extra-virgem
  • 1 1/4 xícaras de iogurte natural
  • 3 ovos grandes
  • Raspas finas de 1 laranja ou limão
  • 1/2 xícara de suco de laranja ou limão

4. Dobre a mistura de farinha na mistura de azeite apenas até incorporar e raspe a massa na assadeira preparada. Asse até que o palito inserido no centro saia limpo, cerca de 1 hora e 15 minutos. Deixe esfriar na forma ou na gradinha por 30 minutos. Passe uma faca fina pelo interior da assadeira e remova o anel da assadeira. Deixe o bolo esfriar completamente na base da assadeira. Sirva com chantilly.

CHANTILLY

Esta receita dá-lhe a opção de adoçar ou não as natas batidas. O chantilly sem açúcar é excelente em sobremesas muito doces, onde se deseja a riqueza do creme sem mais açúcar. Para sobremesas ligeiramente doces ou para usar o chantilly como recheio de bolo ou cobertura, adicione um adoçante conforme desejado.

Nota do cozinheiro: os parênteses indicam ingredientes opcionais.

Bata em uma tigela grande - refrigere uma tigela se sua cozinha estiver muito quente - com a batedeira ou batedeira de balão ou na batedeira ajustada em velocidade média-alta, até ficar firme e ondulado, mas não granulado:


Cozinhando com Judy: uma nova versão de uma tradição popular

É o tempo novamente - hora de reciclar a árvore, desligar as luzes e refletir sobre os feriados passados ​​e as tradições que tanto estimamos.

Provavelmente, nenhum livro de receitas pode reivindicar maior responsabilidade como fonte dessas tradições como o icônico & # 8220Joy of Cooking & # 8221 que, desde a primeira edição de Irma Rombauer em 1931, tem sido um grampo na cozinha.

O bolo de azeite da “Joy of Cooking” tem um sabor cítrico. (Cortesia de Judy Bart Kancigor)

Minha própria edição de 1946 com suas páginas amareladas e capa instável tem sido um recurso confiável - ouso dizer muleta? - por décadas. (Eu adoraria dizer que minha mãe o passou para mim com amor, mas na verdade não me lembro de minha mãe alguma vez ter um livro de receitas. Paguei $ 2 por ele em uma livraria de livros usados.)

Agora John Becker, bisneto de Irma & # 8217s, e sua esposa, Megan Scott, publicaram a edição enciclopédica de 2019 com mais de 4.000 receitas, incluindo 600 novas. Eu os conheci recentemente no lançamento de um livro na Melissa & # 8217s Produce em Vernon, onde desfrutamos de um delicioso almoço com receitas do livro, todas feitas com produtos frescos da Melissa & # 8217s, incluindo o delicioso bolo de azeite mostrado aqui.

& # 8220Irma publicou o livro de receitas por necessidade e não por desejo & # 8221 Scott nos disse. & # 8220Seu marido morreu por suicídio e ela ficou sem meios de ganhar a vida durante a Grande Depressão. Ela teve 3.000 cópias impressas e, em seguida, atraiu a atenção de um editor. & # 8221

E como eles dizem, o resto é história.

The unusual recipe formatting, which Irma created in 1936 and has been used since, combines the instructions and ingredients in the order of use, a boon to the cook. “You don’t get lost because you’re not jumping back and forth,” Scott explained.

“Irma’s first recipe in the first edition was a gin cocktail – a bold choice during Prohibition,” Becker told me in a subsequent phone call. “In those days, cocktails were made with gin and ingenuity. Most people used what was available, probably the harsh bathtub variety. Irma was reading her audience – she had to make that liquor taste better.”

“She was a very good hostess,” Scott added. “She would invite the ladies to lunch. She had visiting authors come by and have coffee klatches. Entertaining and serving cocktails was important to her.”

The cocktails chapter, along with several others, was deleted in what Becker calls the “infamous” 1997 edition, which suffered from too many experts creating a disjointed style and whole chapters deleted for length. “In this edition we tried to include the best of the 1997 edition,” said Becker, “which really expanded the repertoire of cuisines, and also to bring back the chapters that went missing, so there is a cocktails chapter.”

“Perhaps the reason the book was so successful,” Scott noted, “Irma was smart and witty and funny. She injected personality into the book at a time when most cookbooks were dry cooking manuals written by home economics professionals. She didn’t even love to cook. Her biggest goal in the kitchen was to get out of the kitchen as soon as possible. She cooked because she had to, and realized that a lot of her readers did so too.”

“She did like to bake cakes,” added Becker, “so there was some joy there.”

Fullerton’s Judy Bart Kancigor is the author of “Cooking Jewish” and “The Perfect Passover Cookbook.” Her website is cookingjewish.com.

OLIVE OIL CAKE

From: “Joy of Cooking,” 2019 edition, by Irma S. Rombauer, Marion Rombauer Becker, Ethan Becker, John Becker and Megan Scott

1. Pré-aqueça o forno a 350 graus. Spray a 9-inch springform pan line bottom with round of parchment paper.

2. Whisk together in medium bowl:

  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 cup fine cornmeal or almond flour
  • 1/4 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

3. Whisk together in large bowl:

  • 1 1/2 xícaras de açúcar
  • 1 1/4 cups extra-virgin olive oil
  • 1 1/4 cups plain yogurt
  • 3 ovos grandes
  • Finely grated zest of 1 orange or lemon
  • 1/2 cup orange or lemon juice

4. Fold flour mixture into olive oil mixture just until combined, and scrape batter into prepared pan. Bake until toothpick inserted into center comes out clean, about 1 hour and 15 minutes. Let cool in pan or on rack 30 minutes. Run a thin knife around inside of pan, and remove pan ring. Let cake cool completely on pan base. Serve with whipped cream.

WHIPPED CREAM

This recipe gives you the option of sweetening the whipped cream or not. Unsweetened whipped cream is excellent on very sweet desserts where you want the richness of the cream without any more sugar. For lightly sweet desserts or to use the whipped cream as a cake filling or frosting, add a sweetener as desired.

Cook’s note: Parentheses indicate optional ingredients.

Beat in a large bowl – chill bowl if your kitchen is very warm – with hand mixer or balloon whisk or in stand mixer set at medium-high speed, until stiff and billowy but not grainy:


Cooking with Judy: A new version of a popular tradition

It’s that time again – time to recycle the tree, take down the lights and reflect on holidays past and the traditions we hold so dear.

Probably no cookbook can claim greater responsibility as the source of those traditions as the iconic “Joy of Cooking,” which, since Irma Rombauer‘s first edition in 1931, has been a kitchen staple.

The olive oil cake from from “Joy of Cooking” has a citrus flavor. (Courtesy of Judy Bart Kancigor)

My own 1946 edition with its yellowing pages and wobbly cover has been a trusted resource – dare I say crutch? – for decades. (I would love to tell you my mother handed it down lovingly to me, but in truth I don’t remember my mother ever owning a cookbook. I paid $2 for it at a used bookstore.)

Now John Becker, Irma’s great-grandson, and his wife, Megan Scott, have published the encyclopedic 2019 edition with more than 4,000 recipes, including 600 new ones. I met them recently at a book launch at Melissa’s Produce in Vernon, where we enjoyed a delicious lunch with recipes from the book, all made with Melissa’s fresh produce, including the luscious olive oil cake shown here.

“Irma self-published the cookbook out of need rather than desire,” Scott told us. “Her husband died by suicide, and she was left with no way of making a living during the Great Depression. She had 3,000 copies printed and then attracted the attention of a publisher.”

And, as they say, the rest is history.

The unusual recipe formatting, which Irma created in 1936 and has been used since, combines the instructions and ingredients in the order of use, a boon to the cook. “You don’t get lost because you’re not jumping back and forth,” Scott explained.

“Irma’s first recipe in the first edition was a gin cocktail – a bold choice during Prohibition,” Becker told me in a subsequent phone call. “In those days, cocktails were made with gin and ingenuity. Most people used what was available, probably the harsh bathtub variety. Irma was reading her audience – she had to make that liquor taste better.”

“She was a very good hostess,” Scott added. “She would invite the ladies to lunch. She had visiting authors come by and have coffee klatches. Entertaining and serving cocktails was important to her.”

The cocktails chapter, along with several others, was deleted in what Becker calls the “infamous” 1997 edition, which suffered from too many experts creating a disjointed style and whole chapters deleted for length. “In this edition we tried to include the best of the 1997 edition,” said Becker, “which really expanded the repertoire of cuisines, and also to bring back the chapters that went missing, so there is a cocktails chapter.”

“Perhaps the reason the book was so successful,” Scott noted, “Irma was smart and witty and funny. She injected personality into the book at a time when most cookbooks were dry cooking manuals written by home economics professionals. She didn’t even love to cook. Her biggest goal in the kitchen was to get out of the kitchen as soon as possible. She cooked because she had to, and realized that a lot of her readers did so too.”

“She did like to bake cakes,” added Becker, “so there was some joy there.”

Fullerton’s Judy Bart Kancigor is the author of “Cooking Jewish” and “The Perfect Passover Cookbook.” Her website is cookingjewish.com.

OLIVE OIL CAKE

From: “Joy of Cooking,” 2019 edition, by Irma S. Rombauer, Marion Rombauer Becker, Ethan Becker, John Becker and Megan Scott

1. Pré-aqueça o forno a 350 graus. Spray a 9-inch springform pan line bottom with round of parchment paper.

2. Whisk together in medium bowl:

  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 cup fine cornmeal or almond flour
  • 1/4 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

3. Whisk together in large bowl:

  • 1 1/2 xícaras de açúcar
  • 1 1/4 cups extra-virgin olive oil
  • 1 1/4 cups plain yogurt
  • 3 ovos grandes
  • Finely grated zest of 1 orange or lemon
  • 1/2 cup orange or lemon juice

4. Fold flour mixture into olive oil mixture just until combined, and scrape batter into prepared pan. Bake until toothpick inserted into center comes out clean, about 1 hour and 15 minutes. Let cool in pan or on rack 30 minutes. Run a thin knife around inside of pan, and remove pan ring. Let cake cool completely on pan base. Serve with whipped cream.

WHIPPED CREAM

This recipe gives you the option of sweetening the whipped cream or not. Unsweetened whipped cream is excellent on very sweet desserts where you want the richness of the cream without any more sugar. For lightly sweet desserts or to use the whipped cream as a cake filling or frosting, add a sweetener as desired.

Cook’s note: Parentheses indicate optional ingredients.

Beat in a large bowl – chill bowl if your kitchen is very warm – with hand mixer or balloon whisk or in stand mixer set at medium-high speed, until stiff and billowy but not grainy:


Cooking with Judy: A new version of a popular tradition

It’s that time again – time to recycle the tree, take down the lights and reflect on holidays past and the traditions we hold so dear.

Probably no cookbook can claim greater responsibility as the source of those traditions as the iconic “Joy of Cooking,” which, since Irma Rombauer‘s first edition in 1931, has been a kitchen staple.

The olive oil cake from from “Joy of Cooking” has a citrus flavor. (Courtesy of Judy Bart Kancigor)

My own 1946 edition with its yellowing pages and wobbly cover has been a trusted resource – dare I say crutch? – for decades. (I would love to tell you my mother handed it down lovingly to me, but in truth I don’t remember my mother ever owning a cookbook. I paid $2 for it at a used bookstore.)

Now John Becker, Irma’s great-grandson, and his wife, Megan Scott, have published the encyclopedic 2019 edition with more than 4,000 recipes, including 600 new ones. I met them recently at a book launch at Melissa’s Produce in Vernon, where we enjoyed a delicious lunch with recipes from the book, all made with Melissa’s fresh produce, including the luscious olive oil cake shown here.

“Irma self-published the cookbook out of need rather than desire,” Scott told us. “Her husband died by suicide, and she was left with no way of making a living during the Great Depression. She had 3,000 copies printed and then attracted the attention of a publisher.”

And, as they say, the rest is history.

The unusual recipe formatting, which Irma created in 1936 and has been used since, combines the instructions and ingredients in the order of use, a boon to the cook. “You don’t get lost because you’re not jumping back and forth,” Scott explained.

“Irma’s first recipe in the first edition was a gin cocktail – a bold choice during Prohibition,” Becker told me in a subsequent phone call. “In those days, cocktails were made with gin and ingenuity. Most people used what was available, probably the harsh bathtub variety. Irma was reading her audience – she had to make that liquor taste better.”

“She was a very good hostess,” Scott added. “She would invite the ladies to lunch. She had visiting authors come by and have coffee klatches. Entertaining and serving cocktails was important to her.”

The cocktails chapter, along with several others, was deleted in what Becker calls the “infamous” 1997 edition, which suffered from too many experts creating a disjointed style and whole chapters deleted for length. “In this edition we tried to include the best of the 1997 edition,” said Becker, “which really expanded the repertoire of cuisines, and also to bring back the chapters that went missing, so there is a cocktails chapter.”

“Perhaps the reason the book was so successful,” Scott noted, “Irma was smart and witty and funny. She injected personality into the book at a time when most cookbooks were dry cooking manuals written by home economics professionals. She didn’t even love to cook. Her biggest goal in the kitchen was to get out of the kitchen as soon as possible. She cooked because she had to, and realized that a lot of her readers did so too.”

“She did like to bake cakes,” added Becker, “so there was some joy there.”

Fullerton’s Judy Bart Kancigor is the author of “Cooking Jewish” and “The Perfect Passover Cookbook.” Her website is cookingjewish.com.

OLIVE OIL CAKE

From: “Joy of Cooking,” 2019 edition, by Irma S. Rombauer, Marion Rombauer Becker, Ethan Becker, John Becker and Megan Scott

1. Pré-aqueça o forno a 350 graus. Spray a 9-inch springform pan line bottom with round of parchment paper.

2. Whisk together in medium bowl:

  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 cup fine cornmeal or almond flour
  • 1/4 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

3. Whisk together in large bowl:

  • 1 1/2 xícaras de açúcar
  • 1 1/4 cups extra-virgin olive oil
  • 1 1/4 cups plain yogurt
  • 3 ovos grandes
  • Finely grated zest of 1 orange or lemon
  • 1/2 cup orange or lemon juice

4. Fold flour mixture into olive oil mixture just until combined, and scrape batter into prepared pan. Bake until toothpick inserted into center comes out clean, about 1 hour and 15 minutes. Let cool in pan or on rack 30 minutes. Run a thin knife around inside of pan, and remove pan ring. Let cake cool completely on pan base. Serve with whipped cream.

WHIPPED CREAM

This recipe gives you the option of sweetening the whipped cream or not. Unsweetened whipped cream is excellent on very sweet desserts where you want the richness of the cream without any more sugar. For lightly sweet desserts or to use the whipped cream as a cake filling or frosting, add a sweetener as desired.

Cook’s note: Parentheses indicate optional ingredients.

Beat in a large bowl – chill bowl if your kitchen is very warm – with hand mixer or balloon whisk or in stand mixer set at medium-high speed, until stiff and billowy but not grainy:


Cooking with Judy: A new version of a popular tradition

It’s that time again – time to recycle the tree, take down the lights and reflect on holidays past and the traditions we hold so dear.

Probably no cookbook can claim greater responsibility as the source of those traditions as the iconic “Joy of Cooking,” which, since Irma Rombauer‘s first edition in 1931, has been a kitchen staple.

The olive oil cake from from “Joy of Cooking” has a citrus flavor. (Courtesy of Judy Bart Kancigor)

My own 1946 edition with its yellowing pages and wobbly cover has been a trusted resource – dare I say crutch? – for decades. (I would love to tell you my mother handed it down lovingly to me, but in truth I don’t remember my mother ever owning a cookbook. I paid $2 for it at a used bookstore.)

Now John Becker, Irma’s great-grandson, and his wife, Megan Scott, have published the encyclopedic 2019 edition with more than 4,000 recipes, including 600 new ones. I met them recently at a book launch at Melissa’s Produce in Vernon, where we enjoyed a delicious lunch with recipes from the book, all made with Melissa’s fresh produce, including the luscious olive oil cake shown here.

“Irma self-published the cookbook out of need rather than desire,” Scott told us. “Her husband died by suicide, and she was left with no way of making a living during the Great Depression. She had 3,000 copies printed and then attracted the attention of a publisher.”

And, as they say, the rest is history.

The unusual recipe formatting, which Irma created in 1936 and has been used since, combines the instructions and ingredients in the order of use, a boon to the cook. “You don’t get lost because you’re not jumping back and forth,” Scott explained.

“Irma’s first recipe in the first edition was a gin cocktail – a bold choice during Prohibition,” Becker told me in a subsequent phone call. “In those days, cocktails were made with gin and ingenuity. Most people used what was available, probably the harsh bathtub variety. Irma was reading her audience – she had to make that liquor taste better.”

“She was a very good hostess,” Scott added. “She would invite the ladies to lunch. She had visiting authors come by and have coffee klatches. Entertaining and serving cocktails was important to her.”

The cocktails chapter, along with several others, was deleted in what Becker calls the “infamous” 1997 edition, which suffered from too many experts creating a disjointed style and whole chapters deleted for length. “In this edition we tried to include the best of the 1997 edition,” said Becker, “which really expanded the repertoire of cuisines, and also to bring back the chapters that went missing, so there is a cocktails chapter.”

“Perhaps the reason the book was so successful,” Scott noted, “Irma was smart and witty and funny. She injected personality into the book at a time when most cookbooks were dry cooking manuals written by home economics professionals. She didn’t even love to cook. Her biggest goal in the kitchen was to get out of the kitchen as soon as possible. She cooked because she had to, and realized that a lot of her readers did so too.”

“She did like to bake cakes,” added Becker, “so there was some joy there.”

Fullerton’s Judy Bart Kancigor is the author of “Cooking Jewish” and “The Perfect Passover Cookbook.” Her website is cookingjewish.com.

OLIVE OIL CAKE

From: “Joy of Cooking,” 2019 edition, by Irma S. Rombauer, Marion Rombauer Becker, Ethan Becker, John Becker and Megan Scott

1. Pré-aqueça o forno a 350 graus. Spray a 9-inch springform pan line bottom with round of parchment paper.

2. Whisk together in medium bowl:

  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 cup fine cornmeal or almond flour
  • 1/4 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

3. Whisk together in large bowl:

  • 1 1/2 xícaras de açúcar
  • 1 1/4 cups extra-virgin olive oil
  • 1 1/4 cups plain yogurt
  • 3 ovos grandes
  • Finely grated zest of 1 orange or lemon
  • 1/2 cup orange or lemon juice

4. Fold flour mixture into olive oil mixture just until combined, and scrape batter into prepared pan. Bake until toothpick inserted into center comes out clean, about 1 hour and 15 minutes. Let cool in pan or on rack 30 minutes. Run a thin knife around inside of pan, and remove pan ring. Let cake cool completely on pan base. Serve with whipped cream.

WHIPPED CREAM

This recipe gives you the option of sweetening the whipped cream or not. Unsweetened whipped cream is excellent on very sweet desserts where you want the richness of the cream without any more sugar. For lightly sweet desserts or to use the whipped cream as a cake filling or frosting, add a sweetener as desired.

Cook’s note: Parentheses indicate optional ingredients.

Beat in a large bowl – chill bowl if your kitchen is very warm – with hand mixer or balloon whisk or in stand mixer set at medium-high speed, until stiff and billowy but not grainy:


Cooking with Judy: A new version of a popular tradition

It’s that time again – time to recycle the tree, take down the lights and reflect on holidays past and the traditions we hold so dear.

Probably no cookbook can claim greater responsibility as the source of those traditions as the iconic “Joy of Cooking,” which, since Irma Rombauer‘s first edition in 1931, has been a kitchen staple.

The olive oil cake from from “Joy of Cooking” has a citrus flavor. (Courtesy of Judy Bart Kancigor)

My own 1946 edition with its yellowing pages and wobbly cover has been a trusted resource – dare I say crutch? – for decades. (I would love to tell you my mother handed it down lovingly to me, but in truth I don’t remember my mother ever owning a cookbook. I paid $2 for it at a used bookstore.)

Now John Becker, Irma’s great-grandson, and his wife, Megan Scott, have published the encyclopedic 2019 edition with more than 4,000 recipes, including 600 new ones. I met them recently at a book launch at Melissa’s Produce in Vernon, where we enjoyed a delicious lunch with recipes from the book, all made with Melissa’s fresh produce, including the luscious olive oil cake shown here.

“Irma self-published the cookbook out of need rather than desire,” Scott told us. “Her husband died by suicide, and she was left with no way of making a living during the Great Depression. She had 3,000 copies printed and then attracted the attention of a publisher.”

And, as they say, the rest is history.

The unusual recipe formatting, which Irma created in 1936 and has been used since, combines the instructions and ingredients in the order of use, a boon to the cook. “You don’t get lost because you’re not jumping back and forth,” Scott explained.

“Irma’s first recipe in the first edition was a gin cocktail – a bold choice during Prohibition,” Becker told me in a subsequent phone call. “In those days, cocktails were made with gin and ingenuity. Most people used what was available, probably the harsh bathtub variety. Irma was reading her audience – she had to make that liquor taste better.”

“She was a very good hostess,” Scott added. “She would invite the ladies to lunch. She had visiting authors come by and have coffee klatches. Entertaining and serving cocktails was important to her.”

The cocktails chapter, along with several others, was deleted in what Becker calls the “infamous” 1997 edition, which suffered from too many experts creating a disjointed style and whole chapters deleted for length. “In this edition we tried to include the best of the 1997 edition,” said Becker, “which really expanded the repertoire of cuisines, and also to bring back the chapters that went missing, so there is a cocktails chapter.”

“Perhaps the reason the book was so successful,” Scott noted, “Irma was smart and witty and funny. She injected personality into the book at a time when most cookbooks were dry cooking manuals written by home economics professionals. She didn’t even love to cook. Her biggest goal in the kitchen was to get out of the kitchen as soon as possible. She cooked because she had to, and realized that a lot of her readers did so too.”

“She did like to bake cakes,” added Becker, “so there was some joy there.”

Fullerton’s Judy Bart Kancigor is the author of “Cooking Jewish” and “The Perfect Passover Cookbook.” Her website is cookingjewish.com.

OLIVE OIL CAKE

From: “Joy of Cooking,” 2019 edition, by Irma S. Rombauer, Marion Rombauer Becker, Ethan Becker, John Becker and Megan Scott

1. Pré-aqueça o forno a 350 graus. Spray a 9-inch springform pan line bottom with round of parchment paper.

2. Whisk together in medium bowl:

  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 cup fine cornmeal or almond flour
  • 1/4 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

3. Whisk together in large bowl:

  • 1 1/2 xícaras de açúcar
  • 1 1/4 cups extra-virgin olive oil
  • 1 1/4 cups plain yogurt
  • 3 ovos grandes
  • Finely grated zest of 1 orange or lemon
  • 1/2 cup orange or lemon juice

4. Fold flour mixture into olive oil mixture just until combined, and scrape batter into prepared pan. Bake until toothpick inserted into center comes out clean, about 1 hour and 15 minutes. Let cool in pan or on rack 30 minutes. Run a thin knife around inside of pan, and remove pan ring. Let cake cool completely on pan base. Serve with whipped cream.

WHIPPED CREAM

This recipe gives you the option of sweetening the whipped cream or not. Unsweetened whipped cream is excellent on very sweet desserts where you want the richness of the cream without any more sugar. For lightly sweet desserts or to use the whipped cream as a cake filling or frosting, add a sweetener as desired.

Cook’s note: Parentheses indicate optional ingredients.

Beat in a large bowl – chill bowl if your kitchen is very warm – with hand mixer or balloon whisk or in stand mixer set at medium-high speed, until stiff and billowy but not grainy:


Assista o vídeo: Kerry Leitch: Skate Canada Hall of Fame Induction (Agosto 2022).