Receitas mais recentes

O novo livro de receitas de Clodagh McKenna é tudo sobre encontrar - e comer - ao redor da mesa irlandesa

O novo livro de receitas de Clodagh McKenna é tudo sobre encontrar - e comer - ao redor da mesa irlandesa


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Se você fosse conhecer Clodagh McKenna, proprietária de dois restaurantes, vibrante personalidade da televisão e autora premiada de cinco livros de receitas de sucesso, a primeira coisa que você notaria sobre ela é que ela irradia calor e felicidade genuínos - qualidades que brilham em seu mais novo livro de receitas, Cozinha irlandesa de Clodagh: uma nova abordagem aos sabores tradicionais. Embora o livro seja baseado em novas interpretações da comida soul irlandesa, cada uma de suas 150 receitas o deixará com a sensação de que experimentou a comida tradicional irlandesa no seu melhor, bem como um convite à mesa familiar comunitária; a mesa que serve como pedra angular da cultura irlandesa. Como Clodagh diz, “a vida gira em torno da mesa irlandesa”.

Este livro de receitas lindamente fotografado tem mais de 300 páginas com receitas, menus e idéias para entreter - cada uma delas vai deixar você querendo nada mais do que ir para sua cozinha para começar a cozinhar.

Com fome de mais sobre irlandês cozinhando? Aqui estão os pensamentos de Clodagh sobre seu livro de receitas recém-lançado:

Este livro não é o que eu esperava quando penso em um livro de receitas irlandês. Você pode falar um pouco sobre as receitas que incluiu?
Portanto, há muitos pratos tradicionais neste livro de receitas, porque meu objetivo é que qualquer pessoa que não sabe o que é culinária irlandesa pegue o livro, compre o livro e seja capaz de fazer pratos irlandeses de cabeça . Qualquer pessoa que tenha qualquer tipo de conexão com a Irlanda entende que a vida gira em torno da mesa irlandesa; você nunca entraria em uma casa irlandesa sem que lhe oferecessem chá, bolo ou algo para comer. Você seria perguntado 10 vezes: "Você não está com fome? Tem certeza de que não está com fome? ” Sempre há algo fervendo no fogão.

Quando você pensa em cozinha irlandesa, você pode pensar em colcannon, que é tão delicioso. É a verdadeira comida soul irlandesa. Mas eu coloquei um novo toque nisso, transformando-o em uma sopa. Pego todos aqueles ingredientes lindos e os acompanho com um delicioso pesto de salsa, que adiciona lindos sabores apimentados e salgados à sopa.

O ensopado irlandês é outro exemplo. Eu adoro ensopado irlandês. O meu usa uma adorável cevada pérola. A cevada de pérola era tradicionalmente usada na Irlanda se você não tivesse carne suficiente; seria meio que engordar um prato. Também ponho um lindo tomilho fresco no guisado e cozinho com costeletas para que você obtenha muito sabor dos ossos.

Ou o bolo da Guinness. O bolo Guinness é o melhor bolo de chocolate que você vai provar ... na minha opinião. É algo que faz parte da nossa história, mas que aperfeiçoei ao meu gosto. O bolo Guinness é feito com cacau em pó e leitelho, então você obtém sabores doces e amargos, e então o Guinness traz um bom sabor de caramelo para ele.

O livro realmente captura muitas receitas tradicionais de soul food irlandesas e, em seguida, adiciona os sabores que todos nós gostamos de provar.

Clique aqui para ver mexilhões de Clodagh cozidos com creme, chouriço, alho e receita de salsa de folha plana

Parte do que me surpreendeu sobre este livro foi que muitas das receitas realmente giram em torno de ingredientes locais e forrageamento. É algo novo ou sempre foi o caso da cozinha irlandesa?
Foi algo com que meu avô cresceu (e até minha mãe cresceu), e então se perdeu na década de 1980. De repente, a Irlanda ficou muito rica; propagandas e grandes campanhas de relações públicas apareceram na televisão e ficamos maravilhados com comidas e refeições prontas. As mulheres começaram a ter carreira própria e não havia ninguém em casa cuidando da casa ou cozinhando, então essas refeições prontas facilitaram a vida. Mas eles também levaram embora os ingredientes locais e forrageados.

Agora ficou muito, muito quente de novo. As pessoas estão realmente empolgadas com o que está na temporada, o que é local e o que é explorado. Acho que é porque estamos passando por essa recessão. Todo mundo teve que repensar o que é importante, e isso nos trouxe de volta à mesa dos irlandeses.

Você considera sua abordagem neste livro um indicativo de tendências maiores na culinária irlandesa ou é exclusiva de suas próprias experiências culinárias?
Acho que há algumas coisas que são tradicionais e que gosto de chamar de pratos irlandeses comoventes, mas gosto de muitos chefs que se inspiram em outras coisas. Muitos deles são minha interpretação de tipos de pratos; são sabores que eu realmente amo.

Clique aqui para ver a receita de Cordeiro Clodagh com Funcho e Nectarina Assada

Então, me fale um pouco mais sobre o livro. Como é diferente de outros livros de receitas irlandeses? E qual é a lição para os leitores?
Quero que os leitores percebam que a culinária irlandesa é realmente acessível. Os ingredientes que usamos na nossa cozinha são tão acessíveis e as receitas tão viáveis; não há nada lá que seja muito complexo. O livro é voltado para o cozinheiro doméstico. Escrevi este livro pensando em cozinheiros domésticos de todo o mundo. Eu quero que eles sejam capazes de criar uma refeição irlandesa. Eu quero que eles tragam as pessoas para suas mesas e criem aquele senso de família em suas próprias casas.

Também quero que a comida e a culinária irlandesa se tornem parte da cultura irlandesa em todo o mundo. Sempre que falo com as pessoas sobre comida irlandesa, elas sempre mencionam suas memórias: “Oh, minha avó costumava cozinhar assim” ou “Quando eu estava na Irlanda, provava assim”. Eles são verdadeiros irlandeses que não cozinham comida irlandesa.

Qualquer pessoa que tenha qualquer tipo de conexão com a Irlanda entende que a vida gira em torno da mesa irlandesa. Não são apenas canecas verdes no Dia de São Patrício - quero que as pessoas acordem no fim de semana e pensem: “Posso fazer uma tortilha irlandesa completa para brunch ”ou“ Vou fazer um bolo da Guinness e convidar todos para um chá no domingo à tarde ”. Eu quero que as pessoas comecem essas tradições que estão tão arraigadas na cultura irlandesa - elas são provavelmente a coisa mais importante na Irlanda, parte de nossa vida diária e cultura, sentados em volta da mesa irlandesa e cozinhando uns para os outros. E eu quero que isso cresça porque essa é realmente a essência da compreensão de uma cultura.

Pão de soda irlandês é uma das receitas mais familiares para cozinheiros não irlandeses, então eu tenho que perguntar a você: você tem algumas dicas para compartilhar? Como fazemos pão irlandês perfeito com refrigerante?
Definitivamente, use leitelho. Ele adiciona aquela adorável acidez.

Seja bem leve ao amassar. O que você precisa fazer é esticar todos os dedos da sua mão como uma calha e, em seguida, misturar a farinha assim.

Você também precisa se certificar de que não há nenhuma parte da farinha que esteja seca. Toda a farinha deve estar molhada.

E peneire sua farinha.

Em seguida, cruze a massa. Tradicionalmente, batemos a massa em uma rodada e, em seguida, usando uma faca seca (com um pouco de farinha de cada lado para que não grude), fazemos uma pequena cruz no pão. Fazemos isso por dois motivos: você está abençoando o pão e também torna mais fácil separá-lo quando sai do forno.

Clique aqui para ver a receita de pão de refrigerante com ervas e tomilho de Clodagh

Algo mais que devo saber sobre você ou o livro? Estou esquecendo de perguntar alguma coisa?
Eu diria que, para quem está interessado em cozinhar e quer cozinhar mais comida irlandesa, comece fazendo o pão de soda. Essa é uma ótima maneira de começar. Em seguida, passe para os pãezinhos de pedra (eram uma grande tradição em minha casa nas manhãs de sábado). Depois, aprenda a fazer sopas (nós amamos nossas sopas na Irlanda!). Em seguida, defina uma tarefa específica. Talvez diga: "Em um mês, vou preparar um jantar irlandês sofisticado" ou "Vou fazer um brunch irlandês". Convidar pessoas. Escolha duas ou três receitas do livro, experimente-as e depois domine-as. Domine realmente a cozinha irlandesa e espalhe o amor irlandês.

Para obter mais informações sobre Clodagh McKenna, visite o site dela.

Ou clique aqui para adquirir uma cópia de seu livro.


Minha Vida em Alimentos

O chef, apresentador de TV e redator de livros de receitas Clodagh McKenna, fala com Editora Jillian Bolger sobre as memórias da infância irlandesa, influenciadores e seu novo livro.

Qual foi o primeiro prato que você aprendeu a cozinhar?

Comecei a cozinhar na minha infância, e minha memória da primeira receita que aperfeiçoei totalmente foi pão de soda irlandês. Agora faço todos os sábados de manhã e é a receita mais pesquisada no meu site.

Quais são as suas lembranças alimentares mais vívidas da infância?

Na infância, comíamos em família todas as noites da semana. Todos nós teríamos tarefas diferentes quando voltássemos para casa da escola - as flores eram colhidas para a mesa, os lençóis colocados, os vegetais preparados e uma solução rápida ou receita "pronta" era preparada.

Isso foi para criar um momento para todos nós nos reunirmos em volta da mesa, conversar sobre o dia que tivemos, amar, discutir, rir, todas as noites às 18 horas. Acho que é a hora das refeições que mais faz as memórias de comida.

Quem foi a maior influência na maneira como você cozinha?

Acho que Darina Allen e Rory O’Connell de Ballymaloe. Eles me mostraram a importância do sabor dos alimentos frescos, locais e sazonais. Não há nada igual e nunca será.

Qual comida do país você mais gosta?

Itália, porque sou viciado em como os italianos são apaixonados por sua comida.

Sua paixão impulsiona a perfeição e a exploração do antigo e do novo. Eu morei lá por um bom tempo e me apaixonei por toda a cultura gastronômica de lá.

Onde você gostaria de visitar, por causa de sua comida?

Eu visitaria qualquer lugar agora! Mas no topo da lista estaria o Japão.

Qual é o seu ingrediente irlandês favorito?

Eu amo o Carlingford Oysters, baseado na bela cidade medieval na Península de Cooley. O sabor é inacreditável e os proprietários são maravilhosos.

Eu também adoro o Rare Apple Ice Wine dos Killahora Orchards. É uma bebida incrível para servir aos convidados. E mais um ... Gubbeen, qualquer coisa da Fazenda Gubbeen. Os Fergusons são meus heróis gastronômicos.

Qual é o seu fast food favorito?

Qual foi a refeição mais memorável que você já experimentou?

É sempre uma ocasião familiar para mim. Minha família se reuniu ao redor da mesa e uma grande canção irlandesa depois. Minhas memórias mais queridas e queridas são desses momentos.

Você tem muitos livros de receitas?

Eu tenho um monte e um monte! Como chef e autora de livros de receitas, muitas pessoas os enviam para mim, e adoro examiná-los e ficar inspirada.

Enviei meu último livro, CCozinha de lodagh durante a semana a todos os meus amigos chefs, pois adoro saber de quais receitas eles gostam mais.

Você já teve um desastre na cozinha?

Bastante! Como você aprenderia ou experimentaria se não o fizesse? Eu as chamo de curvas de aprendizado, não desastres!

Nomeie seus 5 ingredientes da ilha deserta.

Ovos, azeite, azeitonas Perello, macarrão Martelli e chá Barry's.

Qual é a sua ideia de inferno alimentar?

Comer alimentos superprocessados. Simplesmente não é para mim. Eu amo demais o sabor dos alimentos frescos e me esforcei muito para cultivar meus próprios ingredientes para desperdiçá-los.

Qual é a única coisa que você sempre pedirá se vir em um menu?

O que você comeria como sua última refeição na terra e quem iria cozinhar?

Eu não sei, como você come através de tantas lágrimas!

Clodagh & # 8217s Weeknight Kitchen: Pratos fáceis e emocionantes para animar seu repertório de receitas, já estão à venda. Compre online aqui na Good Food Ireland® Shop € 25,00.


A editora de Food & ampWine, Dee Laffan, conversou com Clodagh para descobrir por que ela adora receber visitas em casa e obter seus conselhos de especialistas sobre como oferecer o jantar perfeito.

De onde você tirou inspiração para seu novo livro, Ceias de Clodagh?

“Aconteceu muito naturalmente quando me mudei para Londres e estava jantando muito em casa, conhecendo mais amigos e criando minha própria comunidade. Quando você trabalha com comida por tanto tempo, às vezes você não dá um passo para trás para realmente entender o significado de jantar. Mas, para mim, aquele período foi muito focado no que os jantares significavam para a minha vida. Acho que também tive tempo para ser muito criativo com ele e fazer a curadoria de menus realmente considerados. Então, depois de cerca de um ano ou mais, eu queria colocar tudo em um livro, então foi quando começou. "

Você gostou do aspecto de tablescaping?

“Sempre adorei a curadoria de pratos bonitos e comecei a estilizar bem no início da minha carreira para revistas. É algo que sempre adorei fazer e acrescenta muito a toda a experiência quando você se senta à mesa e alguém coloca muita consideração nisso. Isso torna a experiência muito mais quente. "

Uma postagem compartilhada por Clodagh McKenna (@clodagh_mckenna) em 25 de março de 2019 às 3h PDT

Existe uma técnica para criar o jantar perfeito?

“Acho que a fórmula seria organizar. Se você estiver jantando em uma semana, reserve um tempo à noite para planejá-lo e você realmente terá um pouco de alegria com toda a experiência. Se você estiver preparando uma entrada, um prato principal e uma sobremesa, sempre sugiro que dois desses pratos são aqueles que você pode fazer um dia antes.

"Eu quase sempre faço a mesa na noite anterior, porque então eu realmente gosto de fazer isso. Eu posso tomar um banho e entrar no meu pijama e colocar a música e arrumar a mesa muito bem e realmente me divertir. E eu entendo para gostar de olhar para ele o dia todo e não é como, 'Jesus, eu não tenho a mesa feita'. "

Quais são suas principais dicas para organizar um jantar?

"Eu acho que é muito importante ter tudo pronto mais cedo. Se você está dando um jantar e as pessoas estão chegando às 19h, faça tudo por volta das 17h. Isso significa que você tem duas horas para si mesmo e realmente gosta de todos entrando em vez de estar uma pilha de nervos quando chegam à porta porque isso deixa as pessoas desconfortáveis.

"Uma coisa muito importante a lembrar é que, quando você é um anfitrião, é seu trabalho fazer com que as pessoas se sintam confortáveis. Certifique-se de que eles estejam acomodados ao lado de pessoas de quem gostam e que não fiquem nervosos. Fazê-los se sentir incluídos é seu trabalho número um, a comida é o segundo.

"Isso é o que eu realmente queria transmitir no livro: reserve um tempo para sentar e ler. No início do livro, ele apresenta dicas sobre como se organizar e sua lista de verificação. Assim que você tiver isso na cabeça , torna-se muito mais livre de estresse.


O chef traz inovação e cozinha tradicional irlandesa para o mundo (RECEITAS)

A famosa chef irlandesa e autora Clodagh McKenna aparece todos os meses no "The Rachael Ray Show" em Nova York, o que significa que sua marca inspirada de culinária tradicional irlandesa não está apenas recebendo atenção nacional, mas também é um sucesso mundial. Cahir O'Doherty fala com ela sobre seu último livro "Clodagh's Irish Kitchen" e sua missão de reunir tradição e inovação na culinária irlandesa.

A comida conecta você a um lugar. Basta pensar no quanto às vezes você sente falta de um verdadeiro bolinho irlandês de soda ou de um café da manhã devidamente preparado para saber que é verdade.

O chef irlandês e autor de livros de receitas Clodagh McKenna, 39, que se formou em Paris e Nova York e trabalhou na mundialmente famosa Ballymaloe Cookery School em Cork, entende profundamente o poder da comida para transformar o humor, um dia e até mesmo a sua saúde.

Com uma série de livros de culinária de sucesso e dois restaurantes populares em Dublin em seu nome, sua estrela está em ascensão também nos EUA, o que significa que ela a visita constantemente.

“Estou indo e voltando todos os meses”, diz ela ao Irish Voice. “Estou de volta a Nova York no fim de semana de 14 de março para fazer 'The Rachael Ray Show' e depois vou dar uma festa na Soho House fazendo a comida. Então estou voando para o Canadá para o Dia de São Patrício para fazer um show ao vivo lá também. Vai ser uma semana inteira! ”

Como ela defende a culinária e confeitaria irlandesa para um público internacional que pode não saber que há mais na Ilha Esmeralda do que 50 tons de batata?

“Eu faço isso cozinhando realmente. Estou compartilhando os pratos que adoro, ou minha interpretação de pratos tradicionais antigos que coloco em uma versão nova ou moderna ”, diz ela.

“Eu sempre acho que a prova está no pudim, e como o meu é um bolo Guinness ou um pudim de pão com manteiga de caramelo de uísque, é o tipo de receita que muitas vezes é escolhida por revistas como a Better Homes. Eu defendo a Irlanda cozinhando e mostrando às pessoas, o que as faz querer as receitas e querer experimentá-las ”.

Sua criatividade na cozinha é surpreendente e explica seu sucesso. McKenna cruza agilmente receitas irlandesas com influências europeias e até orientais e faz pratos fáceis de preparar que são notavelmente irlandeses, mas consistentemente sofisticados.

“Sempre cozinhei”, explica ela. “Tenho feito isso profissionalmente há 17 anos e sempre me interessei por comida, então foi uma progressão natural para mim adaptar as receitas tradicionais irlandesas.

“Felizmente, consegui fazer disso uma carreira. O lado criativo, a criação de receitas, é muito fácil para mim e eu adoro isso. ”

McKenna diz que hoje em dia todo o seu mundo gira em torno da comida irlandesa, seja comer fora, escrever ou ler livros de culinária e testar novas receitas.

“Eu cozinho todos os dias. Não sou um daqueles chefs que escreve um livro, mas não cozinha em casa. Gosto de compartilhá-los na minha página do Instagram ”, diz ela.

O entusiasmo e a habilidade de McKenna a tornaram uma das faces mais reconhecidas do renascimento da culinária irlandesa, e sua influência pode ser sentida em todo o país.

“É ótimo que nos últimos 10 anos, talvez especialmente em Dublin, todo mundo esteja usando muito mais comida sazonal e produzida localmente e pensando em como eles podem torná-la realmente boa e criando receitas adoráveis”, diz ela.

Sua própria inovação quando se trata de receitas veio de experiências experimentadas e testadas, ela revela.

“Eu não fazia a mesma coisa há 10 anos. É preciso ter confiança, conhecer seu próprio estilo e cultivar seu próprio estilo de cozinhar ”, diz McKenna.

“Meus amigos estão todos na indústria de alimentos como chefs ou restaurateurs ou algo relacionado. Todas as noites eu vou para algo relacionado. Ou estou cozinhando em casa ou vou para o lançamento de um novo restaurante. ”

Uma boa cozinha contribui para dias e noites memoráveis. Também transforma uma casa em um lar, diz McKenna.

“Somos semelhantes aos italianos porque muitas histórias irlandesas são centradas na cozinha. Estávamos tomando chá, pão com manteiga, em vez de ótimos pratos de massa, mas havia tanta comida caseira que ia desde ensopados a caçarolas, sopas e pães ”, diz ela.

“É uma parte tão importante de nossas vidas. Existem tantas histórias e incentivos e apego à culinária e acho que não olhamos para isso o suficiente. Eu gostaria de nos ajudar. ”

Ela pensa em seus livros de culinária como esforços para colocar os sabores tradicionais irlandeses no mapa culinário e se orgulhar deles e lembrar que crescemos em torno da cozinha.

“No minuto em que você entrar em uma casa irlandesa, será oferecido uma xícara de chá e algo para comer. A Irlanda é ótima para assar chá e bolos, por exemplo, e embora possam parecer um pouco monótonos e comuns para nós, os visitantes de nosso país os consideram lindos e únicos ”, diz McKenna.

“Um suporte de chá bem feito é tão bom quanto um panetone da Itália. É assim que eu penso. ”

Em "Clodagh's Irish Kitchen" McKenna lembra-nos que um piquenique na praia com uma garrafa de chá e um bom chá para partilhar (delicadamente temperado com canela e noz-moscada) é a sua ideia de um dia perfeito. “Especialmente se for feito em casa!”

Estamos sentados em uma mina de ouro na Irlanda há décadas e é hora de perceber isso. Seu livro pega nossos pratos tradicionais e os conecta às grandes cozinhas do mundo.

McKenna quer compartilhar duas receitas sazonais de "Clodagh's Irish Kitchen" com os leitores do Irish Voice. Na Irlanda, na primavera, o cordeiro é frequentemente servido, e McKenna tem uma receita para ele que seria bem-vinda e oportuna no dia de São Patrício ou na Páscoa. Neste, ela acrescentou cevada, como os irlandeses costumam fazer, para torná-los mais substanciais e saborosos.

“Esta é uma das minhas comidas reconfortantes favoritas de todos os tempos”, diz McKenna. “Eu cresci tendo essa receita exata uma vez por semana, e imagino que o mesmo vale para a maioria dos irlandeses. Todos nós temos as nossas próprias variações de ensopado irlandês e, quando bem cozinhado, este prato é tão delicioso.

“Faça um caldo muito saboroso, use cordeiro de boa qualidade e engrosse os sucos da caçarola para fazer um molho. É um jantar fantástico no meio da semana para toda a família. Pode ser feito na noite anterior e reaquecido. ”

“Pelo menos uma vez por mês vou fazer chá em casa. É possivelmente uma das receitas mais fáceis e satisfatórias de fazer ”, diz McKenna.

“Você tem que deixar as frutas de molho por algumas horas, ou durante a noite, mas o resto é só pesar e misturar.

É delicioso e fresco no dia em que é feito, mas, para ser sincero, prefiro alguns dias depois, torrado com manteiga e geleia. O bolo é denso e úmido - um verdadeiro prazer para todos! ”


Espírito de Design

. temas familiares: uma interação de espelhos no quarto, cortinas para canalizar
o fluxo do ch & # 39 i, backsplash espelhado no cozinha . . O que estava faltando em
Clodagh & # 39 s loft aberto era uma sensação de intimidade, então o sofá e as cadeiras eram
reagrupado para formar uma figura fechada, e. Clodagh tem buscado uma visão de
cura por meio de seu trabalho, primeiro como designer de moda em sua cidade natal Irlanda , então
no interior e.

Categoria: Arquitetura


Tenha um Natal Muito Leiteiro & # 8211 Clodagh McKenna lança campanha exclusiva de receitas de Natal

The National Dairy Council tem o prazer de anunciar que está lançando uma campanha especial de Natal com o Irish Chef Clodagh Mckenna. Clodagh criou oito deliciosas receitas festivas usando o melhor da produção irlandesa, uma variedade de guloseimas indulgentes para cozinhar para amigos e família neste Natal.

Clodagh diz “Sempre fui apaixonada pela qualidade e bondade dos laticínios irlandeses e uso-os regularmente em todas as minhas receitas e pratos por seu sabor delicioso e excelente. As melhores refeições são feitas com ingredientes frescos e os laticínios são deliciosos, nutritivos e versáteis. Na Irlanda, temos a sorte de ter uma excelente variedade de produtos lácteos para escolher e, graças à nossa tradição de excelência na produção de lácteos, a qualidade vem naturalmente. As receitas que criei irão adicionar aquele toque especial extra de luxo às suas celebrações de Natal deste ano ”.

As receitas de Clodagh incluem uma variedade de ideias para complementar o seu jantar de peru ou ganso com acompanhamentos luxuosos recebeu um toque especial de Clodagh Mckenna. Comece sua refeição com um rico patê de fígado de frango com cebola caramelizadaé coberto com salva crocante e laranja ralada, ou uma deliciosa “Nuvem de queijo” suflê de queijo de fazenda ou porque não ser aventureiro e fazer o Torradas de caranguejo irlandês terminou com uma cobertura de iogurte picante.

queijo couve-flor é feito extra especial com um queijo cheddar maduro e uma cobertura crocante de avelã. Para a sobremesa, há uma deliciosa variedade de alternativas ao pudim de Natal, incluindo um Bolinho de noz-pecã de chocolate com creme de flor de laranjeira e um arroz doce aromatizado com anis estrelado e laranja.

“As pessoas sempre me perguntam como evitar o estresse ao entreter uma grande multidão no Natal”, diz Clodagh. “A chave do curso é estar bem organizado, começo a escrever meu cardápio com uma semana de antecedência, e equilibro com pelo menos dois pratos que posso fazer na noite anterior, de modo que normalmente só me deixa com os coquetéis, o pão e um curso para fazer no dia. Gosto de começar a refeição dividindo pratos ou tábuas, isso sempre relaxa meus convidados, e é fácil para mim montar, como meu delicioso patê de fígado de frango com cebola caramelizada, um clássico antigo, que pode ser feito em um ou dois dias com antecedência, ou meu caranguejo brinda com um fiozinho de iogurte com especiarias. Ter ingredientes de boa qualidade é a chave para um jantar saboroso. Sempre tenho laticínios irlandeses na minha geladeira, nada se compara ao sabor puro e limpo da manteiga irlandesa, iogurte, creme e nossos queijos! E para os meus vegetais, vou o mais direto que posso para obtê-los nas fazendas, através dos mercados do agricultor ou boas lojas de vegetais, raízes de vegetais têm um gosto tão bom nesta época do ano ”.

Dicas de entretenimento de Natal de Clodagh e # 8217s

1. Planeje e redija seu menu com uma semana de antecedência
2. Faça dois cursos que você pode fazer pela frente
3. Aproveite o tempo para criar uma mesa lindamente colocada na noite anterior, é tão lindo sentar em uma mesa linda e atenciosa
4. Asse meu pão simples de ‘Rosemary Clodagh’ na manhã do seu jantar, uma casa cheia de cheiros de pão fresco é tão acolhedora e, claro, para comer também!
5. Fonte de ingredientes de qualidade realmente boa, torna muito fácil a elaboração de deliciosos pratos.


Chef Clodagh McKenna: Vamos viver para cada noite

Clodagh McKenna, que publicou um novo livro de receitas. Foto: Dora Kazmierak / PA.

CLODAGH McKenna realmente fez o que muitos de nós vagamente imaginamos fazer durante o bloqueio de março: ela foi e escreveu um livro.

Durante aquele primeiro período de sentimento sem fim, quando muitos de nós estávamos firmemente confinados em ambientes fechados, o cozinheiro irlandês e apresentador de televisão recorreu ao Instagram. Postando um vídeo de receita diária, ela esperava responder de alguma forma às muitas, muitas mensagens que estava recebendo de pessoas que não estavam em casa em todo o país que precisavam de pratos adequados para o bloqueio, jantares não estressantes, refeições familiares no meio da semana, jantares interessantes para um e mais.

“Eu os fazia todos os dias”, diz McKenna sobre os vídeos.

“Todos os dias - fiz mais de 120 deles. Foi exaustivo, mas também um propósito real. ”

O novo livro de Clodagh inclui pratos adequados, jantares não estressantes, refeições familiares no meio da semana e muito mais. Foto: Dora Kazmierak / PA

Uma nova comunidade surgiu em torno desses breves fragmentos de McKenna chique e com franjas loiras, preparando um pudim de pão com manteiga sozinho ou uma bandeja de kievs de frango retrô. E essa comunidade forneceu feedback em tempo real que McKenna coletou e usou para ajudar a alimentar o livro: Clodagh’s Weeknight Kitchen. Ela o considera um “verdadeiro livro de receitas da comunidade” - que é o que a fez blub quando ela conseguiu segurar uma cópia final.

“Eu queria me concentrar nas noites da semana”, explica a cozinheira treinada da Ballymaloe Cookery School.

“Temos tanta coisa acontecendo durante o dia e já são seis horas, e é tipo, você está com fome, está cansado e teve um dia difícil, como você pode preparar uma refeição ? Sem ficar em cima de você? "

O resultado é um cache 100 forte novo - McKenna, de 45 anos, escreveu-os em cima de todos aqueles vídeos Insta - de receitas que ela diz serem “incrivelmente simples de fazer com ingredientes que são completamente acessíveis, mas eles são lindos e estão” você é divertido e eles vão fazer você se sentir bem consigo mesmo. ”

Dividido em seções, incluindo "soluções rápidas", "reuniões de sexta à noite" e "guarda-roupas pendentes", a mensagem subjacente para McKenna é a diferença que cozinhar para si mesmo faz.

“Especialmente quando você tem que acordar cedo, [você tem] filhos ou trabalho para cuidar, você precisa se manter motivado para trabalhar em casa, você precisa ter algo pelo qual ansiar à noite.

“Às vezes, um take away pode ser ótimo, mas não dá a mesma sensação de - eu chamo de uma pitada de felicidade porque isso é o que é para mim”, acrescenta McKenna, que também apresenta segmentos de receita no Today Show no NÓS.

“Seja para um ou dois, você fez algo para si mesmo fisicamente, você se sente melhor mentalmente, você se sente melhor.

“É aí que entra a importância de preparar um jantar adorável todas as noites, ou pelo menos duas noites durante a semana. Algumas semanas se passam e é como se você não tivesse nenhum momento especial à mesa. Tudo se transforma em TV e comida para viagem, ou comida quente, e você vive para o fim de semana. Eu penso, vamos viver para cada noite.

“Só o bem pode vir de planejar sua semana e cozinhar durante as noites da semana”, acrescenta ela. “Somente coisas positivas podem vir financeiramente, mentalmente, em termos de saúde, tudo.”

Clodagh McKenna, que foi treinada na Ballymaloe Cookery School em East Cork.

Quando se trata de aspectos positivos, algo que trouxe grande alegria à vida de McKenna recentemente foi a chegada de suas "meninas" - uma ninhada de galinhas.

“Eles são a luz da minha vida no momento”, diz alegremente o chef da televisão. “Minha cadela Nolly fica com muito ciúme toda vez que eu entro, me cheirando como uma louca, tipo,‘ Quem são essas outras garotas em nossas vidas? ’Mas elas são uma alegria absoluta. Quer dizer, eu estava com medo na noite anterior da chegada deles - de repente, você tem seis novos animais que precisam de cuidados. Mas eles estão indo muito bem. ”

Eles até se colocaram na cama: “Uma noite estava ficando meio escuro e nós estamos procurando por todos os lados, e eles estão todos dentro de suas camas, todos empoleirados esperando que a tampa abaixe! E eles estão me preparando o café da manhã todas as manhãs, o que é ótimo. ”

Nascida em Blackrock, Irlanda, McKenna era uma “garota da cidade” cheffing em Londres por anos antes de se mudar para Broadspear - a casa na Irlanda que ela e seu parceiro têm restaurado e transformado em uma propriedade rural totalmente sustentável.

“Tem sido um sonho”, ela explica, descrevendo como eles construíram 10 canteiros elevados no que era o dilapidado jardim murado do século 18 da propriedade, e observa que ao lado das galinhas há planos para porcos.

“E agora temos nossas próprias colmeias de trabalho. Nós plantamos um pomar inteiro e eu tenho meu próprio jardim de corte em funcionamento. ”

Há bosques também ("Todos os cogumelos estão chegando lá", diz ela, falando em meados de outubro).

“Esta é a primeira vez, nas últimas semanas, em que podemos ver todo o ciclo ecológico funcionando, desde a compostagem até o composto voltando para as camas para o inverno”, diz McKenna, comentando sobre sua minhoca: ​​“ É como o composto de ouro para borrifar sobre coisas realmente importantes. ”

Grande parte dos últimos dois anos foi gasta para lidar com a terra e a arte de cultivar sua própria terra - que este ano se beneficiou das restrições da Covid.

“Foi uma grande curva de aprendizado porque nunca tínhamos feito nada assim antes. Então, você sabe, muitas coisas nunca surgiram. E então muitas coisas surgiram em abundância ”, diz ela, conferindo o nome de sua alcachofra, que leva o nome de Elton John.

Clodagh's Weeknight Kitchen por Clodagh McKenna (publicado pela Kyle Books. Foto: Dora Kazmierak / PA.

“Então temos coisas como meus pés de melão, eles permaneceram pequenos assim durante todo o verão e então simplesmente morreram”, diz ela, seus dedos medindo apenas um centímetro ou dois no zoom. “Sinto que aprendi muito ao longo do ano e mantive um diário durante todo o tempo,” - ela está planejando compartilhar suas descobertas também, para ajudar outras pessoas com suas tramas vegetais, e assim ela pode continuar trocando sabedoria com sua comunidade online .

“Os comentários são incríveis”, diz ela com um sorriso.

“I never knew that you put cloves of garlic into the chickens’ water and it stops them from getting mites! All that brilliant information – that’s out there. It’s like, I don’t know, what would you call them – granny skills.”

As autumn crackles around us and winter looms, those skills, and that sharing of information, will continue to be vital says McKenna.

“There are things that we took up over lockdown that will stay with us now,” she says.

“You’ve probably stopped the things that you didn’t enjoy that much, and you’ll keep the ones that you did enjoy.”

And for new inspiration, there’s always the kitchen.

Clodagh’s Weeknight Kitchen by Clodagh McKenna is published by Kyle Books. Photography by Dora Kazmierak. Available now.


EATING NEW MEMORIES

So here I am. It’s a new year, I’ve interviewed celebrity chef, Clodagh McKenna and I’m following two of her recipes. It’s all from Clodagh’s Suppers, her new book which celebrates the seasons, and already, I find myself enjoying it all. Sure, I’m buoyed by Clodagh telling me to, “Prep the night before whilst enjoying a glass of wine,” advice which I have dutifully followed, but, considering I am someone who traditionally gets in a flap cooking for more than two, I’m really rather having fun. I am making Rosewater Florentines of all things for the first time, and as I do, jazz music on, a glass of Rioja in hand, it dawns on me that celebrity chef, Clodagh McKenna and I are actually rather similar.

Como? Because, aside from her partner being The Honourable Harry Herbert, whose family owns Highclere Castle, the sprawling mansion where Downton Abbey is filmed and is the estate on which Clodagh and Harry now live. Apart from the fact that Clodagh is a television star, appearing as a regular guest chef on ITV’s This Morning and Channel 4’s Sunday Brunch, as well as The Today Show and The Rachael Ray Show, in the USA, The Marilyn Denis Show and Your Morning in Canada. Aside from Clodagh being a judge on the hit new Channel 4 series, Beat the Chef, with her own TV series in her native Ireland, a weekly food column in the Evening Standard and over six cookbooks published, her latest one, Cloadagh’s Suppers being shortlisted for the Irish Book Awards Cookbook of the Year.

Yes, aside from all that, Clodagh and I are quite similar because, like me—in fact like all of us, when you truly think about it—Clodagh McKenna, wants one wonderful, utterly justifiable thing in life: to be happy.

“Before I met Harry, I was living on my own in London,” Clodagh tells me as we talk about life, love and food over tea and cake in the Cotswolds. “I’d just come out of a relationship when I moved to London, so I wanted to enjoy being on my own.” She pauses and I hear a flicker of something in the lyrical Irish lilt of her voice. Reflection? Melancholy? “Not feeling that I’m totally on my own," she continues, "it takes effort, it opens up memories. But eating supper with friends? It’s about so much more than food. It’s about creating new memories.”

Clodagh McKenna talks with equal parts positivity and reflectiveness. Waves of light blonde hair, a petite face with a wide, warm smile, she is friendly, very much so, to the point where, when talking with her, you feel as if you’ve known her for years. But I think that’s part of Clodagh’s not only charm but incredible success, that blend of girl-next-door and high-society femme, with a celebrity address book to die for. You get the sense this is a very genuine person.

Clodagh McKenna was born in 1975 in Cork, Ireland. With hard-working, cookery-loving parents, after regular summers spent in rural France, Clodagh’s natural path was food. She trained in Ireland, working at Ballymaloe Cookery School & House in County Cork, before going onto develop farmers markets around Ireland as well as creating her own food range. Later, she lived in Italy for three years where she worked with the international organisation, Slow Food, ran two restaurants in Dublin and Blackrock, and hosted pop-ups in collaboration with brands, including Selfridges, Fortnum & Mason, Cheyne Walk Brasserie, L’Or Coffee and The Whitney Museum. Now, she's a spokesperson for many different brands including Kerrygold, Guinness and an Irish ambassador for the National Dairy Council, plus, she's an ambassador for the beauty brand, L’Occitane. And of course, there are her six bestselling books, TV shows and her sold-out supper clubs.

For quite a private person, life for Clodagh is now very much in the public spotlight. Yet it’s something she appears very comfortable with, mainly, it seems because she’s truly so very happy. After first meeting each other at a Fortnum & Mason board meeting, Clodagh and Harry now live within the grounds of their 60-acre property called Broadspear in Highclere Park, England, where Downton Abbey is filmed. Harry is known in royal circles as one of the Queen’s confidants after his father, the 7th Earl of Carnarvon, also known as Porchy, made famous by the Netflix series, A coroa, was The Queen's racing manager and close friend.

Clodagh and Harry began restoring their 'Downton' property a year ago and now have a one-acre 18th-century walled vegetable and fruit garden, working beehives, orchards, chickens and pigs. “The plan is to make Broadspear a sustainable working homestead within the next few years,” Clodagh tells me. “We want to create a space where people can come and then be inspired to do the same in their own homes.” Foraging for Clodagh is a huge part of who she is, the natural aspect of it, the way food is, essentially when you forage, free and sustainable. And so for this, too, she has plans. “We will have foraging workshops, held in the middle of our walled garden. We’ll be chatting about how to grow your own vegetables and build raised beds.”

It’s incredible what Clodagh wants to do, inspiring, but while she’s talking, there’s one huge thing I really have to know. Namely, what is it like effectively living on the set of TV's Downton Abbey? Clodagh laughs. “Harry hasn’t watched the show, but it is an amazing series. The castle is breathtaking. We walk along our driveway and the castle is there in front of us. Harry tells me all his stories of growing up here. It feels very special.”

Special, too, for Clodagh are the Cotswolds. “My sister, Marie got married in the Cotswolds,” Clodagh says, who loves fishing and horse riding. “I’ve loved the Cotswolds forever.” Christmas as a child was often celebrated here, and when she later moved to London, Clodagh would spend each weekend in the Cotswolds, resting, visiting friends, including Blur’s Alex James over in Kingham. Clodagh loves the stylishly-cut coats of Cheltenham's Jackie Maguire, and she adores organic farm, Daylesford. “I love their summer festival,” Clodagh says. “It’s so inspiring. I take inspiration from Daylesford.”

With her new book, Clodagh’s Suppers now on the best sellers list and a beau who seems to be every bit as kind as he is dashing, it seems for Clodagh, life is truly settled. But of course, with a new year here, what advice can Clodagh give to help us refresh how we approach food? “Forage,” she says, “beginning with wild garlic. Then make bread. It’s a great basis to start your switch to making things that you use every day. My Rosemary Clodagh bread is a soda bread with a slight variation using wholemeal flour and yoghurt. It’s so easy to make and I always start my workshops with it.” Indeed, she's right. I've made it and it's super easy.

It’s almost sad when I have to bid goodbye to Clodagh, so inspiring is she, so easy to talk to. But then I turn to her book, Clodagh’s Suppers, and I look in my kitchen and I get out the flour and I begin making bread and florentines for my supper with friends and just like that, I know 2020 is going to be a good year. One florentine and foraged garlic leaf at a time.

Clodagh’s Pistachio and rosewater florentines

"These are a staple after-supper treat at most of my suppers. They take about 15 minutes to make. Make them a day ahead and keep chilled. Try to prepare extra if you have time, as people will gobble them up! Makes approximately 20."

Ingredientes

300g dark chocolate (70pc cocoa solids), chopped

100g pistachio nuts, finely chopped

Melt the chocolate in a heatproof bowl set over a saucepan of simmering water (don't let the base of the bowl touch the water).

Remove the bowl from the pan and stir half the pistachios and all the rosewater into the melted chocolate.

Place separate dessert-spoonfuls of the chocolate mixture onto a sheet of baking paper and form into even-sized rounds.

Sprinkle the remaining pistachios and the dried rose petals on top, then gently press into the melted chocolate. Chill in the fridge for an hour until set.


Think Irish Food Is Drab? This Chef Wants to Change That

What do you think of when you think of Irish cuisine? Bread, butter, beer, beef— brown stuff, right? Irish chef, author, restaurateur, and TV personality Clodagh McKenna’s new cookbook challenges our perceptions of Irish food. ChamadoClodagh’s Irish Kitchen, it’s packed with fresh oysters, bright salads, fruit tarts, and it’s positively awash with green. De acordo com Irish Times review, “it looks and feels indelibly Irish.” (According to us, whatever it is looks delicious.) So where’s the disconnect?

“[The Irish] tend to think the grass is greener on the other side,” McKenna said when she stopped by the Yahoo Foodoffices earlier this week. “We’ve spent so much time searching for and being excited by other cuisines the minute we got off the island, we were traveling, looking at the Italians and thinking their food was better, looking at the French and thinking their food was better… We thought of other countries as great food countries and not ourselves.”

McKenna said that while Ireland has always been home to great raw ingredients—“that’s never been a doubt”—she explained, “We haven’t been the best country at building a repertoire of recipes. We’ve looked after our island and our seas, but not much time was spent on creating that Irish cuisine and using all the different ingredients in different ways.” To build that food culture, she said, takes decades.

Seaweed and Vegetable Salad. Photo: Tara Fisher

The Irish have also historically exported a lot of their goods. McKenna said that 70 percent of Ireland’s scallops go to Spain. Upon returning to her homeland after living in Italy, she was reminded of “how superior the ingredients are here.”

McKenna, took those ingredients—the beef and lamb, the butter, the seaweeds, the smoked mackerel and salmon, and all the seasonal produce—and married them with old Irish recipes she dug up over the years. “What will surprise people is how many of these recipes are truly Irish and how good they are.”

McKenna’s updates to those classic recipes include mixing fresh thyme into soda bread and topping colcannon soup with parsley pesto. She puts pearl barley into her stews and a couple ounces of chocolate in her beef pies. And the majority of the recipes serve a crowd.

“Life in Ireland revolves around the kitchen table,” McKenna said. “There’s always a simmering pot on.” McKenna believes that’s been lost for Irish Americans. “People talk a lot about the food when they visit [Ireland], but they always say, ‘My grandmother used to make an Irish stew,’ or ‘My mother told me she used to have baked apples.’ Very few people say ‘I make these Irish dishes at home.’”

Dillisk Ravioli of Irish Smoked Salmon and Goat Cheese with Watercress Pesto. Photo: Tara Fisher

“There is this question mark over Irish cuisine and I wanted to make sure it was answered,” McKenna said. For that reason, she tested the recipes thoroughly in two of her restaurants, called Clodagh’s Kitchen, over a course of four years, and she eschewed recipes that required serious kitchen equipment. You don’t need an ice cream machine to make her Bailey’s Irish Soda Bread Ice Cream, for example, and the Irish Lamb Stew basically cooks itself, bubbling away on the stove for a few hours.

Speaking of Irish lamb, it will make an appearance on McKenna’s St. Patrick’s Day table this year. “We’ll start with a whiskey cocktail as an aperitif, then have Colcannon soup with fresh parsley, then beautiful spring lamb with fennel and nectarines, and, for dessert, my raspberry and Bailey’s trifle.” The meal’s balance of meat and vegetables and buttery and citrusy flavors matter a great deal to McKenna.

“The French do that incredibly well,” she said. “It’s so important to balance a menu properly.”

“The Irish do that incredibly well,” McKenna smiled.

Clodagh McKenna on Killiney Beach in Dublin. Photo: Tara Fisher

Irish food for St. Patrick’s Day:

New Zealand hosts Australia PM in 1st meeting since outbreak

COVID-19 Recovery: 1 Value Stock Set to Outperform

I finally tried the viral TikTok baked oats — here's what I thought

11 relaxing products to create your own TikTok-inspired spa night routine at home

Travel numbers climb as Americans hit the road for holiday

Overconsumption and the environment: should we all stop shopping?

Overconsumption and the environment: should we all stop shopping?. Over-consumption is at the root of the planet’s environmental crisis. One solution, proposed by author JB MacKinnon, is that we should simply buy less. But would that really work?

For my young son, sorry really is the hardest word

For my young son, sorry really is the hardest word. It’s time he learnt to show some remorse when he thumps me

Por que você não gosta deste anúncio?

De AnúnciosColoque uma bolsa no espelho do carro ao viajar

Brilliant Car Cleaning Hacks que os revendedores locais gostariam que você não soubesse

Tokyo Redux by David Peace review – the final instalment of a blistering trilogy

Tokyo Redux by David Peace review – the final instalment of a blistering trilogy. Peace is somewhere near his best in the third of his crime novels set in occupied postwar Japan, with plenty of twists and meta-fictional turns

To rethink your garden, learn Japanese

To rethink your garden, learn Japanese. Four key horticultural concepts from the people who brought us bonsai

Feeling nervous isn’t bad – it happens to us all

Feeling nervous isn’t bad – it happens to us all. If you thought people with high-profile jobs didn’t suffer with nerves like the rest of us, then think again

10 of Britain’s best places to stay that offer activity holidays

10 of Britain’s best places to stay that offer activity holidays. From yoga in Cornwall to surfing in Yorkshire, these outdoor adventure breaks have great places to stay on-site or on the doorstep

The Triumph of Nancy Reagan review – foibles and failings of a troubled first lady

The Triumph of Nancy Reagan review – foibles and failings of a troubled first lady. Karen Tumulty’s biography, on the centenary of Nancy Reagan’s ‘official’ birth, paints a romanticised picture of a neurotic prototype for Melania Trump

‘Blazing, incandescent’: Bob Dylan biographer Clinton Heylin on 1961-66

‘Blazing, incandescent’: Bob Dylan biographer Clinton Heylin on 1961-66. In a new book, one of the most prolific chroniclers of the 80-year-old Nobel laureate draws on rare documents and film

10 of the best summer scents

10 of the best summer scentsFrom a Mediterranean breeze to a garden in bloom, these new fragrances bring an air of holidays and faraway places Faraway pleasures: let scent whisk you away. Photograph: Bogdan Kurylo/Alamy Stock Photo

My need to create a sense of abundance

My need to create a sense of abundance. The plot should be almost like a Rousseau jungle that a small child might move through in wonder

Observer killer sudoku

11 summer backyard must haves you can get for under $100

You don't have to break the bank to update your outdoor space.

Walden review – Gemma Arterton’s sister act reaches for the stars

Walden review – Gemma Arterton’s sister act reaches for the starsHarold Pinter theatre, LondonArterton plays a former Nasa employee whose astronaut twin descends on her wilderness retreat in Amy Berryman’s intelligent, soulful drama Into the woods … Gemma Arterton, left, and Lydia Wilson in Walden. Photograph: Johan Persson

14 Actors Over 90 Still Making a Mark in Hollywood, From Mel Brooks to Betty White (Photos)

Mel Brooks (born 1926) The EGOT winner and comedy legend has kept working into his 90s, with roles in films like 2018’s “Hotel Transylvania 3” and 2019’s “Toy Story 4.” He’s also been working on a stage musical adaptation of his 1974 comedy Western “Blazing Saddles.” Ed Asner (born 1929) The Emmy-winning star of “The Mary Tyler Moore Show” and “Lou Grant” has kept working, with 2020 appearances in TV shows like “Modern Family,” “Blue Bloods” and “Briarpatch.” Dick Van Dyke (born 1925) The Emmy-winning star of the ’60s sitcom “The Dick Van Dyke Show” also broke out on the big screen in films like 1964’s “Mary Poppins” and 1968’s “Chitty Chitty Bang Bang.” But he’s had a resurgence in this century with roles in the “Night at the Museum” series, Showtime’s “Kidding” and 2018’s “Mary Poppins Returns.” Betty White (born 1922) The Emmy-winning star of “The Mary Tyler Moore Show” and “Golden Girls” had another sitcom hit in her 90s with “Hot in Cleveland.” She also voiced a character in 2019’s “Toy Story 4.” Bob Newhart (born 1929) The standup comic became a sitcom legend with three shows that bore his name. And he’s made appearances in shows like “The Big Bang Theory” (finally winning his first Emmy in 2013) as well as “The Librarians” and “Young Sheldon.” Angela Lansbury (born 1925) A three-time Oscar nominee for films like “Gaslight” and “The Manchurian Candidate,” Lansbury earned fame on TV as well, particularly the long-running mystery “Murder She Wrote.” A six-time Tony winner for her work on Broadway, she has continued working in projects like 2018’s “Mary Poppins Returns.” Estelle Parsons (born 1927) Parsons won an Oscar for 1967’s “Bonnie and Clyde” and she’s kept working on both stage and screen well into her 90s, appearing in shows like “The Good Wife,” “Grace and Frankie” and “The Conners.” Read original story 14 Actors Over 90 Still Making a Mark in Hollywood, From Mel Brooks to Betty White (Photos) At TheWrap

‘Teenagers can deal with tough things’: Alice Pung on the complexities of race, class and motherhood

‘Teenagers can deal with tough things’: Alice Pung on the complexities of race, class and motherhoodPung’s new book One Hundred Days is set in the mind of a 16-year-old whose mother traps her in their commission flat after she falls pregnant Alice Pung: ‘The way many immigrant children were brought up, the parents give you orders for your own good . Some readers might consider [it] emotional abuse.’ Photograph: Black Inc

How they stay together: what 68 long-term couples taught me about love

How they stay together: what 68 long-term couples taught me about love. In a farewell letter, How We Stay Together columnist Alexandra Spring shares the three ingredients to an enduring relationship


Advertisement

The dishes are among the more than 100 she offers in her sixth cookbook, Clodagh’s Suppers (Kyle Books, 2019). In praise of shared meals, McKenna makes a distinction between supper and dinner, the former being “more relaxed and informal.” The food within its pages is celebratory but casual: Simultaneously stylish and homey, and a snap to put together.

“We have this amazing history of sitting around the table and sharing, whether it be a big pot of stew or soup. It’s very convivial food that Irish food is,” she says. “My approach was really about getting people back around that table again, and making it really simple. The whole book is to take the stress out of it and make it easier.”

Born in Blackrock, County Cork, McKenna trained at the prestigious Ballymaloe Cookery School and lived in Turin, Italy where she was involved in the Slow Food movement. She now stars in Beat the Chef, a cooking show on Britain’s Channel 4, and regularly travels to Toronto and New York City for appearances on the Marilyn Denis and Rachael Ray TV shows. This year marks her 20th year in the industry. “Now’s a really exciting time to be in food,” she says. “People are cooking more and are more knowledgeable about ingredients.”


Caseiro

The book has stunning photography and illustrations, and is filled with household tips, notes on food producers, farmers' markets and Clodagh's favourite restaurants, cafés and bars.

Autor: Clodagh McKenna

With a strong focus on using local produce and eating together, Clodagh McKenna's book brings together recipes and ideas gathered from years of travelling and taking notes. There are chapters on aperitifs, lunchbox ideas, baking, mid-week suppers, homemade fast food, preserving and edible gifts.


Assista o vídeo: ZAKUPY SPOŻYWCZE NA CAŁY TYDZIEŃ DLA NASZEJ CZWÓRKI. MOJA RODZINKA W IRLANDII (Julho 2022).


Comentários:

  1. Dule

    Acontece ... tal concorrência casual

  2. Zukazahn

    Que palavras necessárias ... ótimo, uma ótima ideia

  3. Callough

    Sim, tudo é lógico

  4. Zahir

    Sinto muito, isso interferiu ... em mim uma situação semelhante. Está pronto para ajudar.

  5. Faebar

    Eu considero, que você não está certo. Estou garantido. Eu sugiro isso para discutir. Escreva para mim em PM.

  6. Derrek

    Isso está longe de ser a exceção

  7. Sutherland

    E o que fazemos sem sua frase brilhante



Escreve uma mensagem