Receitas mais recentes

Hard Rock Cafe reformula completamente seu cardápio pela primeira vez

Hard Rock Cafe reformula completamente seu cardápio pela primeira vez



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Refresque-se nesta primavera e verão com os novos voos margarita da Air Mexico.

O Hard Rock Cafe espera ter atingido a nota certa com seu novo menu, o primeiro menu completo dos mais de 40 anos de história da rede de restaurantes com tema musical. De acordo com a BusinessWeek, a rede com o tema rock n roll está seriamente tentando mudar sua imagem junto com o menu. É muito provável que quando você entrar em um Hard Rock hoje em dia, você ouvirá mais Miley do que Metallica, porque eles procuram atrair clientes mais jovens, não apenas roqueiros envelhecidos.

“Analisamos cuidadosamente cada item do menu e buscamos modificar onde necessário, incluindo ingredientes adicionados, molhos, como os acompanhamentos acompanham os pratos principais e até mesmo que tipo de alface deveria aparecer em nossos hambúrgueres lendários,” Hard Rock International O chef executivo Russell Booth disse em um comunicado.

Os novos itens do menu incluem várias novas saladas e sanduíches junto com algumas outras criações mais incomuns, como peito defumado e nachos com cobertura de porco desfiada, margarita Air Mexico em três sabores diferentes e milkshakes alcoólicos misturados com rum e vodka de baunilha. O menu será lançado esta semana nos estabelecimentos Hard Rock Cafe de todo o país.

Joanna Fantozzi é editora associada do The Daily Meal @JoannaFantozzi


Com base em sua rica herança de conquistas corajosas e inovadoras, a tribo Seminole da Flórida adquiriu a marca Hard Rock em 2007 e agora está posicionada para expandir seu horizonte ainda mais, para todos os cantos do globo.

Acreditamos que a música é uma linguagem que aproxima o mundo. Faz parte do nosso DNA.

De hambúrgueres de rock a milkshakes bêbados e tudo mais, o menu do Hard Rock Cafe é uma experiência digna de desejo acessível em todo o mundo.

Tudo começou sem o clássico Hard Rock Tee. Agora, nossas linhas de merchandising ajudam nossos hóspedes a se expressar todos os dias.

Começando com a guitarra de Eric Clapton, escolhemos homenagear os grandes - do passado ao presente - em nossas paredes.

Localizados em alguns dos locais mais icônicos do mundo, nossos monumentos são reconhecidos por todos.

É sobre eles que o Hard Rock foi construído! Ame tudo, sirva a todos, tudo é um, reserve um tempo para ser gentil e salvar o planeta.


Hard Rock Cafe reformula completamente seu cardápio pela primeira vez - receitas

Na sua próxima visita, passe pelo Player's Club e inscreva-se para começar a desfrutar dos benefícios de ser um membro Wild Card

Não, obrigado. Continue sem taxas de membros.

Recompensas Wild Card

Na sua próxima visita, passe pelo Player's Club e inscreva-se para começar a desfrutar dos benefícios de ser um membro Wild Card

Não, obrigado. Continue sem taxas de membros.

Hard Rock Hotel & amp Casino Atlantic City Entretenimento de classe mundial EXPLORE NOSSO CASINO


Onde posso obter o café da manhã no Islands of Adventure?

Se você está começando sua aventura diária no Islands of Adventure, há muitas opções para um delicioso café da manhã. Tal como acontece com o Universal Studios Florida, recomendamos que você faça sua refeição matinal antes de ir para os parques & # 8211 ou depois de & # 8217 ter atingido algumas das atrações principais & # 8211 para aproveitar ao máximo a curta espera da manhã & # 8217s -vezes.

Croissant Moon Bakery

Bolos, croissants e sanduíches na Croissant Moon Bakery

Localizado no porto de entrada ao entrar no Islands of Adventure, o Croissant Moon Bakery é um restaurante de serviço rápido onde você pode pedir no balcão e pegar o café da manhã para viagem.

O Croissant Moon tem várias opções distintas de café da manhã, como:

& # 8220 On the Run & # 8221 Café da Manhã Continental – $9.99
Inclui uma xícara de frutas, dinamarquês ou muffin e bebida de café da manhã

Croissant de presunto, ovo e queijo – $7.49
Presunto, ovo e queijo em um croissant recém-assado

Café Starbucks

Ainda outro Starbucks reside em Islands of Adventure, onde o porto de entrada encontra a lagoa. Como sempre, espere muitas opções para levar e todas as bebidas típicas da Starbucks.

Cinnabon

A segunda localização da Universal Cinnabon fica dentro do Islands of Adventure e fica bem próximo ao parque e ao Starbucks # 8217s. Obtenha sua dose de canela com Cinnabon Stix, Caramel Pecanbon Rolls ou os clássicos.

As três vassouras

O Três Vassouras é um local aconchegante para o café da manhã

Embora o menu aqui seja semelhante ao The Leaky Cauldron & # 8217s, o pátio dos fundos com vista para o Castelo de Hogwarts faz do Three Broomsticks um dos nossos lugares favoritos para um pit-stop, quer você esteja sentado no café da manhã ou apenas pedindo uma cerveja amanteigada para ir. Cada prato de café da manhã custa US $ 17,99 para adultos e US $ 12,99 para crianças.

Café da Manhã Inglês Tradicional
Ovos mexidos frescos, links de salsicha, morcela, bacon inglês, feijão cozido, tomate grelhado, cogumelos salteados e batatas para o café da manhã

Café da manhã continental
Uma colorida variedade de frutas frescas servida com croissants, acompanhados de compotas variadas

Café da Manhã de Mingau
Aveia no vapor à moda antiga com fruta fresca e croissant de manteiga

Carrinhos e quiosques

Carrinho de café da manhã em Hogsmeade Village

Islands of Adventure (e, ok, Universal Studios Florida, também) tem uma variedade de carrinhos de bebidas abastecidos com alimentos apropriados para o café da manhã, como croissants e frutas frescas.


Comentário: Abiaka no Hard Rock Hollywood é o novo restaurante mais empolgante (e confuso) de Broward

Abiaka é o restaurante difícil de encontrar no renovado Seminole Hard Rock Hotel & amp Casino com o nome difícil de lembrar e de pronunciar (é ah-bee-ah-kah, o nome tribal da reverenciada guerra do século 19 chefe Sam Jones). Abiaka também é um restaurante que achei difícil de descobrir. Eu jantei lá quatro vezes desde sua abertura em outubro, e eu - junto com vários companheiros de jantar - saí alternadamente emocionado, desapontado, intrigado e confuso.

O serviço tem sido de primeira classe em todas as minhas visitas (fui avistado todas as vezes) e gostei muito do programa de bebidas e da carta de vinhos, mas achei a comida e a atmosfera tão animadas quanto uma noite no blackjack do cassino tabelas. Você se lembra daquele episódio de “Seinfeld” com “duas caras”, a mulher que fica bonita em um minuto e não tão atraente no próximo? Isso é Abiaka.

Como eu poderia saborear tanto um pargo desossado com molho de alho preto (US $ 40) em uma semana e lamentar uma costela de boi mole com osso e geleia de goiaba (US $ 50) insípida, molhos inadequadamente molhos? Como eu poderia encontrar camarões crus delicadamente fatiados em aguachile “água de fogo” (US $ 29) tão perfeitamente compostos em uma visita, mas desequilibrados e excessivamente ácidos em outra? Como a sala de jantar projetada por David Rockwell parecia tão enérgica e revigorante em uma refeição e tão barulhenta e irritante na outra?

“Feche os olhos”, disse um companheiro de jantar em meio ao barulho da movimentada cozinha aberta e à tagarelice de uma casa lotada, com o barulho saltando e se ampliando nas janelas, postes de metal e pisos de madeira dura. “Não parece que você está em uma delicatessen de Nova York?”

No entanto, continuei voltando para mais. Isso porque o Abiaka de 160 lugares é empolgante, ousado e digno de pelo menos uma visita de comedores sérios. E também por aqueles que buscam uma mudança de ritmo, um cenário animado e uma culinária inovadora raramente encontrada em Broward County. As janelas do chão ao teto e o design curvo do navio de cruzeiro permitem que os clientes tenham uma vista deslumbrante do grande Guitar Hotel, do lado de fora, e na minha primeira visita os clientes largaram os garfos e se alinharam de um lado para pegar a luz noturna e ... show de música (6h30 e 8h30) na torre da guitarra. Talvez eles não sejam as luzes da Broadway ou da Torre Eiffel, mas são nossas luzes, e podemos muito bem abraçá-los.

Embora eu tenha sido visto em cada visita, ainda encontrei comida irregular. O serviço foi uniformemente atencioso, mas em uma visita o ritmo estava longe quando a cozinha foi fechada. Todos os restaurantes novos e antigos do Hard Rock têm lidado com uma demanda que não vai diminuir até depois do Super Bowl e da alta temporada.

Portanto, considere-me um fã misericordioso neste momento, particularmente do chef executivo Abelardo “Tito” Vargas, que veio para dirigir este navio novinho em folha depois de quase uma década trabalhando para o grande Jose Andres no Bazaar no SLS South Beach e em Washington, D.C.

Encontrar o restaurante pode ser um desafio para quem não conhece o novo Hard Rock. Abiaka está alojado no segundo andar de um prédio separado conhecido como Pool Vista Pavilion, a algumas centenas de metros do Big Guitar e encaixado entre piscinas e lagoas. Visto de fora, o edifício curvo de vidro e madeira sobre palafitas se parece com uma nave espacial que pousou no meio de uma festa na piscina em Las Vegas. Aqueles com problemas de mobilidade precisarão encontrar o elevador externo localizado em uma passarela perto do Guitar Hotel para evitar um lance de escadas.

“Somos um destino dentro de um destino”, disse Vargas durante uma entrevista de acompanhamento.

Pelo lado positivo, Abiaka está longe da multidão e da agitação do saguão do hotel e do andar do cassino. Quando a vibração e a energia estão certas, pode parecer um oásis. A forte iluminação da cozinha aberta pode ser dura para quem está sentado ao redor da cozinha e do bar, e o nível de ruído na sala de jantar pode ser uma distração. Boas opções de mitigação estão sendo exploradas, me disseram.

A grande equipe de Vargas ainda precisa de tempero (contei 13 trabalhando nas estações e grelhados na impressionante cozinha aberta uma noite), mas com alguns ajustes e alguma consistência, este poderia muito bem ser meu restaurante favorito em Broward. O cardápio simplificado destaca frutos do mar de qualidade, carnes e vegetais, a maioria beijados com chama e brasas de uma churrasqueira a fogo vivo ou um forno Josper de alta temperatura que usa carvalho branco e madeira de cerejeira. Mesmo pratos frios, como salada de abacate grelhado (US $ 14), são atingidos pela fumaça. Os abacates cortados ao meio são cobertos com pedacinhos de queijo de cabra com especiarias, pinhões e microgreens e servidos com pan de cristal, pão torrado fino. O prato é simples, mas luxuoso.

Gosto que o menu de 30 itens seja enxuto e focado, impresso em uma única página e confiante em suas opções limitadas. Existem seções rotuladas como "barra crua", "mordidas", "verdes", "oceano", "terra", "banquete" e "acompanhamentos", cada um contendo de quatro a seis itens. Além de pão e alguns acompanhamentos, incluindo torrado estelar batata-doce com molho de aioli e molho de tomate picante (US $ 10, uma bela versão sul-americana dos “papas bravas” espanhóis), carboidratos pesados ​​quase não existem.

O restaurante é mais bem experimentado com outras pessoas dispostas a dividir pratos pequenos ou, em alguns casos, grandes, como uma lagosta do Maine grelhada (US $ 72 por um peso de 3 libras inteiro, US $ 40 pela metade), em que a carne é removida e colocada de volta as garras e o rabo partido, servidos com chimichurri e manteiga de limão e mostarda que pode ser regada por cima ou servida a lado. Fomos com molhos à parte, uma maneira melhor de apreciar as virtudes da carne defumada, doce de lagosta nua, quase cremosa com o calor.

Embora os preços de muitos pratos custem menos de US $ 30, as refeições aqui podem somar, especialmente quando se mergulha no menu de coquetéis com bebidas de US $ 17 com toques como banana defumada. Os coquetéis trazem nomes inspirados em 305, como o Grove, o Dade e o Gables. Suponho que o Davie, o Miramar e o Tamarac não têm exatamente o mesmo charme.

Frutos do mar e vegetais são o caminho a percorrer. Seria difícil encontrar uma refeição melhor do que a que comi em dezembro, uma que começou com hamachi ceviche (US $ 20) com cubos de peixe cru cortados uniformemente e marinados em um banho brilhante e balanceado de leche de tigre (suco de limão ), coberto com cebolas em conserva. Vieiras grelhadas (US $ 29) com verduras amargas e bacon em cima de purê de couve-flor foram cozidas adequadamente e tinham gosto de mar. E o pargo grelhado (US $ 40) trazia um pequeno peixe inteiro desossado e depois remontado com cabeça e rabo. Filés com pele foram salgados em dashi, depois remontados e grelhados sobre carvalho branco da Flórida e acabados no forno Josper de 850 graus,

O resultado? Uma maravilha beijada pela fumaça de pele crocante, carne úmida, alimentação descomplicada e bochechas doces e carbonizadas em que os amantes de peixes ainda podem cravar os dedos. Foi servido com molho de alho preto fermentado e pico de gallo de abacaxi grelhado, jicama e maçã. Um lado de ratatouille (US $ 12) era um retrocesso clássico e divertido, com abobrinha e fatias de tomate assadas em uma caçarola e cobertas com queijo Manchego e um ovo frito.

Alguns pratos eram clunkers. Um lado bok choy com vinagrete tailandês e cheio de cebolas empanadas e fritas teve um gosto completamente estranho (químico e repugnante) em uma visita. A costela de boi saiu adequada e espetacular para uma sessão de fotos, mas foi mal executada e decepcionante durante uma visita não anunciada. Melhor era um filé mignon grelhado fatiado (US $ 42) servido com batatas batidas aji-panca-pimenta picante (muito picante para alguns). Gostei da ousadia.

As refeições começam com cestas reconfortantes de biscoitos de cebolinha branca de cortesia. Eles são como os biscoitos que você encontra no Red Lobster, só que melhores. Alex Becker, o ex-chef executivo do Kuro que agora supervisiona todos os restaurantes do resort, veio com essa receita, junto com uma sobremesa caseira de pão de milho com compota de frutas vermelhas e sorvete de baunilha caseiro.

Os comensais podem não saber qual Abiaka encontrarão, mas eu digo que essa “duas faces” mostra sinais de que está se transformando em algo bonito.

1 Seminole Way (no Seminole Hard Rock Hotel & amp Casino), Hollywood


Hard Rock Cafe: 10 decisões de gerenciamento de operações

As 10 áreas de decisão do gerenciamento de operações são considerações críticas para os gerentes melhorarem as operações de negócios. O objetivo é desenvolver operações que atendam aos objetivos de negócios, ao mesmo tempo em que minimiza os problemas que causam a ineficiência das operações. No Hard Rock Cafe, essas 10 decisões são aplicadas para garantir que a marca, a reputação da empresa e as metas financeiras sejam atendidas. O sucesso da empresa depende da gestão de operações, entre outros fatores no ambiente de negócios e da indústria.

1. Serviço e design de produto. O Hard Rock Cafe aplica as decisões de design de serviço e produto para manter o ambiente e a imagem da marca Hard Rock. Por exemplo, tal ambiente e imagem representam a cultura do hard rock, com ênfase no que o gênero musical significa para os clientes-alvo da empresa. Os gerentes avaliam os diferentes atributos dos mercados-alvo e aplicam modificações nos produtos e serviços para atender às demandas específicas do mercado local. Ainda assim, esses produtos e serviços seguem consistentemente as especificações gerais da imagem da marca Hard Rock Cafe.

2. Gestão da Qualidade. O Hard Rock Cafe aplica o gerenciamento de qualidade, mantendo uma função de avaliação de qualidade específica para o gerente de operações. O gerente usa os padrões de qualidade da empresa para identificar problemas e fraquezas nas operações. As alterações recomendadas são então aplicadas para garantir a conformidade em todo o Hard Rock Cafe. Por exemplo, a empresa ajusta as regras de qualidade em resposta às mudanças nas condições do mercado, levando em consideração as tendências sociais que afetam o negócio.

3. Projeto de Processo e Capacidade. O processo e o design de capacidade do Hard Rock Cafe referem-se aos processos de negócios internos e à capacidade alvo das instalações. Os processos internos de negócios incluem preparação de alimentos, roteamento de pedidos, reservas e outros. A capacidade alvo das instalações do Hard Rock Cafe é baseada nas condições dos mercados locais. A empresa aplica as decisões de design de processo e capacidade para maximizar a utilização da capacidade. O planejamento de capacidade é ajustado para atender às mudanças na demanda com base em eventos sazonais no mercado local, como festivais e feriados.

4. Localização. O Hard Rock Cafe decide sobre a localização de seus negócios com base na análise de mercado e na análise do setor. A pesquisa de mercado é aplicada para determinar se o mercado pode apoiar um Hard Rock Cafe em termos de metas de receita e lucratividade. As estatísticas do setor são usadas para determinar se a expansão da empresa por meio de outros locais é viável. Os executivos da empresa e o pessoal de gestão de operações regional ou local correspondente avaliam o potencial de mercado junto com o potencial do local de destino.

5. Design de layout. A empresa decide sobre o design do layout avaliando o fluxo esperado de clientes e a natureza das operações comerciais nas instalações. Por exemplo, os restaurantes temáticos do Hard Rock Cafe têm designs de layout que diferem dos designs de layout dos cassinos e hotéis da empresa. Além disso, os restaurantes da empresa têm diferentes designs de layout específicos para os requisitos exclusivos de cada local. Os gerentes de operações do Hard Rock Cafe aplicam um design de layout para um fluxo de trabalho eficiente no espaço limitado disponível nessas instalações.

6. Design de Trabalho. As decisões de design de trabalho do Hard Rock Cafe são alcançadas e aplicadas por meio de uma análise das necessidades e expectativas da empresa e de seus funcionários. A adequação do design do trabalho é avaliada com base no feedback dos funcionários e nos padrões da empresa. Por exemplo, os empregos são elaborados com base nos padrões da empresa e nas características socioculturais do mercado de trabalho local. A gestão de operações do Hard Rock Cafe está focada em otimizar a adequação pessoa-trabalho dos funcionários, enquanto torna mais fácil para os funcionários fazerem seus trabalhos para maximizar a eficiência.

7. Gestão da Cadeia de Abastecimento. As decisões de gerenciamento da cadeia de suprimentos do Hard Rock Cafe são baseadas na demanda do mercado, variedade de fornecedores e custos de gerenciamento de estoque, entre outros fatores. Por exemplo, a empresa determina os níveis de suprimento pretendidos com base nas condições atuais de estoque e nas flutuações projetadas na demanda do mercado. As decisões de gerenciamento da cadeia de suprimentos são aplicadas por meio dos gerentes de operações e gerentes de localização do Hard Rock Cafe.

8. Gerenciamento de estoque. A empresa aplica as decisões de gestão de estoque por meio de software de gestão de estoque, além de abordagens tradicionais. O gerenciamento de operações do Hard Rock Cafe usa flutuações de demanda e registros históricos para prever as mudanças necessárias no estoque. O estoque é então ajustado de acordo. O objetivo estratégico é garantir que os níveis de estoque sejam adequados para maximizar as receitas e os lucros do negócio.

9. Agendamento. Hard Rock Cafe toma decisões na programação avaliando a eficácia operacional atual. Por exemplo, o pessoal envolvido no gerenciamento de operações avalia o negócio para determinar os gargalos operacionais vinculados à programação. As programações devem atender aos requisitos de capacidade. Os gerentes de operações do Hard Rock Cafe divulgam cronogramas planejados para a equipe e usam seu feedback para fazer ajustes. Os cronogramas ajustados são então aplicados para garantir a flexibilidade e resiliência do negócio.

10. Manutenção. As decisões de manutenção no Hard Rock Cafe são aplicadas com base em uma avaliação comparativa dos ativos e os padrões da empresa. Por exemplo, a empresa tem padrões sobre quanto o desgaste do equipamento é permitido antes que o equipamento precise de reparo ou substituição. O Hard Rock Cafe também possui normas e políticas sobre como a manutenção deve ser realizada, com referência às qualificações do pessoal de manutenção ou prestadores de serviços.


Hard Rock Cafe reformula completamente seu cardápio pela primeira vez - receitas

[1984: Jogos Olímpicos de Verão, Los Angeles]
"A ECI criou a primeira rede de cibercafés do mundo em 1984. Este foi um conceito dos artistas de telecolaboração Kit Galloway e Sherrie Rabinowitz, que foram encomendados como parte do LA Olympics Arts Festival pelo Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles. O Electronic Cafe foi mantido por sete semanas. "
FONTE: Electronic Cafe International

[1988: ECI, o primeiro cibercafé público, com foco na expressão artística]
The Electronic Cafe International, fundado por Kip Galloway e Sherrie Rabinowitz, Santa Monica, Califórnia.

[1993: ECI amplia os limites virtuais e físicos]
"Bem-vindo ao Electronic Cafe International, onde as ordens do dia são café forte e ciberespaço. Uma multidão de tecnófilos está aqui para absorver uma demonstração do BodySynth, um dispositivo que converte a tensão muscular em música transmitindo sinais elétricos através de um computador e- -de, basta dizer que você obtém os sons de diferentes instrumentos flexionando diferentes grupos de músculos. Só para tornar as coisas mais interessantes, um videofone transmite a apresentação para Amsterdã. Kit Galloway e Sherrie Rabinowitz, marido e mulher, inventaram o Electronic Cafe International . O que exatamente é o Café Eletrônico? Para começar, é um lugar real, escondido atrás de uma rua sem saída em um distrito industrial. É de fato um café - pelo menos na medida em que bolo e café expresso são servidos - mas é também congestionado com telas de vídeo, equipamentos de câmera e monitores de computador. O ECI é, nas palavras de seus fundadores, "um café para a aldeia global". Isso significa que você pode estender a mão e tocar em uma escala global, auxiliado por um extenso menu de equipamentos de telecomunicações de última geração. Como Galloway gosta de dizer, 'café é um dólar, videofones US $ 10 a hora, satélite full-motion, $ 48.000 a hora. ' Mas o verdadeiro foco do café é voltado para eventos mais comunitários, envolvendo 'telelinks' ou 'videolinks' em grupo para outros lugares ao redor do mundo. A maioria dos eventos é voltada para a performance. A Europa é um território tecnológico vital para o conjunto global de cafés. são afiliados da ECI no museu Documenta 9 em Kassel, Alemanha, e no Museu La Cite de Ciência e Indústria em Paris - ambos com tecnologia que elimina o hardware do café-mãe daqui. Por outro lado, negócios humildes como o Pepito's, o café avançado em Manágua, Nicarágua, opera com pouco mais do que um videofone e um Mr. Coffee. O Galloway e o Rabinowitz são inflexíveis para que a rede seja inclusiva e não evite pontos de venda que não podem pagar todo o equipamento fantástico. E assim , várias vezes por mês, Galloway se pega empacotando um videofone e enviando-o pela UPS para algum canto remoto do globo. Uma ligação recorrente envolve o que devem ser alguns dos indivíduos mais ávidos por comunicação, ou seja, os habitantes de Bi osphere II, que estão garantindo uma existência hermeticamente fechada em algum lugar nas proximidades de Oracle, Arizona. O ECI surgiu de um projeto encomendado pelo Comitê Olímpico de Artes em 1984. 'Tínhamos instalações de telecomunicações multimídia de última geração em cinco restaurantes reais de ma-and-pa em diferentes áreas étnicas de LA era uma espécie de turismo virtual. Visitantes internacionais podiam circular eletronicamente pela cidade e descobrir onde queriam comer ". Aquela instalação durou seis semanas." Queríamos que o próximo projeto fosse permanente ". E assim, o Electronic Cafe International abriu oficialmente suas portas na véspera de Ano Novo de 1989 , com sua primeira Temoração de Réveillon. Começando por volta das 5 da manhã, Galloway, Rabinowitz e outros foliões telelinkaram com todos os fusos horários do planeta, assim como o Ano Novo surgiu em cada fuso horário, da Austrália ao Havaí. "
--- "For That Epresso-Techno Taste Sensation: Drink In the Global Sights and Sounds at The Electronic Cafe," Martin Booe, Washington Post, 4 de janeiro de 1993 (p. C1)

[1994: High Tech Cafe, Dallas]
"Bem-vindo ao café do Dallas Infomart, um centro de convenções e vendas conhecido como uma vitrine de alta tecnologia para o que há de mais recente em produtos de informática e rede. Agora, no recém-inaugurado High Tech Cafe, os negócios podem literalmente parar durante o almoço, como clientes em mesas selecionadas podem baixar sua comida e seu correio da Internet ao mesmo tempo - pegando bytes entre mordidas, por assim dizer. 'Olá, sou o Tim, e serei seu cliente-servidor esta tarde', anunciou o garçom recentemente, a um grupo de quatro pessoas em uma das mesas prontas para modem do restaurante. "Posso pegar uma bebida para você? Um aperitivo? Um cabo RJ-11?" Os almoçadores energéticos das quatro temporadas em Nova York há muito tempo têm telefones em suas mesas e, na Califórnia, o barulho de telefones celulares e bipes se mistura com o tilintar de cubos de gelo e talheres. Mas no Infomart, um impressionante edifício de vidro na orla do centro da cidade tem um padrão depois do Crystal Placace, no século 19, em Londres, o objetivo é beber vinho, jantar e estar on-line. o disco rígido equivalente ao hard Rock Café. O restaurante existe há quase 10 anos como High Tech Mex [est. 1984?] . Após duas semanas de renovação por voluntários da equipe do Infomart, o restaurante reabriu em 19 de agosto como High Tech Cafe. Linhas telefônicas e fontes de energia para laptops estavam instaladas sob o banco central de mesas. Computadores quebrados de depósitos empoeirados foram canibalizados. peças sobressalentes para decorar o restaurante. Armados com chaves de fenda, os voluntários começaram a trabalhar na criação da nova decoração do restaurante. As luzes do teto estão envoltas nas conchas de monitores de computador antigos. 'samambaias' frondosas no canto são feitas de placas de circuito e cabos verdes. As telas entre a área de jantar e o bar - a barra de espaço, para ser mais exato - são feitas de placas-mãe de computadores e calculadoras desativados. Em vez de flores em cada mesa, há vasos cheios de teclas de computador arrancadas de teclados desatualizados. Um jantar pode começar com WYSIWYG - geekspeak para 'o que você vê é o que você ganha' - sopa, anéis de cebola ou uma salada miltimedia. Talvez um sanduíche de clube de computador ou frango em CD-ROM? As sobremesas exclusivas do Sr. Mudrone incluem LAN Mine, Overload e Crash. No happy hour, os clientes da barra de espaço podem pedir bebidas como Erro fatal, um problema de memória e proteção contra vírus. Em vez de empurrar um carrinho de sobremesas, disse Mudrone, ele gostaria de empurrar um laptop multimídia que mostrasse as sobremesas em uma tela colorida de alta resolução. Ele está experimentando gravadores de voz que reproduzem suas descrições faladas de cada especial do dia para os clientes e permitem que eles retransmitam suas seleções de menu por voz ou por meio de computadores com tela de toque. 'Pensamos em usar Newtons para os garçons'. referindo-se aos computadores portáteis que podem transmitir arquivos por link infravermelho para um computador na cozinha. Mas, talvez por causa dos problemas muito divulgados do Neton com o reconhecimento de cablagem manual, a ideia morreu. 'O problema é que o garçom pode escrever' hambúrguer 'e o pedido pode vir como' galochas '. Enquanto a clientela do restaurante chega quase exclusivamente às comunidades de negócios e informática, os gerentes do restaurante esperam que o novo decordand emnu atraia uma base mais ampla de clientes. O que está à frente do café? Os planos incluem uma sala de destruição, onde indivíduos ou grupos podem jogar Doom, um jogo de computador em rede que é fenomenalmente popular entre os conhecedores da Internet. Funcionários do Infomart e gerentes de serviços de alimentação também estão discutindo mesas 'patrocinadas', onde os clientes poderiam explorar vários serviços online como Compuserve, Prodigy e American Online. Por enquanto, no entanto, é estritamente B.Y.O.P .-- traga nosso próprio portátil. E a equipe espera transformar o espaço vazio da parede do restaurante em uma vitrine para memorobilia de computador. O primeiro tesouro em um display: um frasco de partículas de toner, vintage 1959, da copiadora original da Xerox. "
--- Este é para os técnicos que almoçam: beliscando saladas e enviando um e-mail em um café pronto para modem em Dallas, "Peter H. Lewis, New York Times, 27 de agosto de 1994 (p. 35)

[1995: modelos de negócios e marketing]
"@cafe. abriu na semana passada no 12 St. Marks Place. Oito das mesas de jantar são equipadas com computadores desktop totalmente embalados, e há planos de aumentar o número para 40. O @cafe ainda vende assinaturas para acesso total à Internet no restaurante ou casa por US $ 25. Alguns clientes reclamam que jantar com um computador é muito bizarro, um sinal de que a humanidade está realmente se tornando A fazer. O ambiente é decididamente mais calmo no Internet Café, na 82 East Third Street, que também acabou de abrir. Este pequeno café-biblioteca tem um terminal principal, através do qual os proprietários de notebooks podem ligar à Internet a partir das suas mesas. Também vende subscrições ao seu próprio serviço de Internet, bigmagic.com, e planeja alugar laptops e oferecer impressão, digitalização e design de página da Web. Mas não espere jantar - apenas café e muffins. "
--- "At Two Cyber ​​Cafes, They Eat and Drink, Hunt and Peck", Jennifer Wolff, New York Times, 30 de abril de 1995 (p. 46)

"Na Cybersmith [Cambridge MA], os computadores pessoais enfileiram-se nos balcões e os clientes podem saborear cappuccinos enquanto navegam na Internet. Aqueles que preferem sentar-se em cabines têm uma seleção de especialidades para escolher, como 'Acesso à Internet' e 'CD-ROM e Multimídia.' E os clientes - de 7 a 70 anos de idade - podem sentar e experimentar, com uma equipe de 'technosmiths' para ajudá-los com quaisquer problemas. Cybersmith é um entre um número crescente de restaurantes de baixo custo que atendem a conjuntos cibernéticos e aqueles que ficam perplexos, mas curiosos sobre tudo o que é cibernético. Mas, embora a maioria dos ciber cafés tenha jogos de computador ou alguns terminais com acesso à Internet, o Cybersmith oferece o que há de mais moderno em tecnologia interativa, incluindo serviços on-line, jogos de computador, máquinas de realidade virtual como bem como computadores equipados com câmeras de vídeo que criam imagens para camisetas. 'A elite da tecnologia está desenvolvendo essas mídias diferentes, mas o público real não tem lugar para se atualizar. Queríamos oferecer uma maneira não intimidadora de apresentar o novato ao tecnologia de ponta. O atendimento adiciona um senso de comunidade, algo familiar que as pessoas podem abordar. ' Dentro do espaço de comida de 5.600 quadrados do Cybersmith estão 53 computadores, a maioria deles Apple Macintoshes. Um simulador de vôo é a mais recente adição. O Cybersmith também instalou um novo link de comunicação que irá acelerar o acesso à Internet e aos serviços online para seus clientes . a isca intergeracional do café, que se estendia além dos jóqueis Nintendo de 15 anos que poderiam esperar se aglomerar em um lugar como este. têm nos contado. '. Cybersmith. inaugurado em fevereiro. Alguns milhares frequentam o café a cada semana, com os horários de pico durante a noite e nos fins de semana. "
--- "Garçom, Oh, Garçom! Com licença, mas há um rato no meu café!" Glenn Rifkin, New York Times, 3 de julho de 1995 (p. 39)

"Bem-vindo ao cibercafé, a mais nova adição ao léxico on-line. Os três primeiros cibercafés de Nova York, inaugurados nesta primavera, cobram dos clientes de US $ 10 a US $ 14 por hora para usar um computador conectado à Internet. Enquanto comem bolo ou bebem um cappuccino, os clientes podem enviar e-mail, verificar uma linha de bate-papo ou, em um café, conectar seu próprio laptop. Mais do que ganhar dinheiro, os donos do café dizem que seu objetivo é educar um público ainda intimidado por computadores. 'Você não' t tem que ser um neurocirurgião para usar a Internet ', diz Dave Williams, coproprietário do cibercafé Heroic Sandwich. Os cafés on-line estão entre cerca de 50 que abriram em todo o mundo nos últimos anos, com pelo menos 25 outros in the works. About 20 are in the United States. Manhattan's largest cybercafe, named for the 'AT' symbol on a keyboard, offers a full menu with everything from sandwiches to sushi and meat loaf. But it feels like a coffee house, with 15 terminals scattered amid red brick walls in a former book shop. The care also offers video conferencing and concerts or poetry readings that are broadcast onto the Internet through tiny cameras and microphones atop five computers. Education is the goal at the Internet cafe, which offers Internet training classes, $20 for two hours, plus one hour of computer time. The Heroic Sandwich is the smallest local cybercafe, with one pentium pc. owner Dave Williams, says, 'The non-threatening approach is deliberate, and designed to attract women.'"
---"Surf the Internet at the Cybercafe," Tempos de Índia (dateline New York), July 10, 1995 (p. 17)
[NOTE: the third cafe mentioned in this article is the Internet Cafe.]

[1996: global connection becomes big business]
"A cybercafe looks like a collision between delivery trucks from Radio Shack and Au Bon Pain. It rents online time to customers while serving them food and beverages. Cafe-goers explore cyberspace while leisurely sipping on tea or latte, perhaps waiting for a friend to pop in. Not everyone sees the logic. 'It strikes me as anthithetical to the notion of a coffeehouse,' said Clifford Stoll, author of Silicon Snake Oil: Second Thoughts on the Information Highway. 'Guys will sit there working online, ignoring their companions, not even speaking to them.". Even from a business point of view, one local tavern and restaurant owner shies away from them. But others think the critics are missing the point. 'The celebrity of the Internet would break down some of the barriers of people talking to each other.'. Locally so far, it's tough to tell. Blue Mountain Coffee & Tea in Northwest Washington was the first place to offer a computer for its customers. But it was only one machine, and that was not hooked up to most Internet services, and the whole thing fell into disuse for a while when a customer spilled coffee on the machine, frying it. A cybercafe opened in the Shenandoah Valle in Staunton, Va., last month, but for most Washingtonians, that's a long drive for and e-mail and a croissant. The OnLine Cafe [Rockville Pike MD] being created by Brian A. Colella. will be the metropolitan area's first eatery using a group of computers as its central attract íon. Early this month. began charging $10 an hour for online time. It will be a while before anyone can judge whether the Washington entry will be as intriguing as the wired dens that have opened over the past two years in San Francisco, London and New York. Mark Dziecielewski, a Briton who is the leading chronicler of the cybercafe movement. By his tabulation, there are 240 such places worldwide, 90 of which are in the United States."
---"The Cybercafe: Anyone Care for a Byte to Eat?" Robert Thomason, Washington Post, January 17, 1996 (p. C1)

"First they put computers where we work, then they pushed computers where we live. now, the computer companies are going after us where we eat and drink. Both the Intel Corporation and Apple Computer Inc. are planning to serve their computer technologies to a broader consumer market through technology-themed restaurants and coffee shops. Noth companies are betting that technolgy will be as enticing a lure in the eating and drinking business as rock-and-roll (Hard Rock cafe), celebrities (Planet Hollywood), and sports (All-Star Cafes). Intel is forming an alliance with the Starbucks Corporation of Seattle to devvelop what could become a chain of 'cybercafes'--in effect, Starbucks coffee shops with Intel inside. Last week, Apple announced that it had licensed its name and products for an international chain of 'cyber-based theme restaurants.' Patron will be able to play with multimedia software, select menu items from touch-screen color displays, buy Apple merchandise and conduct video-conferences ofver the Internet with people at other Apple Cafe restaurants. Apple's business partner, Mega Bytes, International N.V., based in London, intends to open the first 15,000-square-food Apple Cafe late next hear in Los Angeles, wtih plans to expand to London, Paris, ne York, Tokyo, Sydney and cities. The idea of mixing coffee and Internet access is not new. Scores of independent coffee and pastry shops, generically known as cybercafes, have sprung up around the world as the Interent has grown in popularity."
---"The Companies Want to Know: Like a Little Cyber in Your Cafe?" Pepter H. Lewis, New York Times, November 18, 1996 (p. D6)

[1997: kosher cybercafe]
"First, there was the cybercafe. Now, the kosher cybercafe. The ITD Corporation, an Internet service provider based in Hackensak, N.J., plans to overhaul its IDT Cafe and Pizza at 19 West 45th Street in Manhattan and turn it into the IDT Megabite Cafe, offerieng Internet access to supplement its already-kosher menu. The cafe is scheduled to open in about two weeks and is believed by those who keep track of such things to be the first kosher cybercafe in New York or anywhere. there are more than 300 [cybercafes] around the work, including half a dozen or so in New York City. At the IDT Megabite Cafe, there will be one computer at each dining table (for a total of about a dozen) and two additional computers to check electronic mail messages. But unlike most cybercafes, which typically charge $12 an hour, the IDT Megabite Cafe will offer free computer access. The makeover, which will cost about $135,000, will also include a new interior decor and new menu items like a kosher sushi bar. Mr. [Howard] Jonas said he expects a more diverse crowd to complement the cafe's traditional lunchtime clientele of Orthodox Jews who work in the diamond district. To that end, the cafe will open its doors and extra two hours on most nights. The exception, of course, is on Friday night, when the cafe closes one hour before sundown in observance of the Jewish Sabbath."
---"Megabite, Anyone? This Cybercafe is Kosher," David W. Chen, New York Times, February 13, 1997 (p. B8)

Cybercafe Census
"From the PoolSide Bar and Internet Cafe in Phuket, Thailand to the ZimSurf Internet Cafe in Harare, Zimbabwe, there are nearly 1,500 Internet cafes open for businss in 86 countries today. Here are the 10 countries with the most cybercafes: USA (297), United Kingdom (121), Germany (114), Spain (102), Japan (88), Italy (69), France (63), Switzerland (54), Belgium (52), Canada (47)."
---"Pipeline," PC Magazine, May 5, 1998 (p. 10)

First cybercafe in a major league baseball stadium
"Volume Svcs. America and the Tampa Bay Devil Rays will open a cyber cafe on Center Field Street at Tropicana Field in St. Petersburg, FL. It will offer food, drinks and 12 state-of-the-art computer stations for business, personal communications, web surfing and baseball watching. "The cyber cafe is the first of its kind in Major League Baseball," says Kevin Austin, g.m. for Volume Services. "The menu is still in the planning stages, but we'll offer high-quality desserts, expresso, cappuccino and gourmet coffees." The cafe will operate during home games and other Tropicana Field events, he adds. Admission and computer use will be free, on a first-come basis. Named 2001 Technologies Cyber Cafe, the operation is scheduled to open at the beginning of baseball season next April. The club is teaming up with 2001 Technologies, Inc., which will provide the computers and technical staff to help fans. Each mouse and keyboard will be wireless, so customers can use the computers while they have dinner or dessert and coffee."
---"Cybercafe to open in Tropicana Field," Foodservice Director, December 15, 1999 (p. 6)

First recipe on the Internet?
The "Web" as we know it today, was introduced by Tim Berners-Lee in 1990. The Internet existed in various forms from the 1950s forward. This system was a byproduct of the Cold War. Original users were government officials, think tanks, research scientists, military intelligence personnel and computer analysts/engineers. The first recipe shared on the Internet is not recorded. It was probably a family favorite of a high level official with top-level security clearance and some downtime. Electronic bulletin boards and usenet newsgroups were the forerunners of today's social media. Moderated or open, these groups arranged themselves by topic. rec.food.recipes (1985?) was one of the earliest dedicated online recipe exchanges. Our research indicates the first Web sites devoted to food surface in the mid 1990s. Global Gourmet, launched September 1, 1994, claims to be the first. We find no evidence refuting that. Allrecipes.com launched in 1995. Below please find significant markets in the online culinary world.

[1988]
Moderated newsgroups & electronic bulletin boards encourage recipe exchanges
"Brian K. Reid, a big name in computer science, is best-known to some network users as the moderator of the gourmand news group, and on-line electronic cookbook. Reid enforces nine rules of recipe-writing, including: 'no rambling,' 'no preaching,' (on cholesterol or vegetarianism,) 'no fake ingredients' (garlic powder strictly forbidden)--and 'no mystical quantities,' (an occupational hazard around computer types. 'In a recipe making 12 liters of soup,' Reid wrote, 'don't expect me to believe that it needs to have exactly 6.375 tablespoons of flour.' Chefs who wish to be freer with their frijoles may turn to a rival cooking forum, where Arthur Wouk of Duke University recently denounced another contributor for proposing sugar as an ingredient in water bagels."
---"The Computer Heard 'Round the Nation: Network Links 500,000 Users," Barton Gellman, Washington Post, November 20, 1988 (p. A1)

[1994]
First company taking orders for food via Internet
". Pizza Hut. received attention in 1994 for enabling customers in Santa Cruz, Calif., to order a pizza over the Internet." ---Trying to Find Gold With the Internet," New York Times, January 3, 1995 (p. C15)

CD-ROM cookbooks
"Welcome to the world of CD-ROM cooking disks. When plugged into personal computers, these compact disks can present reams of informaiton complete with videos and music. They are the latest effort to take recipes out of cookbooks and put them into the modern language of multimedia communications. Cooking videos, the previous effort, were a flop. Not many kitchens are equipped with VCR's and there has been no rush to put computers in the kitchen, either. For now, the printed page has nothing to worry about. But what does the future hold? CD-ROM's. take the idea of the cooking video a step further. The screen of a computer with CD-ROM capabilities and speakers can not ony display written recipes but also provide oral directions while visually showing how to truss a chicken it can provide a menu for serving the chicken and a print out of a shopping list for the meal, all of this with background music. One disk can hold the contents of hundreds of cookbooks without photos or videos, or the recipes of a large cookbook complete with photographs and video. A foray into the world of electronic cooking has produced only seven CD-ROM's that work with I.B.M.-compatible computers. A couple of others are for the Apple Macintosh only. Robin Leach. has turned 'Lifestyles of the Rich and Famous' into a CD-ROM cookbook. The others span the spectrum of cooking styles, from a disk with more than a million recipes, where Velveeta and canned mushroom soup run rampant, to 'The New Basics Electronic Cookbook,' a CD-ROM version of the cookbook from the 'Silver Palate' due, Sheila Lukens and Julee Rosso. These are a taste of what may lie ahead. Among the information exchanges on the Internet are electronic bulletin boards for people interested in foods in which users post questions. and ask for recipes. The cooking disk that cones within hailing distance of its potential os the Better Homes and Gardens Healthy Cooking CD Cookbook. It searches, it scales recips up and down, it provides nutrition information, it prints out a shipping list. "
---"Kitchen Computer: Promising Steak, Serving Burgers: Please pass me. " Marian Burros, New York Times, February 2, 1994 (p. C1)
[NOTE: Other CD-ROM cookbooks listed in this article: Cookbook U.S.A., Digital Gourmet, John Schumacker's New Prague Hotel Cookbook, & The Healing Foods Cookbook.]

Nutrition facts & recipe builders
"Nutrition in cyberspace? Sure. Every other imaginable subject is being discussed via computer. Besides, the electronic frontier that is predictyed to revolutionize the way we live, work and communicate is also likely to shape our decisions about what we eat. People are already swapping heart-healthy recipes, engaging in lively debates about vegetarianism or offering moral support for fellow dieters on computer online services. Aside from these interactive forum, services such as America Online and CompuServe also offer articles about nutrition. A few clicks on the computer and you can read about anything from how to feed infants properly to how to cook eggs safely. Computer junkies and nutrition professionals are sharing all kinds of information on the computer network known as the Internet. subscribers of America Online particpate in a forum called the Cooking Club, in which they adopt 'screen names' and chat about low-fat recipes, healthy new products or culinary impossibilities."
---"Cooking Up Some Brand New Recipes via Computer," Carole Sugarman, Washington Post, May 17, 1994 (p. F16)

According to the records of the US Patent & Trademark Office, Global Gourmet launched September 1, 1994: "Word Mark GLOBAL GOURMET Goods and Services IC 042. US 100 101. G & S: providing users of a global computer network with access to an interactive on-line computer database and bulletin board services featuring information about culinary products and services providing on-line computerized ordering of nutritional, culinary and food-related products and services providing video recordings and printed information regarding nutritional, culinary and food-related information that may be downloaded from a global computer network. FIRST USE: 19940901. FIRST USE IN COMMERCE: 19940901 Mark Drawing Code (1) TYPED DRAWING Serial Number 75067049 Filing Date March 4, 1996 Current Basis 1A Original Filing Basis 1B Published for Opposition January 7, 1997 Registration Number 2145180 Registration Date March 17, 1998 Owner (REGISTRANT) Electronic Gourmet Guide, Inc. CORPORATION CALIFORNIA 9770 Cherry Avenue Cherry Valley CALIFORNIA 92223 (LAST LISTED OWNER) FORKMEDIA LLC LIMITED PARTNERSHIP 230 SUNRISE CANTON WIMBERLEY TEXAS 78676 Assignment Recorded ASSIGNMENT RECORDED Disclaimer NO CLAIM IS MADE TO THE EXCLUSIVE RIGHT TO USE "GOURMET" APART FROM THE MARK AS SHOWN Type of Mark SERVICE MARK Register PRINCIPAL Affidavit Text SECT 8 (6-YR). SECTION 8(10-YR) 20080211. Renewal 1ST RENEWAL 20080211 Live/Dead Indicator LIVE"

[1995]
First printed Internet food site guide
Gary Holleman's book Food and Wine Online [Van Nostrand Reinhold:New York] was heralded as the first catalog of the culinary Web. When the Internet was new to average Americans, books listing topical web sites (patterned on phone book yellow pages) were cutting edge. Mr. Holleman states "The International Association of Women Chefs and Restauranteurs (IAWCR) is the first culinary association to homestead in cyberspace (p. 9).
[NOTE: Food Timeline Library owns a copy of Mr. Holleman's groundbreaking book. Compare with first recipes in ancient Mesopotamia.]

Magazines with recipes launch online: Hearst uploads Boa arrumação January 1995
"Browse through, or preview, selected text, photos and graphics, on the "Featured Magazines" page. Appearing on the screen will be current or recent issues of at least two magazines each month. These could include Hearst magazines such as Popular Mechanics, Esquire, SmartMoney, Sports Afield, Cosmopolitan and Good Housekeeping, and/or magazines from other publishers. This selective position will be made available for a fee"
--- "Hearst Debuts 'The Multimedia Newsstand' on the Internet, PR Newswire, January 24, 1995

Consuming demographics
"[Tor Manders] collects recipes with a computer. the Oakton software specialist relies almost exclusively on dishes posted on the Internet. He owns only a few cookbooks. Collecting recipes via computer is 'more immediate' than using a cookbook. [Manders] computer collection goes back 10 years. 'I just click and save them.' It's also far less limiting than a cookbook in which a cook gets one author's version of, say meatloaf. On the Internet, a simple request for meatloaf may turn up 50 or more recipes---and from users all over the world. Every day, Manders scans the Internet's rec.food.recipes news group. The news group functions like a combination recipe swap/ international chain letter. "
---"One Guy's Guide to Cooking from the 'Net," Carole Sugarman, Washington Post, February 15, 1995 (p. E4)

"Newhouse, which counts magazine content heavyweights like the Nova iorquino among its holdings, so far has just one online venture on tap. According to Folio: First Day (Newhouse won't comment), the company's Conde Nast segment is developing the cuisine-centric Epicurious online service, which will incorporate content from its Gourmet and Bon Appetit titles."
---"Finding your way with fellow publishers . . .Newhouse, K-R to join forces on 'Net," NewsInc.(newswire) February 20, 1995

"Even cautious publishers like Conde Nast Publications and Hearst Magazines are finally jumping into cyberspace, joining pioneers such as Newsweek, Time Inc., Rodale Press and Hachette Filipacchi Magazines. Conde Nast is believed to be developing two online products, including Epicurious, a service based on its Bon Appetit and Gourmet. Hearst in January opened the Multimedia Newsstand, a magazine subscription service on the Internet's World Wide Web (http://mmnewsstand.com)."
---"Pacesetting Magazines are Shifting Strategies for the Second Phase," Keith J. Kelly, Era da Publicidade, March 13, 1995 (p. S22)

"With much of the magazine industry still ambivalent about the merits of going on line, Conde Nast has decided to bite the bullet. The company will announce today the creation of CondeNet, a subsidiary that will develop material for the World Wide Web, the part of the Internet that is fast becoming the site of choice for magazines that want to be on line. Though Conde Nast hopes that eventually all its 14 core magazines will develop material for the Web, the magazines themselves will not be replicated. Instead, information and photographs from archives, reports from Conde Nast's worldwide network of stringers and some material from the magazines will be reconfigured to better meet on-line needs. For instance, the first magazine scheduled to go on line will be Conde Nast Traveler, sometime in June. Later this summer, CondeNet will start Epicurious, which will draw on the resources of Gourmet e bom apetite to provide information on food, wine, cooking and dining out. The editor in chief, Joan Feeney, former executive editor of Mademoiselle, said that Epicurious would offer a menu du jour, complete with directions for buying the food and cooking it. Someday, viewers should be able to call up the names of restaurants in cities they are about to visit, get copies of menus and even place orders."
---"Conde Nast to Jump Into Cyberspace," Dierdre Carmody, New York Times, May 1, 1995 (p. 10)

U.S. Patent & Trademark Office "Epicurious" tradename was first used in commerce September 1995. Registration #75975440. The registratnt was Advance Magazine Pubishers, connected with Conde Nast. Gourmet magazine announced Epicurious in the October 1995 issue (Letter from the Editor, p. 24)

[1997]
Business statistics
"According to current counts, Web sites devoted to food and recipes range as high as 3,000."
---"Cyberspace is Cookin'!," Art Siemering, Philadelphia Tribune, January 21, 1997 (p. C1)

[2012]
Current counts
"Fifteen years ago, a group of five cookie-loving anthropology graduate students launched CookieRecipe.com one of the web s first social media sites, with all of its contents created by its community. A few years and a few dozen websites (CakeRecipe.com, BreadRecipe.com, ChickenRecipe.com, etc.) later, the sites were rolled up into one Allrecipes.com. As use of the Internet grew among busy, family-focused women, Allrecipes grew as well. Today, the site that started with a single cookie recipe has grown to become the world s largest digital food brand, with 17 sites and 9 apps serving 25 million cooks in 22 countries. Much has changed in the world since Allrecipes first launched in 1997. In honor of its 15th anniversary, Allrecipes reran its first on-site survey from 1999 to capture a snapshot of these changes. Measuring attitudes and behaviors related to online recipe websites, Allrecipes discovered the impact digital food resources have had on the shopping and cooking behaviors of home cooks over the past 15 years."
SOURCE: Fresh Bites Blog

A biblioteca FoodTimeline possui mais de 2300 livros, centenas de brochuras de empresas de alimentos dos EUA do século 20 e dezenas de revistas vintage (Boa arrumação, Cozinha americana, Ladies Home Journal & c.) Também temos acesso imediato a revistas históricas, jornais e bancos de dados acadêmicos. O serviço é gratuito e acolhe a todos. Tem perguntas? Perguntar!


Taste of Africa.

Pro Tips and African Recipes

The African Gourmet has all the best quick & easy dinners for delicious meals on a busy night. Skillet suppers. Easy lunches. Everyday Meals. Easy African Desserts. From our African kitchens to yours, all the tips, advice and recipes you need to make life more delicious, from everyday dinners and desserts to special occasion African feasts.

Tell Us If You Like These 101 African Foods.


Best Plantain Takeout Snack

  • Get link
  • o Facebook
  • Twitter
  • Pinterest
  • E-mail
  • Other Apps

Cultural Icon Hard Rock Cafe Africa

  • Get link
  • o Facebook
  • Twitter
  • Pinterest
  • E-mail
  • Other Apps

Rice Casserole Of Your Dreams

  • Get link
  • o Facebook
  • Twitter
  • Pinterest
  • E-mail
  • Other Apps

White Fish Cooked in Red Onions

  • Get link
  • o Facebook
  • Twitter
  • Pinterest
  • E-mail
  • Other Apps

Bread Bowl Recipe and South Africa

  • Get link
  • o Facebook
  • Twitter
  • Pinterest
  • E-mail
  • Other Apps

African Food Love. You don’t need a silver fork to eat good food. - Paul Prudhomme

Facts are to the mind the same thing as food to the body. - Edmond Burke.

Truths are first clouds, then rain, then harvests and food. - Henry Ward Beecher.

Gems are valueless as food. - Unknown.

African dishes and foods.

Asun Peppery Goat Stir-Fry and Amala Recipe

Yoruba tribal nation makes up around 16% of Nigeria's population making them one of the largest ethnic groups in Africa behind the Hausa and Igbo. Nigeria, Africa's most populous country, is composed of more than 250 ethnic groups.

The female goat is used in most recipes because the meat from female goats is tenderer. Goat meat is consumed widely throughout Nigeria.

Goat meat is unique in flavor and palatability. It is leaner than many other red meats and usually less tender.

If you add too much liquids your pan will cool down too fast and your goat will simmer and not fry and you need your goat meat to fry.

To make a good Asun Spicy Goat stir-fry, you absolutely must have an extremely hot sauté pan or wok.

Just keep in mind, goat meat should never be served rare, it must be cooked thoroughly and well-cooked.

Yoruba Amala is a starch dish typically made from yam or plantain flour.

Eat your Asun spicy goat with Amala pounded plantain, it is easy to make but first let’s make the Asun using the simple recipe below.


Asun Peppery Goat Stir-Fry

1 pound goat meat, diced in small pieces

20 ground hot peppers of your choice such as cayenne peppers, jalapenos, banana peppers or habanero peppers.

2 colheres de sopa de óleo vegetal

Use an electric coffee or spice grinder to pound the chili peppers into a hot paste.

Clean and wash goat meat. Marinate your goat meat with lemon juice, salt, Maggie cubes and ground hot peppers for 20 minutes in a large Ziploc bag.

First, heat up the oil in your sauté pan then add half the goat meat marinate. Cook the meat until it is nearly done, then remove it, and set it aside.

Reheat the pan and add more oil if necessary, then repeat until all your meat is cooked almost all the way.

Remember, overfilling your sauté pan with goat meat will cool it off, and as the goat meat releases its juices, it will end up simmering and steaming rather than frying. Which means the goat meat will be tough and not tender.


Denny's

In many ways, Denny's was destined to be one of the worst restaurant chains ever created — at least, in terms of this century. People don't want to eat food that is basically heart attack fodder.

Denny's is known for having deep fried food, breakfast foods that are inedible, and for having coffee that tastes like acrid garbage water. It's the lair of morbidly obese truckers, and it's generally a place go when you want your waistline to die.

In recent years, it looks like the casual restaurant chain gave up on itself. Even their Twitter marketing campaign has the general air of, "screw it."

The important thing is that you tried, Denny's.


2019 Road Trip – Day 7: Hard Rock Cafés in Connecticut & the Bronx

Today definitely didn’t go as planned, but sometimes you’ve just got to roll with the punches and make it through until the end.

Today I had planned a jam-packed day full of intense driving and Hard Rock Café stops. We needed to be out of the hotel at precisely 7am to stick to the schedule. Instead we sauntered out of the hotel at a very leisurely 8:30… yikes! The reason for my demanding schedule will be clear later in this post. For now, just know that we started very late, so my schedule was shot to heck from the beginning.

HARD ROCK CAFE FOXWOODS

Because my fiancé collects Hard Rock Café shot glasses, we decided to take the long way home from Boston and pick up a few new additions to his collection along the way. Instead of heading west, we headed south, into Connecticut. Our first stop of the day was quite a surprise. The Foxwoods Hard Rock Café is inside a hotel/casino/shopping complex that is absolutely mind-boggling. When the directions said we were only 5 minutes away, it still looked like we were in the middle of nowhere, with one lone building poking up above the trees. Turns out, that building is the tower hotel part of a huge complex that houses 4 full-size casinos, restaurants, hotels, and an entire shopping center. The Hard Rock was somewhere around the middle. It made for a good leg stretch and fortunately we parked by the Starbucks… yay!

HARD ROCK CAFE NYC (THE BRONX)

Our next stop was the Hard Rock Café in the Bronx on the north side of New York City. Unbeknownst to me, the Hard Rock is attached to Yankee Stadium. That would have been excellent information to have ahead of time (thanks Goggle!), because we arrived about an hour before the start of a Yankees game and the entire area was insanely crowded! My fiancé is not a fan of either big cities or crowds, so our day was starting to turn sour pretty fast. We were able to find short-term metered parking about a block from the stadium. Because the Hard Rock was so busy, I waited outside while he went in to get his collectible. They were completely sold out of shot glasses and he came out disappointed and annoyed at having to deal with the crowds. We ate a quick lunch at an overpriced Subway with no bathroom (stick with me, this is important later) and got on the road as fast as possible.

We drove between Manhattan and the Hudson towards our next stop, the Hard Rock Café in Times Square as the clock started to tick down to around 4pm… on a Friday… the Friday before Labor Day weekend…. in New York City! Some of you might have already discerned where this is going, but for those who haven’t, I’ll continue.

Photo: Flickr / dogseat.

In addition to big cities and crowds, my fiancé really hates traffic, even if he isn’t the one driving. When we took the turn left to head into the city towards Times Square, you would have thought he was going to die. I’ve driven in Chicago a lot, so I wasn’t really phased by the New York City traffic, but he was about jumping out of his skin. The tall buildings, the insane traffic, the noise, the smells… it was all just too much for him and although we were within 2 blocks of the Hard Rock, he insisted we get out of the city and continue on our way immediately.

Despite the fact that we were both somewhat desperately in need of a bathroom, we decided to play bodily function roulette. I got in the mess of cars heading into the Lincoln Tunnel and we very slowly escaped New York City by way of New Jersey. We inched along for what seemed like an eternity and the traffic didn’t ease up for a good 2 hours. By then we were happy to be free, and our bodies had abandon all hope of a bathroom, so we continued on until we finally stopped to eat at a Texas Roadhouse outside Allentown, PA. According to my plan, we were supposed to make it to Hershey, PA that night (about another hour drive), but it was all too much for my fiancé and we ended up finding a nearby hotel, the Parkview Inn, and calling it a day.

Had we left on time (an hour and a half earlier), we would have missed the Yankees crowd in the Bronx and rolled into Times Square around 2:30pm. While it may have still been busy, it is Manhattan after all, the entire day probably wouldn’t have been as much of a trigger for my fiancé. I was a bit disappointed that we abandon hope only 2 blocks from our goal, but I am careful to pick my battles and this was one I’m happy to have avoided.


Perguntas frequentes

What happens to the gift giveaways that were planned?

Planned gift giveaways will be rescheduled based on the continued availability of each specific gift. Qualified guests will be notified of the new dates and times.

What happens to the entries I had for upcoming promotions?

Any entries earned for upcoming promotions will be transferred to new promotions, and guests will be notified of their entry balances. No entries will be lost.

I purchased concert tickets. How do I find out the status of concerts and shows?

Tickets for all canceled shows will be refunded at point of purchase. If the tickets were purchased online, this will be done automatically by Ticketmaster. If the tickets were purchased at the Box Office on property, you can receive your refund by calling 813-627-6649. If tickets were purchased with cash at the Box Office on property, you would receive a cash refund upon return of the tickets upon the reopening of the Box Office on property.

For events that have been postponed, the original tickets will automatically be valid for the new date. If you cannot attend the new date, the same refund process for canceled shows noted above should be followed. Ticketmaster não vai automatically process a refund for a postponed show. You must contact Ticketmaster directly. For tickets purchased on property, you will need to wait until the Box Office reopens and provide your ticket to receive your refund.

Gaming facilities operated by the Seminole Tribe of Florida have taken enhanced health and safety measures to protect our customers and team members. You must follow all posted instructions while visiting one of our gaming facilities. By entering this gaming facility, or any of its associated amenities, you acknowledge your understanding that there is an inherent risk of exposure to COVID-19 in any public place where other people are present. COVID-19 é uma doença extremamente contagiosa que pode causar doenças graves e morte. According to the Centers for Disease Control and Prevention, senior citizens and guests with underlying medical conditions are especially vulnerable.


Assista o vídeo: Легендарное Hard Rock Cafe. Огромные порции и ресторан-музей. Этой сети 50 лет! (Agosto 2022).